segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

AMIGOS PARA SEMPRE.

 

      Só quem não conhece o meu bom humor pode dizer que eu sou um contador de  vantagem e talvez eu até seja, mas quero lembrar que ninguém sai por aí dizendo das suas mazelas. Eu, por exemplo, não saio, mas tem momento que não dá para segurar e acabo falando. Um dia desses, só para me explicar, o Cagalizo, um amigo dos velhos tempos, me procurou com uma garrafa de vinho embaixo do braço. E para meu azar foi no dia que eu escolhi para descansar e sair da cama tão cedo não estava nos meus planos, mas com ele esmurrando a porta...  Entrou erguendo a garrafa no alto. Enquanto eu fui ao banheiro escovar os dentes ele serviu o vinho e abriu um pacotinho de azeitona que tinha consigo.
– Eu não bebo de manhã e você sabe disso falei p
ara quem me apontando o relógio do microondas dizendo: –  são duas da tarde, meu caro.  Eu não ficava tanto tempo na cama desde quando mamãe me pegava no colo.  Não fosse o maluco querendo derrubar a porta eu ainda estaria dormindo.  Cagalizo ergueu a taça, olhou para mim, e virou de uma só vez.  Em poucos goles esvaziou a garrafa e só então começou a chorar. Ele chorava, enxugava o nariz e reclamava da mulher, dos filhos e até do patrão falou mal. Disse, entre outras coisas, que Deus não gostava dele ou não teria lhe dado uma cruz tão pesada.  Aliás, não só Deus, não gosta de mim como os amigos também não gostam como eu gosto deles – dizia tentando espetar a azeitona fujona com a ponta do palito. Limpou a boca com as costas da mão e se levantou para jogar água na cara.  O constrangedor não foi o desabafo ou o vinho que me fez tomar fora de hora, muito menos a cadeira puxada para o lado da minha e o hálito de bebida com azeitona tão junto da minha cara,  mas aquela mão cheia de dedos escorregando pelo meu ombro quando foi se sentar.    Dizem que eu sou um cara educado, mas não tive como ficar sentado naquele momento. Dei uma desculpa qualquer e fui fazer, não me lembro o quê.  Mas o infeliz foi atrás e sobre meu ombro falou-me tão junto à orelha que um arrepio correu-me da nuca aos calcanhares. Dei um salto para frente (eu disse para frente, viu, senhores faladores?) e gritei com ele.  
– Pô, Cagalizo!  Tu chegas sem avisar, me tiras da cama, me fazes beber e comer na hora que eu não estou a fim, me contas teu passado e o pior, tu queres me dar ou me comer, fala o que tu tens na cabeça, sujeito?  E faças um favor para o seu camada: vás embora e me ligas  assim que lembrares da besteira que vieste fazer com um cara que gosta tanto de ti.
Nunca mais vi o sujeito de quem tanto gostava e devo favores.   

39 comentários:

  1. Muy chulo, es que no son maneras...ni para un buen amigo. Son gestos que rompen la historia de amistad, seguramente.

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  2. Muy oiginal tu anécdota, Silvio...y como hace tiempo no me visitas, te invito a mi blog "Joyas de mi alma". Un abrazo.

    ResponderExcluir
  3. amigos de verdade hoje ha muito poucos e eu que o diga muitos sao so por entrese isso sim mais um texto que deixa a pensar gostei bjs saude

    ResponderExcluir
  4. Tuas histórias sempre nos prendem até o final.Muito boa! abraços, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  5. Palhaço Poeta,
    Realmente adoro sua
    criatividade na escolha
    de imagens, títulos e nomes
    dos personagens.
    Tirei uma lição desse
    hilàrio texto: nunca
    visitá-lo sem agendamemto
    mesmo que leve comigo
    uma garrafa de seu Wisk
    predileto.(rsrs)
    Brincadeiras a parte:
    Bjins de boa nova semana.

    ResponderExcluir
  6. Mais uma história muito bem contada. Mas há pessoas assim que não sabem a hora apropriada para visitar alguém que consideram amigo...
    Cuide-se bem meu Amigo Sílvio.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Uma história bonita com um fim…
    Gostei muito

    Muita saúde e boa semana

    ResponderExcluir
  8. Depois da carraspana ele nunca mais vai procurar o amigo. Isso se é que ele vai se lembrar da besteira que fez
    Um belo conto amigo Silvio
    Beijinhos poéticos

    ResponderExcluir
  9. Isso, querido Silvio, acontéce-lhe por non guardar a distançia de seguridade ( rsrs). Muito engraçado o da azeitona fujona do palito!!!
    Abraço e humor!

    ResponderExcluir
  10. Uma boa história.
    Posso estar errada, mas creio que ele não queria nem uma coisa e nem a outra. Apenas ter alguém pra desabafar.
    Terminou com amigo para nunca mais.
    Pensando nisso que li seu texto.
    Boa semana pra você.

    ResponderExcluir
  11. Muito bem. Um doa o cara aparecerá outra vez :))
    -
    Coisas de uma Vida
    -
    Beijo e uma excelente semana.

    ResponderExcluir
  12. Ahahaahahaah. Mais um pouco de vinho e nem o Cagalizo se safava de, pelo menos mamar,.......................... no gargalo da garrafa vazia, lol
    .
    Saudação poética.
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  13. Tenho muito pouca paciência para desgraças e carpideiras, confesso.
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
  14. É muito bem contado e, como sempre, interessante de ler até o final. Obrigado, Silvio.
    Saudações de boa semana.

    ResponderExcluir
  15. Pobre Cagalizo, se deu mal...rs
    Curiosa para saber se ele vai voltar.
    Um grande abraço
    Verena.

    ResponderExcluir
  16. Às vezes é preciso ter coragem para colocar as pessoas no seu lugar, não é por ser um amigo a quem deve favores, que vai desrespeitá-lo. Não suporto gente mal educada e sem modos!
    Tal como me pediu, estou cá. Certo?

    ResponderExcluir
  17. Muito bom,Silvio! Cada um nos seus limites. Há horas que ser ombro é desconfortável, temos que pesar.
    Abração!

    ResponderExcluir
  18. É assim mesmo, podemos ser muito bons para os amigos, mas certas confianças não!

    Beijinho amigo Sílvio!

    ResponderExcluir
  19. Imagino a situação constrangedora. Complicado! Acho que ele estava carente. Depois ficou envergonhado e sumiu.
    Como sempre, uma excelente história, com pitadas de humor...
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. E assim se estraga uma amizade.
    Mas, coitado do moço... às tantas só precisava mesmo de desabafar, de quem o ouvisse, de um ombro amigo...
    Bjs

    ResponderExcluir
  21. ora assim se estraga uma amizade
    http://retromaggie.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  22. Bom há gente que pensa que só eles é que sofrem e pensam que os amigos estão dispostos a suportar todos os seus dislates em nome da amizade.
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde, Silvio
    Acredito que ele estava querendo um amigo para desabafar. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  24. Mais uma bela história de vida que vivida deixa marca!!! 👏👏👏

    ResponderExcluir
  25. Kkkkkkk...esse Cagalizo é muito sem noção! Aparece sem avisar e sem ser convidado, na hora errada, pra se lamuriar... e ainda fica falando no pé do ouvido da pessoa!
    " Tu queres me dar ou me comer?" foi a frase pra fechar com chave de ouro! Reparei no nome de novo! Cagalizo? Pensei que ele ia pedir pra ir no banheiro....kkkkk...Adorei Silvio!

    ResponderExcluir
  26. Se o amigo chegou sem avisar, é porque tinha essa liberdade. A mesma que o outro demonstrou ao dar o chega pra lá nele, principalmente se ele já tinha entornado algumas... Amigos de verdade não são somente os que guardam segredos e encobrem erros fazendo de conta que não percebem os defeitos, e sim os que os espoem a medida do necessário, mas isso se for amizade de fato, pois a verdade nem sempre é doce enfeitada.

    ResponderExcluir
  27. Olá Palhaço poeta.
    gosto muito de palhaços e poetas,
    combinação muito boa.
    uma história muito bem contada.
    Nem sempre estamos dispostos a receber visitas.
    Mas nesse caso ele não queria beber, nem comer azeitona.
    Ele queria mesmo era um ombro amigo.
    abraços e bom fds!

    ResponderExcluir
  28. Oi, Sílvio!
    É bom ter um amigo para desabafar nos bons e maus momentos.
    Se tremeu assim tanto a conversa, é porque a amizade não era assim tão forte.
    E se queria pegadinha, então torna - se hilariante!
    Beijinhos!
    Megy Maia☔💝☔

    ResponderExcluir
  29. Deijei-lhe a sua fatia de bolo no meu post!!!Boa finde. Beijinho.

    ResponderExcluir
  30. Podemos acreditar que tudo que a vida nos oferecerá no futuro é repetir o que fizemos ontem e hoje. Mas, se prestarmos atenção, vamos nos dar conta de que nenhum dia é igual a outro. Cada manhã traz uma bênção escondida; uma bênção que só serve para esse dia e que não se pode guardar nem desaproveitar. Se não usamos este milagre hoje, ele vai se perder. Este milagre está nos detalhes do cotidiano; é preciso viver cada minuto porque ali encontramos a saída de nossas confusões, a alegria de nossos bons momentos, a pista correta para a decisão que tomaremos. Nunca podemos deixar que cada dia pareça igual ao anterior porque todos os dias são diferentes, porque estamos em constante processo de mudança.

    ResponderExcluir
  31. A amizade é como cuidar de uma criança - requer cuidado e atenção constantes :)

    ResponderExcluir
  32. Estou feliz que você tenha me visitado :)

    ResponderExcluir
  33. E eu estava quase a chorar também com pena da criatura!
    mas essa aproximação com tantos dedos numa só mão,
    mais o cheiro de azeitona,
    aí fiquei revoltada e acabou-se a compaixão
    ainda bem que gritou com ele!!!

    ResponderExcluir
  34. Retribuindo a visita...Pena, que não trago o vinho! Rs

    ResponderExcluir
  35. Muy divertido, Silvioafonso, entre mis límites a la amistad es que no me acompañen al baño...

    Me hiciste sonreír.

    ResponderExcluir
  36. Hola Silvo.
    Me gustó esta lectura. AMIGOS PARA SIEMPRE,como dice el título.
    Por desgracia en la vida no existen muchos amigos en las vidas de las personas.
    Pueden existir amigos de verdad contados con los dedos de una mano, pero hasta ahí. Y nada más
    Hay muchas apariencias y eso no son amigos para nada.

    SALUDOS

    ResponderExcluir

POR FAVOR, SE PUDER, NÃO SAIA DE CASA.
(silvioafonso))


.