terça-feira, 31 de julho de 2018

EU GAMO E ELA, GAZELA

     
    Duas estudantes caminhavam de mãos dadas pelo estacionamento do Hospital de Marechal Hermes onde casais gostavam de namorar devido a pouca luminosidade que tinha à noite. Eu ouvia música enquanto esperava um amigo que encerrava o plantão a quem dava carona de vez em quando.  E como diziam que o local não era de muita segurança eu o aguardava no carro que tem vidros filmados. Aquilo tirava das garotas a ideia de estarem sendo observadas o que as levou a sentar no capô de um carro novinho e que para meu desespero o carro em questão era o meu. Não demorou e já estavam se beijando e no calor daquele segura daqui e esfrega dali não só elas, como eu e quem mais pudesse estar vendo, explodíamos de tesão. Também pudera, enquanto uma enfiava a mão por debaixo da blusa da outra eu aqui prendia minha entre as pernas para não fazer em mim o que desejava fazer com elas. Cinco minutos depois já estavam deitadas, uma quase encima da outra, pois tinha uma das pernas enfiada no meio das pernas da outra o que nos dava a  certeza de saberem o que estavam fazendo. O insulfilme as impedia de ver como me deixavam. A garota que estava por cima permitia que os seios ficassem à mercê da criatividade da parceira, e, no frenesi do que as possuía, uma enfiou a mão por baixo de saia da outra  enquanto um peito escapulia à voracidade dos lábios gulosos da amiga. O ato estava próximo da conclusão quando um imbecil e o farol desregulado do seu carro acabaram com a festa.  As duas corriam as gargalhadas enquanto eu procurava com o quê secar meu suor.
Depois fiquei me perguntando; quando essa coisa teria começado e que tipo de gente tem  coragem para tanto? Que tipo de papo é usado para convencer a parceira a correr esse risco que, por pouco, não as levou a concluir o que começaram? Sim, porque se não fosse o maldito farol o caso teria tomado proporções maiores, como certamente tomou em outro lugar um pouco mais apropriado.
Tempos depois rodou um filme na minha cabeça. Foi quando João e a mulher, com quem tinha se casado, vieram à festa da cerveja na minha cidade.
-Esta é Neide, a mulher com quem passarei o resto da minha vida - disse-me João, meu amigo, enquanto eu me perguntava de onde conhecia aquela garota?
Neide era uma pessoa muito bonita e que não olhava ou falava com quem não vestisse saia. Dificilmente falava com homem por mais bonito que fosse, enquanto puxava assunto  com as meninas, mesmo sem conhecê-las.  Aí, caiu minha ficha. As garotas no capô do meu carro...

- João, meu amigo. Algo me diz que você escolheu a mulher certa, e pelo que vejo, jamais terá olhos para outro homem além de você.

22 comentários:

  1. O Mundo é muito pequeno!! :))
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela presença
      e pelo pitaco, que deu.

      Um abração, Pedro querido.


      .

      Excluir
  2. Bom dia. Maravilhoso texto. parabéns :))


    Bjos
    Votos de uma óptima Terça- Feira

    ResponderExcluir
  3. Um belo conto erótico, onde não faltam, como é hábito,
    a graça bucólica de passarinhos e passarinhas...
    Grata pelo mimo que deixou no meu blogue.
    Até à volta.
    Beijo
    ~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário
      amável e de bom gosto.
      Beijos, Majo.

      .

      Excluir
  4. Ulalá!
    Que coisa hein!
    Deu pra sentir até calor
    e pensar na situação de quem
    apreciava a vista e os acontecimentos.
    Que pena que não terminaram a brincadeira...
    Mas em fim...
    O povo roda, roda e
    acaba nas linhas dos
    textos dos escritores e poetas
    ou seja; da gente.
    Em suma: Adorei o texto.
    Bjins e Abraço.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Catiaho,
      pelo carinho de sempre.
      beijos.


      .

      Excluir
  5. Bom dia, Sílvio Afonso!

    Embora o mamífero ruminante, gazela, não tenha género masculino, você acertou e "gamou" bem esse título, como aliás todo o texto. Esteve quase, né? Ah, os cenários influenciam nossa libido e a sua está "tatuada".

    Não entendo mto bem, nem bem, nem mal, digo, esse "negócio" dos iguais com iguais na sexualidade, mas há gostos para tudo. Nós, "diferentes" temos de ter cuidado para não nos discriminarem.

    As personagens femininas de seus textos usam sempre blusas, que dão "jeito", eu entendo, mas fico aguardando uma história onde ela tenha vestido vermelho, bem longo, "lhe lambendo os pés" -rs e decote generoso.

    Há homens tão ingénuos, deuses meus e cada vez há mais!

    Beijos e feliz alvorecer. Vá ver nascer o sol, preferivelmente, mto bem acompanhado -rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na sexta-feira falarei
      a respeito do assunto.
      Não do assunto que tra-
      ta o texto, mas do seu
      belo comentário. Por-
      tanto, aguarde, minha
      doce e querida amiga.

      Beijos. Não um simples
      beijo, mas, uma braçada
      deles.


      .

      Excluir
    2. Mto bem, Sívio Afonso!
      Fico aguardando, curiosíssima. Conhece mulher, mulher k não seja curiosa?

      Bons sonhos e profícua imaginação.

      Excluir
    3. Oh, mulher danada para
      escrever bonito...

      Até amanhã, moça e bons
      sonhos. Não necessariamente,
      castos.


      .

      Excluir
    4. Ó homem "bajulador" (creio k todos os brasileiros o são, uns menos, outros mais, mas o jeitinho tá lá-rs) e lúcido!

      Até amanhã. Os sonhos são variados, como deve ser a vida, mas eu raramente sonho. Eu sei k toda a gente sonha todas as noites, assim afirmam a Psicologia e a Psiquiatria, e eu não sou exceção, só que há subconscientes k não os retêm ou os retêm, só de vez em qdo. É o meu caso. Curiosamente, na noite passada, sonhei e me lembro do sonho. Então, um ex. aluno meu, lindo de fazer inveja a Apolo, era tatuador e me queria convencer para fazer uma tatuagem, que consistia numa andorinha pequenina, no pescoço, logo por baixo do lóbulo, não sei qual deles, da orelha. Ah, influência dos beijos, que me você envia pra esse sítio meu. Acredite que é, Sílvio! Evidente k disse ao Luís, seu nome próprio, que nem pensar, pke detesto o para sempre e mais um dia-rs e ele ficou me olhando, mais verde que a mãe natureza.

      Um beijo com elevada estima e amizade.

      Excluir
    5. Quanto mais eu a leio, mais vontade
      eu tenho de vê-la escrevendo. Quanto
      a frequentar os seus sonhos, dos quais
      você pouco se lembra, é um privilégio,
      mesmo que para tal eu precise me chamar
      APOLO e pintar de cores vibrantes as
      fantasias que tem dormindo.

      Um beijo grandão assim, oh! E continue
      a falar, que me encanta.


      .

      Excluir
    6. Muito obrigada!
      Rematou mto bem a conversa. Verdade e vontade (foi só pra rimar) não lhe faltam, felizmente.

      Daqui, não vi o tamanho do beijo, mas eu vou usar a imaginação. Assim, talvez ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- (risos)! Grata e reconhecida!

      Até amanhã, com imensa curiosidade.

      Excluir
  6. Então dessa vez o Silvio Afonso, teve de gramar com o bom e bonito reality-show ?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você vai ver sexta-feira. Vai ver.
      (risos)
      Um beijão e boa noite.



      .

      Excluir
  7. https://poemasdaminhalma.blogspot.com/
    Olá Sílvio Afonso!
    Apesar de me dizer, que eu não lhe respondo... aqui estou uma vez mais para agradecer-lhe pelas visitas e comentários que tem colocado na minha página.
    Caro amigo, que sonho mais erótico, ainda bem que acordou!
    Apesar de não ser o meu tipo de tema.. felicito por ter acordado a tempo, senão lá ia o carro e as garotas.
    Um abraço e bom sonho!
    Luisa
    Luisa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela satisfação que nos dá.
      Quanto ao texto que a trouxe aqui a-
      credite, não é história. Isso aconte-
      ce, pelo menos uma vez por dia em ca-
      da cidade, bairro ou quem sabe, na
      família da gente. Não é regra geral,
      por favor entenda, mas também não é
      sonho.

      Um beijo e, estou feliz porque
      você veio pra ver a gente.


      .

      Excluir
  8. Oi Sílvio,
    Adorei seus comentários que deixou no meu blog.
    Uma triste notícia para você: eu nunca sonhei( Por que? ), nenhum médico conseguiu me responder. Durmo tal qual uma pedra e ainda dizem que quanto mais se envelhece mais se dorme. Não para mim, se meu marido não me acordar ninguém almoça.kkk
    Obrigada pelo carinho
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  9. Uai Sílvio,
    Eu fiz dois comentários no seu blog, será que um voou.
    A minha postagem também está pronta: será um lindo conto de fada.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  10. Meu Deus, mulher com mulher, dá jacaré, mas há quem goste, imagino sua inquietação pra fazer parte do ato, não? se o cara tah faminto, e vc que me parece "sempre faminto" assistir um filminho ao vivo e a cores, é um tanto excitante, ficaste doidão!! kkkk
    Adoro ler suas loucuras,seus sonhos povoados de desejos lúbricos!

    Bjs amigo!

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.