quarta-feira, 15 de agosto de 2018

O CARA

   

    A última casa que papai alugou foi para um casal de jovens, pelo menos ele tinha 20 anos enquanto ela, como nos disse, 32.  Minha mãe gostou tanto dos dois que até comer eles comiam com a gente e  eram visto mais na nossa casa do que na que pagavam para morar. A simpatia do rapaz e a doçura da mulher causavam ótima impressão em minha mãe que já os considerava parte da família. Eu também gostava deles e dessa vez não era só por causa da mulher, mas pelas roupas que vestiam e olha que nada eu entendia da moda feminina e da masculina um pouco menos. Agora, as camisas que o cara vestia, meu Deus do céu! Só em manequins eu tinha visto.  Quanto aos sapatos, nem neles eu vira antes, por isso namorava os dele, até que um dia resolveu me perguntar se eu  gostava do que estava olhando ou se eu tinha alguma coisa contra já que eu não tirava os olhos dos pés dele? Ao que respondi que não. Que claro que não.  Quer dizer, que não tinha motivo algum para não gostar daquela maravilha. Então ele, gentil como deixava parecer que era, descalçou-se e   empurrando aquela belezura para o meu lado sugeriu-me que o calçasse.  E eu o calcei.  Jesus do céu, como era macio e bonito. Eu estava até sem jeito de pisar naquilo.  Adorei, disse olhando para quem sorria pelo bem que a mim havia feito.  Olha, cara  disse-me  dá-lo eu não posso, até porque a minha mulher é quem compra o que eu visto e calço.  Mas fica aqui a dica; sempre que você sair para comprar só compre aquilo que for bom, porque o resultado será sempre afirmativo. Mas se você quiser pode usar o meu porque a minha mulher não vai se importar, é só pedir.  Mais à frente você compra o seu.  concluiu sorrindo enquanto eu, envergonhado, devolvia o que provei.  Na época eu não tinha aonde cair morto, por isso eu não comprasse roupa e sapatos de marca como ele comprava.  Aliás, nem era ele, senão aquela gostosura quem comprava e foi graças a ela que o marido me mostrou como ficamos bem vestido se não entregamos o nosso suado dinheirinho à nossa mãe, dinheiro esse que entregava a ela até que eu completei 25 anos, quando saí de casa. Meu pai também agia assim e eu achava aquilo lindo. 
Um dia, finalmente, o casal brigou e a moça foi dormir lá em casa. Chegou com os olhos vermelhos para nos braços de minha mãe chorar sua tristeza.  Jesus de Nazaré, lá vou eu curtir outra insônia por conta dessa mulher, e para infernizar meus pensamentos a danada foi a última a tomar banho para dormir.  Meu coração bateu descompassado quando a vi, de toalha, sair do banheiro para o quarto e assim que a porta se fechou corri o olho para o buraco da fechadura, mas algum desavisado, para não dizer um palavrão, havia pendurado alguma coisa na maçaneta de maneira que cegava a vista que se podia ter.  Voltei à cama para dormir, mas só Deus sabe depois do quê, eu consegui.  Mas não fez mal aquilo ter acontecido já que não pensavam se mudar tão cedo e como eu tinha 17 anos e só aos 25 eu partiria, muita história ainda eu ia ter para contar.

35 comentários:

  1. Histórias de vida sempre agradáveis à leitura!
    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É tão difícil vê-la por aqui
      que até as palavras me faltam
      quando acontece. Um beijo, Gra-
      cinha e muito obrigado por ter
      vindo.


      .

      Excluir
  2. O que para aí virá só mesmo Deus sabe!! :))))
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus saberá antes,
      mas não vou deixara vo-
      cê na pista, Pedrão. Cla-
      ro que não.
      Um abraço e muito obri-
      gado por ter vindo. Acho
      que não preciso ficar di-
      zendo da importância que
      isso tem para mim.


      .

      Excluir
  3. Um texto muito agradável:)) Parabéns.

    Hoje; No meu olhar, um sentimento profundo

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira /Feriado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Larissa.
      Valeu pela visita e
      pelas palavras.

      Beijos.



      .

      Excluir
  4. Bom dia, Sílvio Afonso!

    Sem ler o texto, mas só olhando o "design" de todo ele, contando com a imagem da mulher, assim meia velada, me agradou e mto. Gosto de tons escuros, preto ou cinzento escuro, como pano de fundo nos blogues e o branco para contrastar e aliviar, assim ao jeito de luz que fusco a nos envolver o olhar. Foi isso k aconteceu, aqui, hoje, comigo.

    Seu escrito está mto interessante e revela bem as necessidades económicas do tempo passado, k muitos tinham. A personagem principal de seu escrito é uma delícia e até a forma como ela cobiçava artigo bom e de luxo, nesse caso, os sapatos do hóspede e amigo, nos impulsiona a continuar, sem parar, tão agradável, mas leve leitura (até parece k você está falando comigo, me contando).

    Ele com 20, ela com 32, enfim, um garoto e uma mulher feita, com bom emprego ou com posses ou as duas coisas, é talvez compreensível, k ela lhe comprasse artigos de 1ª necessidade, mas bons, pke duravam mais tempo, ofereciam comodidade e invulgaridade.

    Depois, vem aquilo k você melhor sabe fazer: induzir alguma malícia "limpa", desejosa em seus textos na "sua" adolescência. Não vou escrever sacanag… pois detesto esse vocábulo. Nunca nos contou um texto, pelo menos k eu me lembre, onde tais vontades tenham acontecido aos 30 anos, por exemplo, já com filhos, mulher, enfim, vida feita, a todos os níveis.

    Pronto, "bendita" zanga! Mas, alguém, talvez já experiente, colocou na maçaneta da porta, do lado de dentro ou de fora, não sei, algo k o não deixava ver o k tanto desejava: os contornos e não só de um corpo de mulher. Compreendo sua frustração no momento, afinal só tinha e já tinha 17 anos, mas qdo foi para a cama, decerto se descomprimiu e imaginou um monte de contornos com cenas. Que alívio! É mais do k normal.

    Sabe que eu sempre, e ainda hoje, qdo vou experimentar roupa nova, que quero comprar ou qdo vou aos WCs públicos, embora sejam só pra mulheres, coloco algo, nem k seja um lenço de papel no buraco da fechadura, pke sei k pode haver essa tentação. Assim, me sinto, completamente, à vontade.

    Beijo e feliz dia. Aqui, é feriado nacional, de cariz religioso, e julgo k aí, tb ou não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Céu, das três "mentirosas" que
      comentam os meus textos, você
      é a melhor. Eu acho a mentira,
      não as graves, mas essas que eu
      chamo de social, muito importante
      no começo de carreira de alguém,
      mas no meu caso, que já estou cas-
      cudo, é mais importante, ainda.
      Por isso, meu amor, muito obrigado,
      mas continue mentindo quando vier
      comentar meu trabalho, mesmo que
      você morra de rir com aquilo que dis-
      ser.

      Um beijo e muito obrigado.


      .

      Excluir
    2. Qdo gosto de seus textos, digo k gosto, qdo não gosto, digo k não gosto, como já aconteceu e não há mto tempo. Se lembra? Evidente k toda a gente gosta de ser elogiada, mas há elogio com graus, ou seja, há bons textos, há razoáveis e há medíocres.
      nesse seu texto e na linha 15, houve um lapso seu de digitação no verbo calçar. Então, você escreveu "sugeriu-me que o calçou-se". ora, o k você pensou e queria escrever era: sugeriu-me que o calçasse. Verdade?

      Percorro a blogosfera e todos os comentadores dizem: lindo poema, lindo demais, etc. Eu encontro tanto texto, de k não gosto e com erro ortográfico, não de digitação, não. Já tenho dito à pessoa, ela se mostra compreensiva e agradecida, mas nunca mais vem a meu blog. Não tem problema, pke eu tenho muitos comentadores.

      Partes de meu comentário não foram tidas em conta, mas cada um tem direito à sua privacidade e cada um só fala do que quer.

      Cascudo. Que termo feio! Está maduro, mas não podre. Evidente k a vida nos vai dando "casca" e, devido a esse facto, ficamos "imunes" às sapatadas e empurrões da própria vida.

      Um dia feliz, seu beijoqueiro.

      Excluir
    3. Pronto, já corrigi. Obrigado.
      Viu, mesmo cascudo (vc não
      gosta do termo), ainda erro,
      não como todo mundo, mas como
      o aluno que ao invés de prestar
      atenção no que a professora diz
      filha olhando os gestos que faz.

      Beijos e beijos, um ramalhete
      deles.


      .

      Excluir
    4. Isso mesmo! Mto bem! Nota/grau 10-rs.
      Mesmo bem adulto, é o k você deveria escrever, também falho, ou pke estou pensando na "garota" de 32 anos ou nas professoras k tive -rs. Isso é bem normal, Sílvio.
      "Pobrezinhas" das professoras, que sofrem com cada olhar e com cada pensamento!

      Agradeço o ramalhete. Lhe envio uma rosa branca, com estima e consideração.

      Excluir
  5. Oi, Silvio!
    Texto que traz sua marca registrada (risos)...me senti alegre ao ler.
    Um abraço e bom dia, ensolarado, florido e com muitos passarinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O tempo está assim mesmo,
      por aqui. Sol a pino, flores
      em formato de beijo e pas-
      sarinho de todas as cores,
      inclusive a verde.

      Obriago pela visita.
      Um abraço.


      .

      Excluir
  6. CONVITE

    Queria lhe fazer um convite, que ainda nem disse à proprietária do blog em causa, k iria tomar essa decisão, mas sei k ela ama todo o mundo.

    O blog "Meu Mundo azul" vai fazer nove anos de existência e entre os dias 23 e 31 de agosto, se farão as devidas homenagens. Eu vou participar delas.
    Então, o k nos pedem para fazer? Escrever um texto em nosso blog, durante as referidas datas, em prosa ou poesia, cujo tema é: "Qual o meu lugar mágico"? Pegar o selinho, k já está patente nesse blog e comentar os intervenientes no evento. A temática dá pra mta coisa, mas temos k ter alg. contenção linguística e imaginativa -rs. Meu poema está quase pronto e o "meu" lugar mágico é …

    Conto com você. Obrigada!

    Visite o blogue, Sílvio Afonso, e depois decida. Não sei o link dele, mas venha, por favor, a meu blog e clique em cima do nome "Rosélia Bezerra", k, decerto não lhe é estranho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto muito da Rosélia, mas quase
      não dou as caras por lá. Desta vez
      eu vou fazer por onde aparecer no
      seu blog, pois assim eu aproveito e
      te dou um beijo.

      Por enquanto obrigado pelo comentá-
      rio, e antes que eu me esqueça;
      um Céu de beijos para ti.


      .

      Excluir
    2. Eu sei, pke nunca o encontro por lá, mas de qualquer jeito, mto obrigada.

      Você se esquecer de enviar beijos? Ah, o mundo vai desabar -rs.

      Excluir
    3. Esqueci não. Dá uma olhadinha
      pra cima que lá está ele, digo,
      eles, porque são muitos. Um
      jardim deles...

      .

      Excluir
    4. Eu sei, e até mandou um "Céu", mais um jardim deles. Porquê letra maiúscula no vocábulo céu/firmamento? Evidente k eu sei k há pessoas com nome de Céu-rs.

      Fique bem. Uma noite aprazível.

      Excluir
  7. Por onde eu passo Eu observo sempre
    colunas, muros, portais,portas, janelas
    e escadarias.
    Nas pessoas eu observo os sapatos,
    sejam masculinos ou femininos.
    Acho lindo.
    Adorei o texto sem deixar de
    pensar nos cuidados "especiais"
    dispensados a Moça desolada.
    Perfeito.
    Bjins.
    Ah sim, e abraço também, ta!
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixei de olhar as camisas e os sa-
      patos dos outros porque a Internet
      com os seus sites de moda nos tem fa-
      cilitado a vida. Uma das poucas coi-
      sas que o tempo não levou de mim foi o
      gosto que tenho pelos pés, bem cuidado,
      das mulheres. Através deles eu eu sei
      muito da personalidade de cada uma.
      "Mostrem-me teus que eu te digo quem és."

      Gente, me desculpe, mas estou falando de
      mim e não da classe masculina, hein!

      Cátia, beijos e obrigado pela visita.
      Por corrigir os meus erros e pela ami-
      zade que temos.


      .

      Excluir
  8. Bom dia, o texto criativo é atractivo para ser lido, a boa roupa e os bons sapatos normalmente são invejados porque se dá importância demasiada, o corpo da da mulher do portador dos sapatos, tem muito mais importância.
    Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza que tem mais valor
      do que as camisas também.
      Antônio, você acredita que eu
      até usei os sapatos da pessoa.
      O cara era gente boa, mas boa
      mesmo. Quanto a mulher dele...

      Abraços, Antônio e obrigado pe-
      la ótima surpresa que foi a sua
      visita.

      .

      Excluir
  9. No aguardo do resto de história. Por enquanto está tudo muito bem encaminhado para um menino de 17 anos ter uma boa....rrsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não fica dando força não,
      Mariangela. Fica não,
      porque eu conheço o sujei-
      to, viu! (risos)

      Beijos, garota e obrigado
      pela visita e pelas boas
      palavras.

      .

      Excluir
  10. Olá Silvio,
    nesse episódio de vida de alguns anos atrás, dá para adivinhar que o cara jovem, já calçava os famosos "Portuguese Shoes",
    ora veja lá se não encontra um par igual ? :

    https://www.youtube.com/watch?v=5ofs1y8H4QY

    são os melhores e dão show !

    abraço
    Angela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Naquela época eu calçava 39,
      mas hoje o 43 me aperta os
      calos...
      Beijos de carinho e amizade.


      .

      Excluir
  11. Parabéns,adorei o texto!Toda a magia de
    Um garoto em seu desenvolvimento...anseios de ter o belo e aprender o caminho para alcançar. Pena que estrategicamente o buraco indiscreto não estava livre a mente desejosa. Mas como disse!Ainda haveria novas oportunidades...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Yohana. A felicidade
      nem sempre vem completa. As
      vezes, na maioria delas, vem
      aos pedaços.

      Um beijinho e obrigado.


      .

      Excluir
  12. Olá Silvio
    encontrei este seu comentário num dos meus blogues,
    que não entendi muito bem,
    no entanto venho aqui agradecer a sua visita.

    Passarei com mais tempo, para ler os seus textos!

    Eu falava de papoula, no blog da Elvira, e quando dei por mim, cá
    me vejo, diante da Tulipa. Nada melhor do que encontros iguais
    a este, mesmo que casuais... Beijos e beijos, muitos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Tulipa. Eu esta visitando
      o blog da Elvira quando vi você naquela
      página, e foi graças ao meu comentário[
      que você veio aqui, me ver.
      Um beijo e muito obrigado.


      .

      Excluir
  13. E quanta história não deve ter para contar
    esse moço k.
    Bom final de semana.
    janicce.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acredito que você
      tenha achado o caminho
      de volta. Puxa, moça,
      pensei que tivesse se
      esquecido do amigo.

      Beijos e beijos.


      .

      Excluir
  14. Oi Silvio!
    Ahhhh mas eu também gosto de sapatos. Como é bonito ver lindos sapatos, confortáveis. Sapatos limpos, bem cuidados. Gentileza e delicadeza do rapaz, deixar você provar o calçado.
    Agora vou te contar, briga de casal, dormir fora de casa! Oi? No sofá, pelo amorrrrrr! Mas acontece, para tua alegria! Ou não, porque a mulher mais velha, sabida, pendurou a toalha na maçaneta da porta kkkkk. Estava triste, tinha chorado, mas estava alerta!
    Um bom final de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei sua visita e
      principalmente o seu
      comentário.
      Uma beijoca e obrigado.



      ,

      Excluir
  15. Um bom inicio de conto amigo destes que o leitor entra em cena e fica louco para ver o que se segue.
    E eu não fujo á regra.
    Meu abraço.

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.