segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

NA MESMA MOEDA.


    mão explodiu na cara dela, não por ter olhado, mas por ter sorrido para alguém que tomava chope naquele bar onde os carros param quando fecha o sinal.  Eu não sabia que era casada ou não teria acenado como fazia nas vezes em que ela passava e eu tomava chope com meus amigos e para dizer que eu não fiz nada, saí correndo atrás do carro que acelerou e sumiu antes das porradas que o motorista ia levar.  Senti muito ter causado tudo aquilo e  não poder fazer nada doeu muito mais.  De qualquer forma ficou a certeza deu que o covarde só bateu porque mulher não revida, mas comigo seria diferente, por isso fugiu quando corri atrás dele.  Eu não a conhecia e muito menos sabia o seu endereço porque se soubesse não ia prestar.  Agora estou eu aqui na inauguração do bar do meu amigo tomando o meu chope e quem eu vejo sentado com duas garotas contando vantagem?, o covarde da noite passada.  Eu não podia estragar a festa  do amigo porque poucos, como eu, sabem da luta que travou para abrir esse negócio. Foram anos de trabalho e renúncias e não seria eu, um amigo de infância, que ia estragar tudo, mas ninguém me proibi de tropeçar no garçom e derrubar a bandeja de chope encima do safado, até porque, acidentes acontecem.  E foi o que fiz.  O cara tomou aquele banho e quando quis se encrespar com o garçom eu o segurei pelo músculo, que liga a clavícula ao pescoço, mandei que se calasse e com um sorriso falso nos lábios o levei para se lavar num chuveiro nos fundos do bar.  Peguei o celular que deixou sobre a mesa e com desculpa de levar para ele, eu liguei para aquela que mais se parecia com a mulher que apanhou naquela noite  a quem eu disse onde, com quem e em que estado o deixei naquele momento. Desliguei e joguei o celular na cesta de lixo.  Hoje a gente até com um certo constrangimento recorda a violência com que o marido a tratou, mas se não fosse aquilo eu não a teria nos braços como a tenho nesse momento.  A gente se entende bem porque se revidasse aquela violência a gente não poderia se encontrar uma vez por semana como vem acontecendo.  Isso nos dá a certeza de que violência não se paga com violência, mas com carinho, beijos e muito sexo, como a gente vem fazendo depois que me deparei com o salafrário na inauguração do bar do meu amigo.  Um dia ele vai entender que nem tudo é porrada.  Nesse dia, quem sabe, a gente não sai pra tomar umas cervejas?

41 comentários:

  1. Silvio, violência e machismo de todo tipo estão presentes em nossa sociedade. Pra quem curte é um prato cheio e acredite há quem goste, inclusive algumas mulheres!
    Muito bom seu texto, Silvio!
    Abração, boa semana!

    ResponderExcluir
  2. Palhaço Poeta,
    Isso sim é um ser
    vingativo!
    Jogar o celular no lixo! rs
    Que medo desse personagem.
    Bjins de boa semana
    e Abraço de saudade do
    tempo que era possível...
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  3. É uma verdade violência não se paga com violência, uma história que deixa o leitor ainda mais preso a história abraços.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderExcluir
  4. A violência sobre as mulheres é uma coisa muito cobarde. A sua história mostra o outro lado mais romântico desse encontro semanal e que ela esquece o marido tonto que tem...
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. OLÁ! BOM DIA... ADOREI O SEU BLOG, MUITO INTERESSANTE. JÁ ESTOU SEGUINDO VOCÊ. VENHA CONHECER O MEU CANTINHO. ELISABETE.

    ResponderExcluir
  6. La violencia solamente genera más violencia, pero algunos no lo entienden. A veces, no lo entienden nunca.

    ResponderExcluir
  7. Great writing. Love is the cure for everything.

    ResponderExcluir
  8. Oi Sílvio
    Amo meu marido, ele faz todos os meus gostos.
    É insubstituível
    Abraços
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  9. Vão acabar por ser amigos. É mais bofetada, menos bofetada. lol
    Nada que um chope bem bebido não acalme e una.
    .
    Feliz semana
    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Muito bem. Adorei o texto!!:)
    **
    Estrada da vida
    -
    Beijo e uma excelente semana

    ResponderExcluir
  11. Beautiful written!
    In some moment the vice versa could happen.
    Hugs

    ResponderExcluir
  12. Mais uma história muito bem contada, em que o autor compensa a violência doméstica, um dos grandes males da atualidade, com a parte romântica da história.
    Abraço, saúde e bom feriado

    ResponderExcluir
  13. Boa noite Silvioafonso \o/
    Tudo bem?! Quanto tempo.
    Amei seu texto maravilhoso, criativo e inconfundível...
    Se deu bem hein! Me refiro aos encontros semanais. Rsrsrs!
    E o chope caindo nele foi ótimo!
    Bjs \o/
    Saudade :)

    ResponderExcluir
  14. O que mais gostei foi do banho de cerveja kkkkk. Não há mesmo como ficar indiferente a essa violência, que vem sendo acentuada por demais. Mas o final acabou sendo bem romântico. Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Para tudo há um preço, nem sempre justo. Em fim, cada um tem a sorte ou azar que merece; né?

    ResponderExcluir
  16. Olá Silvio,
    Não faz muito tempo presenciei uma cena muito grotesca na Olegario Maciel e até me pareceu ter sido a mesma historia que mostraram na tv; parece ficção o que vc contou, mas fico pensando se não seria verdade, alias, diariamente, noticias só falam de ações tais como essas.

    ResponderExcluir
  17. Hola Silvio Alfonso.. Ufff que relato!!!Diría que tragicómico. Pienso que la violencia no es de géneros, es violencia en cualquier circunstancia y que lamentablemente engendra violencia. ningún sentimiento sano puede nacer en una persona que se siente agredida ya sea física como psicológicamente.. Has llevado el relato hasta un final bastante estremecedor.. Me ha gustado.. Un abrazo

    ResponderExcluir
  18. Olá meu amigo Silvio, a violência contra a mulher é uma das pragas da nossa sociedade e infelizmente com a pandemia ela só aumentou. Você tem toda a razão quando diz que violência não se paga com violência, é isso mesmo. A nossa sociedade ainda é muito machista, o homem pode tudo e a mulher não pode nada, temos que mudar isso urgente. Agradeço pelo seu belo comentário no meu blog, deixei uma resposta para o amigo.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  19. A bestialidade ainda teve bons resultados.
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
  20. La violencia de esa vez la llevo a tus brazos..... Un gusto leerte amigo Poeta. Saludos.

    ResponderExcluir
  21. Infelizmente a nossa sociedade ainda é super machista e acha que mulher merece apanhar. O banho de cerveja foi pouco para ele.

    Beijo.
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  22. O machismo anda por toda a parte...infelizmente!

    Beijo

    ResponderExcluir
  23. Como é triste ter o machismo tão enraizado na nossa sociedade!

    bjs

    http://ludantasmusica.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  24. Eu pessoalmente não gosto de violência.
    A vida não seria bela se houvesse paz ..

    Saudações de amizade.

    ResponderExcluir
  25. Bom dia meu querido amigo, Silvio.
    Lí o texto em um só fôlego. Pense numa vingança classuda, com amor, carinho e habilidade conquista-se o mundo. Violência é para os fracos, bater em mulher é para os covardes. Silenciosa vingança!
    Amigo querido. antecipo os votos de Boas Festas, darei pausa nos blog's, então agradeço sua companhia e carinho em 2020 e que em 2021 estejamos novamente por aqui semeando poesia.

    Feliz Natal e Ano Novo para vc e toda família.]
    Bjss

    ResponderExcluir
  26. Bom dia Silvio! Bom, eu não gosto de violência, porém se tratando de um covarde uma chuva de cerveja seria pouco...Vingança maior são esses encontros carinhosos e periódicos... Estamos vivos! Sua vida é uma poesia a céu aberto, grande Silvio! Ainda vai acontecer as cervejas se Deus quiser! Aquele abraço.

    ResponderExcluir
  27. A violência nunca leva a lugar nenhum. Gostei de ler o texto. :)
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  28. Boa tarde Silvio! Gostei muito de ler este texto, a violência é um assunto tão delicado e não devemos ficar indiferentes. Eu já estou seguindo seu blog. Um abraço!

    ResponderExcluir
  29. Olá, Silvio!
    Sou contra a violência, mas o cobardolas mereceu o banho de cerveja e ser trocado pela mulher.
    Gostei de ler.
    Beijo, bom fim-de-semana... em casa.

    ResponderExcluir
  30. ◕‿◕ Silvio, esses homens que acham que são donos da mulher e resolvem tudo na base na violência não merecem consideração nenhuma...gostei do revide do personagem. Só pensei numa coisa: quando ele descobrir a traição da mulher será que ela não será vítima de mais violência? Perigoso isso aí...◕‿◕

    ResponderExcluir
  31. Que fuerte y con mucho realismo.

    Saludos desde Plegarias en la Noche.

    ResponderExcluir
  32. Sílvio,
    Me perdoa se ficou sem resposta do comentário que me enviou. Ontem me deu uma dor de cabeça que pensei em morrer.
    Tentava responder para você e a Chica e nada
    Conclusão, mexi, mexi que acabou excluindo as duas. postagens.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  33. Ah! Os ciúmes doentios!
    Gostei do seu texto.
    Bom domingo.

    ResponderExcluir
  34. O poeta sabe como mexer com a mente de quem o escuta!!!... 👏👏👏👏👏

    ResponderExcluir
  35. Olá, meu caro!

    Achei interessante a sua postagem.

    Boa semana para si!

    ResponderExcluir
  36. Depois dizem que são as pessoas de escorpião que são
    vingativas kkkk;

    ResponderExcluir
  37. Nem mais, "cá se fazem, cá se paguem"
    também achei que um banho de cerveja seria pouco,
    para o castigar o personagem violento!

    ResponderExcluir

POR FAVOR, NÃO SAIA DE CASA
(Se possível, fique na sua casinha,
não receba ou faça visitas. Não abrace
ou se deixe abraçar porque se você não
pegar o vírus não me mata e eu não
mato os outros.
((silvioafonso))


.