terça-feira, 6 de março de 2018

ME CHAME DE ZACARIAS...

   
    Choro de cachorro ou de criança dói fundo no meu coração.  Entretanto, é a sua alegria que enche-me a alma de risos e de novas esperanças.  E foram gritinhos como esses que me levaram à janela de onde avistei duas belas meninas brincando com seu cachorrinho espreitadas pela mãe cuidadora.  A imagem encantava-me de certa maneira que mal reparei no shortinho apertado que a jovem mãezinha vestia. Com receio de ser mal interpretado cerrei as cortinas voltando aos afazeres.  Minutos depois uma das crianças chorou e eu corri para vê-la. A mãe, talvez pensando que eu não a pudesse ver, abaixou-se de costas para mim e sem dobrar os joelhos tentava consolar o rebento.  Meu Deus, que imagem! Talvez aqui não fosse o lugar mais indicado para externar o que a vista me proporcionava e mesmo se fosse, talvez adjetivo nenhum justificasse o que o caramelo dos meus olhos me levaram a sentir e eu juro que se cheguei aquele estado não foi por vontade própria, mas fisiológica. Nem mesmo o calor que fazia lá fora causava tanta maldade quanto aquele que me queimava aqui dentro, e foi com tais pensamentos que deixei de reparar na mãe das crianças sorrindo em minha direção.  Todos os músculos latejavam, mas nem por isso encontraram forças para mover o meu corpo a outro lugar senão prostrá-lo na  cadeira mais perto. A partir daquele momento todos e quaisquer ruídos provocados por uma criança erguiam a tenda do circo e eriçavam os pelos do palhaço. Tudo me levava à excitação.  Meus sentidos estavam ativos, como ligados estavam os meus desejos, mas desta vez, foi Zacarias que os ativava. Ninguém teria tido melhor ideia para colocar num cachorro o sugestivo nome de Zacarias, como as criaturas do lado vizinho o fizeram. E foi na intensão de vê-lo que olhei, mas a vi novamente.  A vi, sim, mas já não deixava as pernas à mostra. Não se curvava para dizer nada a criança e muito menos sorria de volta à janela.  O que ela pretendia na verdade era mostrar-me uma de suas belas riquezas; Zacarias.  Aquele gesto não me dava o direito de ouvir a voz da dona nem que eu tivesse me apaixonado por seu cãozinho desde o primeiro latido. De repente o vazio...
Três dias sem ouvir o miado da gata, o latido do cão e a algazarra das crias e até o sol já não tinha o que dourar do corpo da mãe ausente. Talvez por isso os dias estivessem de cara amarrada.  As noites sem estrelas e a lua não nos mostrava seu quarto, como sempre fazia.
E foi com tamanha tristeza, pensando fechar as cortinas do palco que ela apareceu.  Roupas eu não sei se vestia.  Criança e cachorro fazendo bagunça também não notei que tivesse, mas se ela estava aonde os olhos a alcançavam já era o suficiente para alavancar cada sonho e cada músculo e mesmo que todos estivessem de pé eu continuava sendo o fraco que me tornara. 
No desenvolvimento que essa história possa ter eu nem quero pensar, pois foi assim, buscando ver a criançada que eu a conheci e a Zacarias.  O resto virá como aos poucos tudo foi acontecendo, mas desta vez não virá para ir-se de mim sem que eu saiba o seu nome e o que de mais forte possa existir no seu peito, além do que os botões da blusinha me permitem ver.

19 comentários:

  1. Agarre o momento.
    Quem sabe se volta a repetir-se...
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para com isso, Pedro.
      Eu nada sei do assunto
      além de pequenas olhadelas
      que lanço à lugares indevidos
      e não permitidos, certamente.
      (risos)

      Um grande abraço, amigo.

      .

      Excluir
  2. Bom dia. Belíssimo texto. Amei demais :))

    Hoje: - {Poetizando e encantando} ...Promessas
    .
    Bjos
    Votos de uma feliz Terça-Feira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois de postado
      encontrei detalhes
      a serem corrigidos.
      Agora está show.

      Um beijo e muito
      obrigado pelas
      palavras.


      .

      Excluir
  3. Rapaz!
    E eu aqui as voltas
    com E.L. James
    tendo acesso aos textos
    dinâmicos do brasileiríssimo
    Palhaço Poeta!
    Zacarias,É?
    Bjins e Abraço.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu qui com os 50 tons
      de nossa amizade, Sra. Al-
      cântara.

      Beijos e brigado.

      .

      Excluir
  4. Pois é poeta olhar ainda não é proibido tal como o sentir!!!bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas do jeito que estão indo as
      coisas, logo serão proibidos.
      É uma pena. A gente não pode
      chamar o negro de negro a não
      ser que se tenha a mesma cor,
      assim como não se pode chamar
      viado de viado a não ser que
      também o sejamos. Dizer ao pé
      do ouvido de uma mulher que não
      é bonita, mas também não é feia,
      que ela é uma graça a gente nem
      se atreve. Agora imagina a mulher
      chamando um cavalheiro de galante
      cafajeste...
      É pena de 3 a cinco anos, sem
      direito a sursi. Mas, enquanto
      aqueles que ganham milhões para
      não fazer nada não pensam no caso
      a gente vai olhando à casa dos
      outros e sentindo, dentro do que
      a idade permite, tudo o que se
      pode sentir.

      Um beijinho na ponta do nariz e
      boa noite, Gracinha.

      .

      Excluir
  5. Olá belo texto, Arripiado é sem dúvida a Aldeia do Tejo pertence a um dos meus amores fica perto da Chamusca,pena que não tenha evoluído lá ou se tem tudo ou nada, mas amo aquela terra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estava mesmo precisando
      de uma aula dessas.
      Obrigado por isso e por ter
      vindo.

      Beijos.

      .

      Excluir
  6. Respostas
    1. Acho que você quer que
      eu me cale...

      Um grande abraço e muito
      obrigado por ter vindo.

      .

      Excluir
  7. Sendo hoje DIA INTERNACIONAL DA MULHER, nada me impede de dizer que: "" Cada mulher que nasce é uma Estrela que brilha na Terra "" ...... A Sua publicação é de uma ternura e carinho exemplares.
    .
    * (Poetizando e Encantando) MULHER ... O Equilíbrio da Vida *
    .
    Votos de um dia feliz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não é só um poeta
      falando de mulher, mas
      um amigo igual com todo
      mundo.

      Um abração, meu jovem.

      silvioafonso



      .

      Excluir
  8. Um belo texto. Obrigada pelo carinho no meu post. Boa noite

    ResponderExcluir
  9. Un brano piacevole, che ho molto apprezzato nella sua lettura.
    Un saluto,silvia

    ResponderExcluir
  10. Tu sabes,eu amo olhar para a casa fis outros,eu sei que é feio. Mas n é proibido,pelo menos aqui. Fico a imaginar a decor,a vida que se tem ali...o belo sempre nos encanta! Um abraço!

    ResponderExcluir
  11. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
    Olá Silvíoafonso, Obrigada por ter vindo à minha página, é sempre um prazer receber novas pessoas. Li o seu texto e achei interessante. Volte sempre!
    Abraço e ótimo fim de semana.
    Luisa fernandes

    ResponderExcluir
  12. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
    Obrigada Silvioafonso, pela chamada de atenção, mas acabei de responder há pouquinho ao seu comentário. pois é sempre um prazer receber novas pessoas e visitar novos blogs. Espero que agora receba o meu meu comentário.
    Um beijo e bom final de semana. Volte sempre.
    Luisa Fernandes

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.