segunda-feira, 26 de agosto de 2019

É DANDO QUE SE RECEBE

    

     Não tinha uma vez que eu não corresse para vê-la subir a ladeira onde a gente morava.  Ela era morena, magra, 14 anos e não muito bonita.  Não tinha corpo e nem jeito de mulher, porém fôra, pelo que nos diziam, estuprada por vários rapazes do bairro e isso mexia muito comigo. Eu sei que é triste falar dessas coisas, mas se quero falar a verdade preciso dizer que um menino de 15 anos morre de desejos pecaminosos quando ouve falar dessas coisas, imagina ver aquela que teve vários rapazes um pouco mais velho  tocando um corpo que não lhes pertencia e muito menos tinham o seu consentimento.  Não quero dizer com isso que eu os invejasse,  mas só de pensar no ato eu sabia que também pecava como qualquer ser humano da minha idade.  Agora eu a vejo atravessar a passarela dos sonhos que eu tive com ela enquanto ela, quem sabe, não pensasse que a minha passarela era o corredor da morte das possibilidades de se casar virgem, não ser tratada pelos pais dos amigos como alguém que tivesse concorrido para que o fato acontecesse.  Quando fiz 18 anos alguém me cumprimentou com voz de mulher. Gente, eu nem me lembrava mais dela quando me cumprimentou e com a mão estendida esperando a minha foi que eu vi na mulher que se tornou a menina de 14 anos que só andava com os olhos lambendo os pés e no momento eram os meus que os lambiam. Um longa metragem passou rapidamente na minha cabeça com um coadjuvante assumindo o protagonismo da cena e mudando o sentido da história. 

11 comentários:

  1. Bela história... triste!!
    É o reencontro de um homem com seu passado de menino, olhando-a com os olhos da compreensão e da ternura.
    Muito bem escrito!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha quem deu as caras por aqui, gente!
      É um prazer filhadazunha te vir falando
      sério na minha janela. E o pior é que
      falas sério, como sério sei que tu és.
      Um amplexo, obrigado e bom dia.

      Excluir
  2. Palhaço Poeta,
    Esse seu texto me levou longe
    nas minhas recordações...
    Passagens boas e bonitas...
    que eu tinha guardadas
    naquela gaveta que você
    sabe bem qual é.
    Nesse caso, meus 15 anos
    na cidade de Três Rios.
    Ai ai...
    Bjins querido e amado amigo
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De Portugal para o
      Uruguai e vocês vão
      comigo. Lutem por
      isso.
      Beijos.

      Excluir
  3. Somos protagonistas das histórias que contamos… Gostei muito desta.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas vezes pensei em dizer
      não ao pepel que me dão para
      protagonizar, mas como dizê-lo
      se os outros são mais duvidosos?
      Beijos, Graça. Obrigado e bom
      dia.

      Excluir
  4. Puxa...
    Esse seu texto trás saudade de tanta coisa.
    Muito bonito esse texto vou reler ouvindo
    https://www.youtube.com/watch?v=Kq_Sl9G28EM

    ResponderExcluir
  5. Quem é que nunca sonhou com a menina que dava??
    Neste caso infelizmente parece ter sido muito mais que dar e isso é que é trágico.
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
  6. A vida continuou... para os dois!
    Obrigado pela visita!

    ResponderExcluir
  7. E a vida vai passando por todos nós.
    Boa semana
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.