segunda-feira, 1 de março de 2021

BRIZOLINHA

      


        A gente se conheceu numa feira tomando água de coco, mais precisamente na barraca do Zé português, em Copacabana.  Eu ri quando reclamou com o Zé que lhe prometera um coco com muita água, mas deu a ela um coco sem água, praticamente, nenhuma.   O Zé costumava perguntar aos fregueses se queriam o coco com mais água ou com muita "carne"? E como não era adivinho, nem sempre acertava. Com o meu ele também tinha errado,  por isso eu  ri.  Ri da causa e não da consequência, mas ela supôs ser dela que eu estava sorrindo por isso acabei me explicando. Ela riu, me estendeu a mão e falou: –  Meu nome é Neusa.  Neusinha Brizola, como me chamam.  Eu também disse o meu nome e a gente riu junto.  Eu, com ela tentando olhar para dentro do coco e ela por me achar um babaca rindo daquilo.   Hoje Neusinha já não habita entre nós, faleceu há dois dias do meu aniversário em 2011.  Foi duro não vê-la obrigar a turma a cantar parabéns como sempre fazia. Muito duro.  A hepatite complicou seus pulmões e ela, que tinha todos os recursos do mundo, não suportou e se foi. Era chato vê-la fumando aqueles  baseados, principalmente quando dizia que os paraguaios não faziam mal a ninguém.  Hoje eu sinto falta do seu sorriso, dela reclamando do coco com o Zé e até fumando aquelas coisas eu sinto saudade.  Neusinha era da turma do Arpoador, a turma para onde fui levado, mas não frequentava.  Na época, por volta de 1985,  aceitei acompanhá-la a uma festa na Rua Duvivier, pertinho do Copacabana Pálace e o Beco das Garrafas, onde todo mundo cheirava e fumava até que a polícia apareceu e acabou com aquilo. Levou todo mundo para a delegacia, menos ela que foi levada para dentro de um carro preto me puxando pela mão.  No carro estava o motorista, um segurança e seu pai, então governador do Estado que não me queria no carro com ela, mas Neusinha o convenceu a mudar de ideia ou se atirava para fora do veículo que avançava pela avenida Atlântica a toda velocidade.  Eu era o único "careta" que com quem ela saía e por incrível que possa parecer a gente nunca transou.  Nunca toquei nos seus seios ou tentei qualquer coisa com quem, aos olhos dos outros, era tudo menos puta, pelo menos aos meus olhos não era. Talvez por eu não beber, não fumar outra coisa, além de cigarro, não cheirar ou injetar nas minhas veias o que meus heróis morreram injetando é que ela dissesse que acreditava em mim quando falava para os demais.  O meu pai adorava o pai dela como político e eu só dele como pessoa.  Eu já morava em Friburgo quando comprou uma frisa na Marquês de Sapucaí para o desfile daquele ano, mas infelizmente faleceu três meses depois.  O mais interessante é que ela havia me procurado, pelo menos foi o que me falaram, mas como troquei o chip do celular por causa das ligações que vinha recebendo, perdi o contato ou a minha namorada teria assistido, pela primeira vez,  ao carnaval do Rio no melhor lugar ao lado de mim e da minha amiga querida.

46 comentários:

  1. Bateu a saudade da amiga, numa "crónica" que adorei ler.Viver é a melhor coisa da vida, todavia um dos seus problemas para quem fica são as saudades dos que se vão.
    Abraço, saúde e um bom mês de Março

    ResponderExcluir
  2. Eu conheço esses endereços! Que experiência fantástica.Independente de política, sempre apreciei a iniciativa dessa família.

    ResponderExcluir
  3. Assim é a vida! Uns partem e outros nascem! E o bom disto tudo e viver e ter histórias para contar!

    Eu nunca bebi água de cocô, nem com muita água, nem com pouca água, com carne então, nem sabia que existia!!

    Beijinho amigo poeta, boa semana!

    ResponderExcluir
  4. Foi pena a Neuzinha ter partido, já que ele gostava da companhia dela. Agora ficou a saudade e a dor, que não se apagam nunca.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. mais uma historia que me deixa a pensar hehe desejo uma feliz semana bjs saude

    ResponderExcluir
  6. Palhaço Poeta,
    Gosto de seres que
    sabem dizer não; e que
    sabe a hora de dizer sim.
    O respeito entre seres de
    afeto me sensibiliza.
    Gosto de sentarmos e enquanto
    um fala o outro ouve
    e assim a amizade
    vai se solidificando.
    sempre. Neuzinha teve sorte,
    muita sorte, e eu também tenho.
    Bjins de boa nova semana
    e de esperança nesse novo mês.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  7. Por causa desses fumos esquisitos perdi um bom amigo muito cedo.
    Já na fase da desintoxicação.

    ResponderExcluir
  8. Não sabía desse poder afrodisíaco do coco! Um froito que aquí apenas consumimos, a non ser coco relado para bolos. Tomar eses sucos ou caldinhos com suas variedades de humidade...convida a sorrisos cómplices!
    Tudas as historias de amor nos deijam saudades, cuando tenhen sido boas historias, dou fé!
    Outra boa, das súas, querido Silvio!
    Com voçé eu aprendo muitas coisas do Brazil!
    Beijinho carinhoso do seu anjo!

    ResponderExcluir
  9. Quem fica no nosso coração nunca parte.
    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Bonita historia pero que triste que ella partió..... Saludos amigo Silvio.

    ResponderExcluir
  11. Me gusta cómo describes el lugar y las situaciones.

    ResponderExcluir
  12. Uma história deliciosa como sempre.
    gostei de ler.
    obrigada pela visita.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  13. Un buen amigo o amiga es un tesoro y es duro cuando se van

    ResponderExcluir
  14. Oi Silvio! Desta vez seu conto foi triste...Dizem que as melhores pessoas são as mais loucas, não sei se dar pra generalizar mais a Neuzinha prova isso, não é? Que bom ter experiência de uma boa e verdadeira amizade. Um abraço!

    ResponderExcluir
  15. Olá Silvio
    Amigos são jóias raras e quando partem deixam saudades.
    Adoro ler os seus contos.
    Um granda abraço
    Verena.

    ResponderExcluir
  16. Foi uma época em que se glamorizava essas coisas,de droga de loucura,de combate ao sistema. Acompanhei a carreira curta da Neuzinha Brizola. Pena que ela tenha partido,a amizade de vocês foi especial. Que bom que você compartilhou sua história. Abração

    ResponderExcluir
  17. Vim para aqui meio zangadita com a sua ausência, pois este ano ainda não foi me ver, lá na minha "CASA".
    Mas... a zanga passou, logo que li este conto. Fiquei rendida! Tão bonito! Muito triste mas tão ternurento que até faz doer a alma.
    Quando parte alguém que nos é querido fica uma saudade enorme que, com o tempo, se vai atenuando. Mas a lembrança jamais morre no nosso coração.

    Cuide-se muito bem, e tenha um Março glorioso.

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir

  18. Hola Silvio, cuando hay una buena relación es normal que a las personas las echemos de menos. Sabia que el coco tiene muchas propiedades pero esta la desconocía. Interesante historia.
    Saludos.

    ResponderExcluir
  19. Oi Silvio!
    Essas coisas acontecem mesmo, uma vírgula fora de lugar e as coisas acabam saindo de uma outra forma e nunca saberemos de verdade como teria sido se assim não fosse.
    Na juventude tudo é mais intenso, amores, amizades, diversão, todos os sentimetos.
    Abração e nada de relaxar com a vida, que o bichin tá doido pra sobreviver em nós.

    ResponderExcluir
  20. Silvio , meu querido as portas sempre estarão abertas para você. Fiquei sabendo ontem e até agora estou sem palavras, pois a ficha ainda não caiu. Diná, mulher poeta, muito talentosa. Sempre digo que por detrás da telinha tem uma vida com suas alegrias e tristezas. Somos gente! Que Deus dê o devido conforto para a família e todos nós amigos. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  21. Amigas que se vão, subitamente ou não, deixam um leque de saudades e uma dor profunda. Esta sua amiga foi e você ficou triste, machucado, saudoso como eu estou agora sem minha amiga Diná.
    Abraços fraternos!

    ResponderExcluir
  22. É amigo, a saudade de vez em quando nos faz retroceder no tempo e reviver uma história. Amizade sincera é muito bom; marca e deixa saudade, quando um deles se vai.
    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Olá Sílvio,
    Ainda não tinha ouvido falar da Neusinha, até dei uma pesquisada no Google.
    Esses locais que vocês frequentavam na juventude são bem familiares. Até ano passado estava morando coladinho ali no Beco das Garrafas, na Nossa Senhora de Copacabana. Saudade do meu antigo apê e bairro...
    Adoro essas histórias, me faz viajar no tempo!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  24. Uma história muito bem contada. Onde realidade se mistura com ficção? De qualquer modo, não faltarão vidas parecidas.
    Boa semana! Bjs.

    ResponderExcluir
  25. Una linda relacion de amistad que se extrañan sirmpre.. Linda hustoria. Un abrazo

    ResponderExcluir
  26. Un relato delicioso, Silviafonso, que me ha llevado a indagar más sobre la vida de tu amiga, muy interesante. Se fue demasiado pronto, pero seguro que permanecera en tu recuerdo siempre. hay personas que digan lo que digan los demás no tocan el alma.

    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Olá meu amigo Silvio,
    Saudades de estar aqui no seu cantinho! A Neusinha Brizola fez muito sucesso nos anos 80 com a sua música e rebeldia, lembro da canção "Mintchura", que fez muito sucesso e tocou no Fantástico. É uma pena quando perdemos pessoas amigas tão cedo, fica um vazio enorme e uma grande saudade. Adorei o texto!
    Um abraço ao amigo!

    ResponderExcluir
  28. Dei um saltito até aqui só para dizer que gostei muito de te ver na minha casinha, e, para não perder tudo... 😉 aproveitei para reler este conto que ma agradou ainda mais do que da 1ª. vez. Isto acontece muitas vezes porque há sempre alguns pormenores de que só nos apercebemos como uma segunda leitura.
    A propósito, lembrei-me de um libro que eu li n vezes, (e a última não foi a última, com certeza) e que, cada vez que o releio encontro algo de novo. Trata-se do livro A UM DEUS DESCONHECIDO, do John Steinbeck. Maravilhoso!!! Já leste? Se não, aconselho vivamente.
    E com este conselho te deixo. Vou pregar p'ra outra freguesia. Não sei porque é que há tantas freguesias na blogosfera... 😂

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  29. Obrigado por ter visitado o meu humilde cantinho pelo comentário e também por me seguir o seu blog é muito bom gostei muito...um beijinho e um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  30. Las amistades bonitas, siempre
    nos dejan lindos recuerdos y por
    mas que el tiempo pase, mas se les
    extraña, un placer visitarte mi amigo.

    Besitos dulces

    Siby

    ResponderExcluir
  31. Palhaço Poeta,
    Nós seus leitores estamos
    fadamos a abstinência?,
    ou está só nos castigando
    de propósito?
    Puxa...
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  32. Lembro-me da pessoa pública, que apenas conhecia das notícias. Obrigado, mestre, pela bela imagem que nos dá também da pessoa! Meu abraço e minha solidariedade pelos entes queridos que perdemos, através dos anos. Boa semana!

    ResponderExcluir
  33. A saúdade faz recordar belas estórias.
    Obrigado por me fazer sorrir na visita ao meu blog, os meus dias não têm sido de sorrisos a um mês que o meu marido faleceu.
    Abraço, muita saúde

    ResponderExcluir
  34. Como sempre uma história que nos prende do principio ao fim.
    Aqueles de quem gostamos, podem partir fisicamente, mas nunca abandonam o nosso coração.
    Fique bem, um grande abraço

    ResponderExcluir
  35. Un placer leerte.
    Y gracias por tu saludo de cumpleaños
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  36. Quão legal ele é. realmente alguém com uma boa personalidade.
    Mesmo que tenha terminado tristemente, estando separados para sempre.

    ResponderExcluir
  37. Ola
    Que bacana,
    Neuzinha fez sucesso com sua musica Mintchura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  38. Hola Alfonso una hermosa historia de amor y amistad. Que tristeza que tuvo esa enfermedad tan grave.
    Gracias por compartirla.
    Besos.

    ResponderExcluir
  39. Buenas noches.
    Me encantan las trufas de coco rallado.
    Pero me he quedado de piedra del suceso. El perder la amistad de un ser querido.
    Saludos

    ResponderExcluir

POR FAVOR, NÃO SAIA DE CASA
(Se possível, fique na sua casinha,
não receba ou faça visitas. Não abrace
ou se deixe abraçar porque se você não
pegar o vírus não me mata e eu não
mato os outros.
((silvioafonso))


.