segunda-feira, 16 de novembro de 2020

SABOR DA BALA

    

    Marcinha ficou sabendo que Mendonça, parceiro que a Academia designou para substituir o detetive Cajado, morto numa incursão, era gente boa, mas só não sabia que além de solteiro era alto, forte e muito, mas muito bonito como constatou quando o marido o levou para jantar com eles.
– Gostei que o tivesse trazido pra jantar – disse Marcinha ao marido ao fechar à porta atrás de si – ele é muito mais agradável do que o falecido Cajado e como conversa bem. Fiquei impressionada.  Pode trazê-lo outras vezes se você quiser.  A propósito, porque não o convida para o churrasco que a gente faz na casa de praia se é tão bacana como demonstrou?
  Peçanha achava que vinha fazer dupla com um maluco que só perdeu o parceiro por sair dando tiro  para todos os lados como disseram, mas estava enganado.  O cara foi morto por imprudência e não por outra razão. Fazer dupla com um policial linha dura era de se ter medo, mas esse, quando tirava a farda, era doce e gentil e ainda por cima  casado com uma mulher tão interessante que até ele, para estar ao lado dela, sairia dando tiros a esmo se fosse preciso.
- Eu gostaria de agradecer o jantar dizendo que depois da minha mãe ninguém deu sabor às receitas tão bem quanto a senhora – Disse com um par de olhos verdes cravados nela que corada, pediu licença e saiu pra cozinha.   O marido levantou o copo e brindou o amigo – Que este seja um dos muitos momentos bons que passaremos juntos.
O jantar rendeu assunto pra muitas conversas entre marido e mulher e num certo momento ela falou ao marido: – Por que não convidá-lo para o churrasco na casa de praia nesse fim de semana?
 A cada encontro a amizade se tornava mais forte, até que surgiu um novo convite;  romper o ano com eles já que Mendonça morava sozinho, mas o rapaz declinou o convite.
– Eu gostaria muito e nem sei como dizer isso, mas não posso aceitar.   Não posso porque esta é a primeira vez que vocês rompem o ano juntos e não vou atrapalhar a lua de mel de vocês – disse com uma certa tristeza.  Mendonça mentiu quando recusou o convite.  É claro que ele queria estar com os dois, pois assim estaria perto da mulher que mexia tanto com os seus sentimentos, mas como mulher de polícia tem gosto de chumbo decidiu ficar longe o máximo que pudesse aguentar, mas não demorou para que o procurassem.
– Quem é? – disse para quem não tirava o dedo da campainha.
– Sou eu, Marcinha,  já esqueceu?  – Mendonça ficou mudo.  Abriu a porta e ela entrou  como se conhecesse o lugar.
– Por que não foi mais lá em casa. A gente também sente saudade, sabia? – Perguntou arrumando o casaco no espaldar da cadeira.  Mendonça, ainda sem fala, fechou a porta, empurrando com o pé e a levou pra cozinha.  Abriu uma cerveja e antes do primeiro gole o celular tocou –  Era o dela, que se desculpou e disse ao desligar –  É meu marido, eu tenho que ir.  Deu um beijo na face e falou antes que a porta fosse fechada – Me espere amanhã que eu volto para terminar a cerveja.  – Foi embora, mas não levou o  casaco.

31 comentários:

  1. Seguro que volverá, por el abrigo, o quizá mande a su esposo por el. Saludos amigo Poeta. Bonita historia.

    ResponderExcluir
  2. Moral da Estória: Nada de convidar gajos para nos acompanhar quando estamos com a nossa mulher/namorada, não vá o diabo tecê-las, lol ( convidar mulheres, imagino ser igual, para a nossa mulher/namorada)
    .
    Feliz início de semana
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  3. Pois o casaco serve de desculpa. Coitado do marido.
    Abraço, saúde e boa semana

    ResponderExcluir
  4. Oi Silvio! Gostei do conto,quando a atração é forte é preciso muita estrutura para resistir ou não, mas como diz uma música do Sinatra: "O que é o homem, o que ele possui se não possui a si mesmo?"
    Abração, boa semana, querido amigo!

    ResponderExcluir
  5. Ai, a Marcinha que caiu logo na tentação... Que história danadinha, meu Amigo!
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. passando para desejar uma linda semana bravo bjs saude

    ResponderExcluir
  7. Una historia de las que hacen pupa...
    Otra payasa aprendiz de poeta te sigue, yo, cumplo, no sé tú.
    Feliz semana.

    ResponderExcluir
  8. Boa noite,Sílvio. Gosto do estilo dos seus contos.
    Marcinha programou tudo, não é mesmo?Vai ter que voltar, não digo para terminar a cerveja, que já estará quente, mas para pegar o casaco que deixou no espaldar da cadeira. Boa noite!

    ResponderExcluir
  9. Na continuação...tudo poderia acontecer, mas como disse: «mulher de polícia tem saber de chumbo».

    Sempre surpreendente.
    Beijinho

    ResponderExcluir
  10. Olá Silvio
    Um esquecimento proposital eu diria
    Mas o Mendonça precisa tomar cuidado...
    Mulher de amigo...
    Um conto magnífico
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Seus contos são ótimos, Silvio. E o casal está no começo do casamento, hem! Pobre marido! Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Curiosa pra saber se ela voltou pra pegar o casaco, o que aconteceu depois disso... Belo conto!

    ResponderExcluir
  13. Eita lasqueira. Esse ai tentou fugir da mulher como o diabo foge da cruz, mas pelo visto não adiantou. Kkkkkk
    Queria muito que a trama tivesse continuação, fiquei curiosa.

    Fiz uma postagem nova lá no blog e gostaria muito de saber o que você achou.
    Beijos,
    Paloma Viricio❤

    ResponderExcluir
  14. Olá amigo Sílvio!
    Curiosa para saber o que aconteceu com o casaco esquecido!
    A sua escrita fascina!
    Um abraço!🌷🌸🌹
    Megy Maia🌈

    ResponderExcluir
  15. Hello, Sivio! I will read your blog too. Thank you for the comment in me cats' blog. If you don't like cats you can follow my another blog.

    ResponderExcluir
  16. Amigo Sílvio
    Uma história que prende a leitora:queria mais. Vou continuar a seguir esta narrativa deveras interessante.
    Um abraço
    Beatriz

    ResponderExcluir
  17. un relato interesante y que engancha hasta el final.

    ResponderExcluir
  18. Que tendrán los hombres vestidos de uniforme? 🤔 😋
    Y porque no me pasan estas cosas a mí?
    besos

    ResponderExcluir
  19. Es una historia interesante y buena.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  20. Olá, tudo bem? Sou a Andréia Inoue e escrevo principalmente sobre exposições e peças teatrais. Novos amigos são bem vindos, quero conhecer o seu conteúdo e te convidar para seguir o meu Blogger.
    https://andreia-inoue.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Meu caro!

    Achei bem escrito o seu texto

    Bom fim-de-semana!

    ResponderExcluir
  22. Silvio, ela vai voltar pra beber a cerveja e pegar o casaco...O marido vai ter enfeite na cabeça...KKKk...Abraços!

    ResponderExcluir
  23. Tem sempre uma peça solta, Silvio
    _ no caso esquecida!!

    ResponderExcluir
  24. Great story! I will be waiting for your next stories!
    Greetings from Poland !
    Ela

    ResponderExcluir
  25. Um histórico de caso
    Ele não pegou o casaco. é um motivo para vir vê-lo novamente?
    Tenha um bom fim de semana
    Saudações

    ResponderExcluir
  26. Silvio, ela foi pegar o casaco e tomar a cerveja? Que a semana seja abençoada! Beijos

    ResponderExcluir
  27. Olá meu amigo! Tô ansiosa para ver a continuação do conto. Muito bem escrito, adoro!!
    Passando para desejar um lindo começo de semana.
    Passa lá no blog que eu vou adorar ver sua opinião sobre minha nova postagem.
    Beijos,
    Paloma Viricio

    ResponderExcluir
  28. Ela não levou o casaco porque estava com calor, ser?

    ResponderExcluir
  29. Imagino que eles irão começar bem o ano,
    e que não seja aos tiros:)
    às vezes aparece com cada uma!

    ResponderExcluir

POR FAVOR, NÃO SAIA DE CASA
(Se possível, fique na sua casinha,
não receba ou faça visitas. Não abrace
ou se deixe abraçar porque se você não
pegar o vírus não me mata e eu não
mato os outros.
((silvioafonso))


.