segunda-feira, 7 de maio de 2018

MARIAJOÃO

   - Pisou no meu pé por que, cara? "Tá" a fim de arranjar confusão ou alguém "te" mandou me provocar? - disse-lhe na ponta dos pés com os narizes quase se tocando.  O pobre rapaz não queria nada disso, além de um lugar onde pudesse viajar num vagão apertado como aquele. Mas dera azar ao se apertar junto a  Marcelle, uma loirinha que até um ano atrás vivia presa  num corpo que não tinha nada a ver com a sua personalidade. Só depois de muito sofrimento e trabalho conseguiu mostrar aos pais e ao mundo a mulher que havia nele.  Muitas coisas mudaram a partir de então, só o temperamento que não.
Aos cinco anos, Marcelle, já era vista com olhos preconceituosos e jamais soube o que era paz até que resolvesse seus problemas. Com ajuda de um psicólogo e de um amigo, decidiu dar um rumo à sua vida.  Ela e sua mãe sofreram muito quando o pai lhes disse que não faria parte daquela vergonha e a expulsou de casa.
 Marcelle não o perdoou.
Hoje, para seu desespero, o viu na estação pronto para embarcar, mas para evitar confusão, ela não desembarcou. Ficou ali até que o pai saísse do trem. Preferiu perder o compromisso a topar com ele.  Não queria confusão, mas não deu. Não foi possível ficar sem brigar. Não com o pai, mas com quem nada tinha com isso, mesmo pisando seu pé.
- Desculpe.  Eu não quero e muito menos estou atrás de confusão, mas, caso eu quisesse procuraria um cara do meu tamanho e não u'a mocinha pequena e frágil como parece que és. E para provar que te falo a verdade vou trocar de vagão, só para não ficares com raiva de mim - disse com os olhos cravados nos dela. Depois virou-se e espremeu-se por entre os passageiros em direção à saída.
- Meu Deus, nunca um cara tão bonito e educado me olhou e agiu desse jeito - pensou.
Antes que ele saltasse Marcelle o pegou pelo braço.
- É claro que eu o desculpo, mas, por favor, antes de saltar, deixe-me explicar o que está acontecendo. Aí você vai me entender.
No bar que escolheram para conversar os dois se apresentaram. Victor  falou que tinha terminado com a namorada por ter mentido que estava grávida o que lhe dera uma grande dor de cabeça. Depois a firma o despedira, e agora pisava no pé de uma garota brigona.  Enquanto ele falava,  Marcelle selecionava as palavras com as quais contaria sua história. Já Victor, reclamava da sua falta de sorte que andava tendo.
E assim passavam a tarde até que o celular de Marcelle tocou.  Era sua mãe dizendo que o pai sofrera um enfarto e antes de ser operado chamara por ela. Nervosa e sem saber o que fazer contou para Victor que tentou convencê-la a visitá-lo.  
- Eu acho que deves escutar tua mãe, até porque, essa pode ser a última vez que teu pai pede alguma coisa para alguém.  Vá, vá e depois me digas o que ele te falar.
- Tá legal.  Eu vou, mas só se você for comigo...
Quarenta minutos mais tarde chegavam ao Hospital onde o pai de Marcelle fecharia os olhos assim que unisse a mão da filha com a do rapaz e pedisse que o perdoasse. Depois olhou para Victor e pediu que cuidasse dela.  Dado o recado tombou a cabeça e descansou. Uma lágrima surgiu nos olhos de Marcelle para morrer nos lábios de Victor que a beijava.

22 comentários:

  1. Rapaz qie história
    mais linda e bem contada.
    É um argumento e tamto para
    um daqueles otimos romances
    de 70 páginas, sabia?
    Adorei viajar nesse trem
    com a Marcelle e compamhia.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  2. Recentemente, por causa daquele post acerca da maioridade e da idade para poder escolher mudar o nome e o género, levei uma grande lição de vida, silvioafonso.
    A gente às vezes esquece que há pessoas que vivem estes dramas em silêncio.
    E que estão bem mais próximas de nós do que pensávamos.
    Não é só nos filmes, é na vida e pode ser bem ao nosso lado.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os psicólogos dizem que os
      suicidas morrem por se calarem,
      mas não dizem dos que falam e
      morrem por isso.

      Pedro, querido. Um beijo de
      amigo e de respeito.

      .

      Excluir
  3. Pois... existem coisas fantásticas... que eu não queria para mim. Gostos, apenas gostos...
    .
    * Não posso calar o coração *
    .
    Cumprimentos Poéticos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gil, é um privilégio saber
      que lês os meus rabiscos.

      Um abração, amigo.

      .

      Excluir
  4. Emoções ao rubro em bela história de vida!!!bjoca

    ResponderExcluir
  5. Voltei e tive a sorte de encontrar a bela continuação!
    Gostei muito.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu gostei mais ainda
      sabendo que mesmo não
      tendo acertado a mosca,
      eu não errei o alvo.

      Beijos, Aninha.

      .

      Excluir
  6. Uma grande lição neste bonito texto.


    Convidamos a ler o capítulo XII do nosso conto escrito a várias mãos "Voar Sem Asas"
    https://contospartilhados.blogspot.pt/2018/05/voar-sem-asas-capitulo-xii.html

    Votos de boa semana!
    Saudações literárias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez hoje não dê, mas
      amanhã, com certeza lá
      estarei me deliciando...

      .

      Excluir
  7. Você, meu amigo, tem um jeito de contar histórias que me pega do princípio ao fim. Gostei desta com um final bonito...
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem sabe eu só o faça
      por ter amigos como você,
      Graça?
      Um beijão e obrigado pelas
      palavras, sempre carinhosas.

      .

      Excluir
  8. Bem, Silvio, esta história me tocou o coração.
    E está tão bem escrita que eu quase vi a lágrima surgir nos olhos de Marcelle.
    Venham mais... histórias, não lágrimas...
    Beijo e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que carinhosa você tem
      sido comigo, Teresa.
      Um beijo e que Deus a
      guarde.

      .

      Excluir
  9. Gostei do espaço e do texto! O texto é bastante tocante e emociona. Parabéns! Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  10. Amigo Sílvio, meu xará, pois meu nome é Laerte Sílvio Tavares e apelido Silo - eis o silo lírico, desde ontem quando estive neste espaço, já me tornei seguidor. Minha foto, para mim, aparece entre os seguidores - observe, por favor. Poderá estar a acontecer qualquer problema de performance digital que não apareça, mas já estou aqui. Obrigado por tornar-se seguidor em meu espaço! Abraço fraterno! Laerte.

    ResponderExcluir
  11. Uma realidade que pode acontecer na família da qualquer pessoa. Para mim, muito natural e podemos viver com amorosidade, civilidade e respeito. Sem julgamento!
    Olhe, hoje foi o último procedimento de implante na USP. depois irei colocar os implantes nos enxertos, após um longo pós-operatório e assim vou seguindo. Foi muito bom e sem dor. O dolorido chato, a dipirona resolveu.
    Xau xau.
    Um bom restinho de semana amigo, beijinhos.

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde, e assim nasceu um amor, a historia que pode muito bem ser real, tem criatividade, está muito bem apresentada.
    Bom fim de semana,
    AG

    ResponderExcluir
  13. Ah, que conto lindo! E eu ando tão apaixonada ultimamente... E volta e meia, de tanta paixão, minhas lágrimas alcançam os lábios do carinha que parece ter entrado em meu coração. E eu o beijo de modo que ele consegue sentir o sabor da lágrima... Não o salgado, mas o do sentimento bom que tenho firmado por ele dia após dia.

    ResponderExcluir
  14. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
    Olá Sílvio!
    Eu me alegro muito em ser mãe... nas não entristeça caro amigo, pois eu nem conheci o rostinho da minha também!
    Deus quiz assim.
    Abraço e seja feliz.
    Luisa Fernandes

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.