sábado, 10 de março de 2018

PAU PRA TODA OBRA.

   
    Por que cochichavam olhando para ele e por que escondiam o sorriso se o escárnio vinha de todos? Por que os garotos o odiavam se nada fizera para merecer seu repúdio?  E as garotas, o que havia de estranho nele para tamanha gozação? E assim foi o primeiro período na faculdade.  No trabalho em grupo ninguém o escolhia senão os professores  que mesmo não querendo se envolver no caso o mandavam completar um grupo aqui e outro ali sem demais explicações. Opiniões todos tinham para discutir, enquanto às dele ninguém ligava.  Todos os grupos sem a sua participação tiravam notas superiores aos que ele fizesse parte.   Na primeira semana do segundo período um dos alunos pisou no pé dele e olhando em sua cara perguntou se não ia pedir desculpas. O jovem se levantou, olhou dentro dos olhos do encrenqueiro e já se desculpava quando uma das alunas cutucou o ombro do valentão e falou-lhe alto para não ter que repetir; - você teve sorte do cara não aceitar suas provocações porque ontem - disse  olhando nos seus olhos - esse sujeito que você acaba de provocar, bateu em cinco marmanjos e olha que para bater da maneira que ele surrou os caras ele deve ser graduado em algum tipo de arte marcial ou não teria tomado partido em uma briga que nem era dele.  Portanto, meu caro. Trate de ficar distante desse sujeito ou vai acabar num hospital.  Isso se ele não te matar - concluiu.  O jovem seguia para o fundo da sala quando viu que o olhavam, mas desta vez sem o sorriso debochado de antes.  As garotas voltaram a conversar e os garotos, é claro, as acompanhavam no disse me disse, mas nenhum deles parecia falar ninguém.
 Na saída a garota, que nenhum dos meninos dava bola, perguntou se tinha sido ele que bateu nos agressores do seu primo. - Eu nem sabia que ele tinha prima e se o fiz não foi para defendê-lo,  mas para dar uma lição nos covardes que para se mostrar pras garotas faziam tal covardia. Quando vi o que estavam fazendo meti a porrada em todos mundo.  Tive sorte de nocauteando o mais fortão. O resto saiu correndo, cada um com um com o seu roxo no olho.  Em agradecimento a garota, na ponta do pé, o beijou na face.
  No outro dia o grupo que tirou e melhor nota foi elogiado, assim como o vencedor no individual que, antes de ter seu nome citado, a líder do grupo "chegou na professora" e falou-lhe qualquer coisa que a fez pedir à turma que e pusesse de pé e aplaudisse aquele que, segundo ela, era o exemplo da sala, quiçá do colégio e dos brasileiros.  Enquanto falava caminhava a docente em direção ao jovem que, percebendo que era dele que ela falava, não sabia onde esconder a cara. A professora elogiou sua nota e por ter defendido um garoto contra arruaceiros e também por não brigar dentro da sala.
O jovem ficou sem ação no momento. No dia seguinte todos o cumprimentaram, até o gordinho veio falar com ele, mas fazendo questão de dizer que não era pela história que a colega contara e sim para melhor união da turma.  
O rapaz deu um leve sorriso, como os mocinhos do cinema fazem diante do bandido e apertou a mão do garoto antes de adentrar à sala.
Aqui entre nós; se a líder do grupo não falasse à professora sobre o rapaz a vida dele, ali, continuaria um inferno.  Por isso foi procurá-la. No fim da conversa a mocinha pedindo desculpas fez a pergunta que a sala inteira queria fazer - é verdade o que dizem a seu respeito? - Depende, respondeu o rapaz.  O que é que dizem a meu respeito que só eu não estou sabendo?  - Olha, disse-lhe ela. Falam por aí que você tem qualquer coisa fora do normal no tocante a masculinidade.  - Que tipo de coisa seria isso, meu Deus? Será que tem a ver com o número 45 do sapato que calço? - É isso mesmo - respondeu ela sem esconder o sorriso.  É claro que o colega não disse que ela tinha acertado na mosca, mas também não disse que tinha errado. No outro dia foi preciso escolher com qual das colegas gostaria de sair naquela noite e, certamente na outra e na outra e nas outras dando a cada uma o direito de ver e de tocar no que escondia  naquele sapato.

33 comentários:

  1. Un brano di piacevole lettura che ho molto apprezzato
    Buon fine settimana, e un sorriso,silvia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por ter
      vindo e pelas
      palavras, Sílvia
      querida.

      Beijos.


      .

      Excluir
  2. Bom dia. Adorei o texto. Mas calça o 45?? Dá para dormir de pé! :))

    Hoje:- Alma que Vagueia.
    .
    Bjos
    Votos de um bom Sábado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, Larissa. Quando
      um está de pé o outro,
      com certeza também está.
      É pagar para ver, como
      diz o ditado.

      Beijocas e pipocas.

      .

      Excluir
  3. Bravo para esta moça que,usando a sua porção feminina, conseguiu a paz e harmonia na classe. Bom fim de semana,um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viu, Patrícia, que
      menina especial.
      Será que ela teve a
      mesma oportunidade
      que as outras de ver
      a coisa?

      Beijos.

      .

      Excluir
  4. Olá Silvio,
    dois dias depois, temos aqui um bom texto para o dia internacional da mulher :)))
    não é que elas se saem bem ?!
    abraço
    Angela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza a mulher
      é a rainha de de tudo.
      Beijos, Angela e bom
      fim de semana.

      .

      Excluir
  5. Jesuisis só você pra
    conseguir uma foto perfeita
    costurando texto/título e argumento.
    Adorei a exclamação da Larissa
    -"Dá pra dormir de pé!"
    Feliz sábado e domingo procê e os céus.
    Bjins e Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Larissa, como você
      também, é uma fofa.

      Beijos as duas.

      .

      Excluir
  6. Que lindo texto! Dá para usar para prevenir o buylling.
    Pois, 45 dá cá um pé! Eheheh.
    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te dou os dois, garota,
      mesmo que eu tenha de
      me sentar.

      Beijos.


      .

      Excluir
  7. Boa noite poeta!
    Demorei mais apareci, acabei fazendo uma pausa no final do ano, e voltei faz pouco.
    Gostei do texto, tudo especial, princialmente essa garota. Bom exemplo!
    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sua ausência era notada
      por todos, mas em mim causou
      severo estrago.

      Um beijo e bem-vinda seja.

      .

      Excluir
  8. Esse olhar despertou mais uma vez a sua criatividade e diz-se que quem tem pé grande ... tem umas medidas que agradam ao mulherio!bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Infelizmente nem
      todas tem esse bom gosto,
      né mesmo, amiga?
      É sempre melhor ter muito
      e usar pouco se for o caso.
      Pior é querer muito e nada
      ter.

      Um beijo,

      .

      Excluir
  9. Olá!
    Parabéns pelo seu blog! Estou lhe seguindo.
    Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo. Eu vi na
      parede do meu blog
      o seu retrato. Fiquei
      feliz com isso, juro.

      Beijos.

      .

      Excluir
  10. Saudades dos seus textos.
    Ainda bem que me encontrou,
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois foi. Parece que
      você se escondia a
      medida que eu a pro-
      curava, mas felizmen-
      te tudo ficou como a
      gente gosta; em paz.

      Um beijo e obrigado
      por tudo.

      .

      Excluir
  11. Pé grande significa grande...alma??? :))))
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedro, meu amigo.
      É como diz o velho
      Palhaçopoeta; Grandes
      obras, grandes bases.
      Viu, não é nada do que
      você insinuou, seu bobo.
      (risos).

      Um abração, amigo.

      .

      Excluir
  12. Respostas
    1. But it's a true story,
      my dear.
      Kisses and thanks for
      commented on the text.

      .

      Excluir
  13. Respostas
    1. Mas eu gostei mais
      de tê-la aqui, comigo
      e com os outros nossos
      leitores....

      Uma beijoca, Carol e
      obrigado por ter vindo.

      silvioafonso


      .

      Excluir
  14. Um texto magnífico, narrando o que acontece em muitas escolas. às vezes não há ninguém que salve esses alunos tão vítimas de preconceito... Gostei imenso.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. .

      Meus Deus! O que o poeta fez
      ou fizeram com ela para tamanha
      inspiração?
      - Zezé de Camargo, certamente
      me diria; É o amoooor.

      Beijos, poeta. Muitos beijos.

      silvioafonso



      .

      Excluir
  15. Homens abonados precisam de pés grandes para sustentar e equilibrar o peso extra. O Patife percebe. É uma teoria com provas científicas. Palavra de Patife. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. .

      Quando deixas tua página para
      comentar nas dos outros, todo o
      eleitorado se levanta. Não
      que na tua exageres na coerência,
      mas nas outras, tens um quê de sério
      hilariante. Gosto muito da tua pre-
      sença por aqui. Sinto-me privilegiado,
      de certa maneira.

      Um abraço e brigado.

      silvioafonso



      .

      Excluir
  16. kkkk O povo fala mesmo! E o rapaz? Aproveitou a situaçao para se dar bem! kkkkkk
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele se deu bem, Paloma,
      mas o que me diz das
      garotas?

      Afinal as danadas viram
      o pé do rapaz de perto
      e a cores, né não?

      Beijos.

      .

      Excluir
  17. Amei ler esse texto, muitíssimo legal, comprova o que diz um antigo ditado popular: "Os humilhados serão exaltados".
    Beijos!

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.