segunda-feira, 14 de maio de 2018

LOUCA DE PEDRA.

        
     Maria Santa viajou do interior do estado até aquele lugarejo, a quilômetros da capital pernambucana. Infelizmente chegou dois dias após Pedro Barros perder a luta que vencia contra o câncer.  Pedro Barros tinha 20 anos. Difícil foi acreditar que deixasse a mulher viúva, e o filho de 3, tão cedo. Tudo começou aos 17 anos quando Pedro Barros engravidou a namorada Sarah, de 15, como pretexto para se casarem. Com o parto complicado Sarah perdeu a noção das coisas e só 14 dias mais tarde recuperou a normalidade quando a parteira colocou nos seus braços um robusto menino com todos os traços do pai – antes pensava ser uma menina. Pedro Barros acompanhou o sofrimento da mulher que, segundo a parteira, talvez a mãe ou a criança não saísse do parto com vida. Pedro Barros, transtornado, partira em busca de socorro de onde voltou duas semanas depois e conheceu a criança. Foi um milagre – disse à parteira com o filho no colo.
Nesses últimos dois dias, ao levar o filho para brincar na pracinha, Sarah achou que uma mulher, que jamais vira naquelas redondezas, a seguia.  Até pela janela a mulher fora vista bisbilhotando.  Maria Santa tinha 22 anos, era ruiva, altura mediana e muito bonita. A sua aparência e vivacidade lembrava as Bündchens não fosse o aspecto de mulher sofrida e maltrapilha. Certa vez Dona Sebastiana, a parteira que tinha Sarah e o marido como seus filhos, sabendo que a mulher tinha qualquer coisa a ver com eles, decidiu questioná-la.
 – Eu nunca a tinha visto por aqui, mas como estou sabendo que a senhora está seguindo a minha amiga e a seu filho decidi lhe perguntar por quê está fazendo isso? Afinal, quem é a senhora e o que pretende além de tirar o sossego dessas pessoas?
– Ah, eu me chamo Maria. Maria Santa.  Estive internada em um sanatório por três anos de onde fugi para encontrar a pessoa que eu amei loucamente até que roubasse o nosso filho recém-nascido de mim.  Infelizmente, como eu dependia de carona,  cheguei depois que ele tinha morrido. Sofri e sofro muito a ponto de ficar louca, como fiquei, mas estava disposta a esquecer o assunto e até perdoá-lo depois que me falasse o que fez com meu filho  – disse chorando.
– Aonde a senhora conheceu Pedro Barros e o que lhe dá a certeza de que ele roubou um filho que nem a senhora sabe se era dele?
– Bem, os homens nunca têm certeza, mas nós, mães, sabemos quem nos insemina. Com o sumiço dos dois e a quebra do meu resguardo acabei enlouquecendo. Fui internada num sanatório, mas quando descobri o endereço dele eu fugi e foi graças as pessoas generosas que eu estou aqui. Pena que é tarde de mais – disse olhando os pés.
Dona Sebastiana correu à casa de Sarah e a chamou em um canto. Contou-lhe, enfim, um segredo que guardou por 3 longos anos. Tirava, a partir daí, um peso que carregou por tanto tempo na consciência.
– Sua filha era linda, Sarah, mas Deus não quis que vivesse. Pedro Barros ficou desesperado e sem saber o que fazer pegou um trem e sumiu por quinze dias deixando você mais morta do que viva.  Quando voltou entregou-me uma criança dizendo que era sua e dele. Quando perguntei de onde a trouxera ele mentiu e eu, infelizmente, fingi acreditar.  Guardei essa mentira por amor a ele que tinha como meu filho e a você, também, minha querida - disse com lágrimas nos olhos. Você criou um filho que agora é seu, mas também pertence a essa moça que vê em seu filho os traços de Pedro Barros a quem, também, amou, como você. Portanto, se você quiser e se o seu coração permitir, com certeza ela deixará definitivamente a casa de saúde que deve estar virando o mundo atrás de uma louca fujona. Louca, sim, mas por ter perdido um filho, um filho a quem você deu o bonito nome de Jesus.

27 comentários:

  1. A minha avó ensinou-me desde muito novo algo que tenho vindo a testemunhar durante a vida - "parir é dor, cuidar é amor".
    Conheço várias situações de pessoas amigas que adoptaram crianças e que são os PAIS.
    Não interessa quem é o esperma e o óvulo.
    Isso é Biologia.
    Amor, paixão, é algo muito diferente.
    aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que aula, professor.
      Que aula.

      Um abração, meu amigo.

      .

      Excluir
  2. 👏Uma bonita história Palhaço Poeta.
    Talvez você não saiba
    mas Eu aprecio ler histórias
    que tenham final feliz,
    e essa é uma das características
    de sua escrita.
    Sempre me deixo envolver
    com as personagens;
    e digo as por serem
    textos perfeitos para
    adaptações teatrais,
    Eu os usaria com certeza,
    mas estou aposentada
    nessa area...🤔
    🙏Desculpe o longo comentário, viu?
    Ótima nova semana, ta
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coerente como foi
      feito e postado, deu
      graça ao trabalho co-
      mentado.

      Beijos de agrade-
      cimento e de sau-
      dade da amiga e
      do seu fiel escu-
      deiro, Al.

      .

      Excluir
  3. Bom dia. Fictícia ou verdadeira não deixa de ser uma estória de vida que emociona quem a lê.
    .
    * Meu amor ... o que amo em ti *
    .
    Feliz início de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você, meu amigo Gil.
      Sempre um cavalheiro.

      Um abração.

      .

      Excluir
  4. E' sempre un piacere visitare le tue pagine
    Un saluto,silvia

    ResponderExcluir
  5. Uma história muito bem contada que nos prende a atenção do princípio ao fim. Pode ser só ficção mas podia ser uma história verdadeira como tantas que acontecem por esse mundo fora...
    Uma boa semana, meu Amigo.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom de mais abrir a página
      e ler o seu comentário, sempre
      bonito e coerente. As vezes,
      bonito e coerente graças a sua
      bondade.

      Beijos, Graça e obrigado.

      .

      Excluir
  6. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
    Olá Silveo Afonso!
    Depois de me dizer várias vezes que eu não respondo... decidi uma vez responder-lhe.
    Dizer-lhe que li o seu interessante texto e senti-me extremamente triste... como aquela mãe que perdeu seu filhinho.
    Talvez seja apenas uma historinha né!
    Beijos de paz e bem.
    Luisa Fernandes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não foi nada além de
      uma historinha, como
      diz você, minha doce
      amiga. Nada além.

      Beijos e obrigado por
      comentar o texto.

      .

      Excluir
  7. Emocionam seus textos e por vezes a realidade confunde-se com a imaginação!!!
    Gosto da foto!!!bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem vez que eu me permito
      dizer que há um pouco de
      cada coisa nesse tempero.

      Beijos, Gracinha.

      Excluir
  8. Que história impressionante, Silvio!
    Gostei do esmero da escrita e da excelente prosa.
    Bom seria terem ficado as duas cuidando e amando o menino.
    Outono agradável na bela Rio de Janeiro.
    Abraço cordial.
    ~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora já foi, já concluí.
      De qualquer forma valeu
      a deixa.

      Beijos, meu anjo. Beijos.

      .

      Excluir
  9. Bom dia. Mais um brilhante texto. Parabéns :))

    Hoje:- Sonhei...Com uma rosa prometida.

    Bjos
    Votos de uma óptima terça-Feira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Larissa, minha amigo.
      Um beijo respeitoso
      para você e seu lei-
      tores.

      .

      Excluir
  10. Olá Silvio tudo bem???


    Já estou te seguindo!



    Beijinhos;
    Débora.
    https://derbymotta.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei orgulhoso
      com a sua foto na
      minha parede.

      Obrigado, Débora,
      pelo carinho.


      .

      Excluir
  11. Aii que saudade daqui! Seus textos sao os melhores e sou sua fã assumida! Muito bom! Os finais sempre com desfechos maravilhosos!

    Para voce ouvir
    https://www.youtube.com/watch?v=LiWXw65RWw0

    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paloma, meu anjo. Que
      orgulho, garota.

      Beijos e obrigado.

      .

      Excluir
  12. Realmente como já disseram,é uma história comovente, principalmente por ser vivida por tanta gente jovem Um texto de mestre, realmente..abração,paz e poesia..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é o tipo de amigo que
      se espera encontrar na pro-
      cura.
      Um grande abraço, Touché e
      obrigado pelo carinho.

      .

      Excluir
  13. Um enredo que prende o leitor e o emociona.

    Beijinho, Sílvio.

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.