sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

UM DEDO DE MULHER.

 
     A firma deu-me férias antes do tempo e como a maioria dos colegas que as tirou foi mandada embora eu vislumbrei a possibilidade do desemprego.  Logo eu que tinha passado os melhores réveillons na casa do chefe a convite do casal! Está certo que só me convidaram porque a minha coluna alavancava a venda do vespertino até então. Já os motivos da mulher do chefe sugerir-lhe que me convidasse podia ser qualquer um, menos esse. Será que ele já tinha a bota apontada para minha bunda, mas sua mulher  a estava segurando? Que razão ele teria para me mandar embora se eu nunca aceitei  ir a sua casa, por mais que a esposa insistisse,  quando ele estava viajando? Meu Deus, essa dúvida vai acabar comigo,  mesmo eu não tendo certeza de que serei ou não demitido.
 Aos trancos e barrancos eu teria de"gozar" os dias que me deram.  E foi com esse pensamento que  ajuntei minhas tralhas e voltei à minha casa na intensão de um banho quente e me jogar na cama para, caso eu não dormisse, soluçar todas as minhas pitangas. Fechei o registro e sem olhar procurei a toalha que me foi dada por quem não deveria estar ali. - Dona Creusa, pelo amor de Deus, o que a senhora está fazendo aqui? Imagina se seu marido me pega  com a senhora aqui dentro, o que  acha que ele faria comigo além de me matar?     - Quem te garante que serás mandado embora, hein? - Perguntou fechando o vaso e sentando na tampa, e jogando os cabelos para o lado cruzou as grossas e bonitas pernas diante do meu nariz.  Em tempo nenhum eu teria sonhado com aquela mulher sozinha no meu banheiro massageando com os olhos o único músculo sobre o qual não tenho domínio. Eu precisava, mas não tinha voz para pedir que saísse, que fosse embora antes daquele pesadelo tomar nova dimensão, mas como a mulher não tirava os olhos da minha virilha acabei dando conta de a toalha cobrir todo o meu corpo, menos a ereção que  pulsava como papo de lagarto diante da presa. Eu também já não tinha controle, mas enlouqueci de vez no momento em que atirou-se de joelhos na direção do que vira buscar. D. Creusa, chorando, esfregava as minhas vergonhas no rosto dando sinal de que esse tipo de prato não era servido nas suas refeições e naquela noite ela fartara-se. Eu juro que não entendia por que se mantinha casada se o jornal e todos os bens do casal eram dela. Por que seu marido não dava o que a esposa buscava na cama de tantos amantes? 
   Eram nove horas do dia seguinte quando o celular tocou na minha cabeceira.
   - Alô! É, sou eu.  Mas eu estou de férias, Dr. Antônio Ignácio, esqueceu? Meia hora depois eu chegava na redação onde uma pilha de papel esperava por mim.
    - Desculpe, mas as férias eram para alguém da sucursal de Vitória e que por acaso tem o seu nome - e concluiu:   Foi  D. Creusa que, hoje de manhã, percebeu o erro.  Agora anda com isso porque o tempo urge e sem a sua matéria o vespertino não vai  às ruas.

28 comentários:

  1. Respostas
    1. Foi sorte dele ou dela,
      se teve o que desejava e
      do jeito que planejou?
      Isso, no entanto, eu acho
      que não importa, não é
      mesmo Gracinha. O que vale
      de verdade é o que se faz
      na vida e não o que pensam
      que a gente fez ou deixou de
      fazer, não é verdade?

      Um beijo e doces de
      sobremesa.

      .

      Excluir
  2. Como bem diz Nelson Rodrigues
    "A vida como é".
    Esse personagem nem queria
    "Ferias" mesmo, num é mesmo?
    Aprecio essas suas
    Publicações misto de verdade
    e fantasia. A proposito esse
    Texto de alguma forma me
    trás a mente seu livro "INConstrução".
    Bjins e/abraço
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o comentário,
      principalmente quando
      faz alusão ao nosso
      livro.

      Um beijo e um pé de
      moleque.

      .

      Excluir
  3. Bom dia. Mais um belo texto! Adorei

    Hoje:- Perdidos num brinde silencioso.
    .
    Bjos
    Votos de um feliz fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A partir de hoje, até quarta-feira
      de cinzas (sem preferência de tons),
      eu serei um herói do passado, um
      revoltado escravo das leis no presen-
      te, o mais fiel com as mulheres e um
      futurista sonhador no final da tarde
      daquele dia.

      Um beijo, Larissa e bom carnaval.

      silvioafonso


      .

      Excluir
  4. Dedo de mulher é um caminho do prazer. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não só um dedo, mas vários,
      não é mesmo? Para mim quanto
      mais dedo, mais boca, mais
      ouvido etc, melhor.

      Um abraço cheio de agradecimento.

      .

      Excluir
  5. Quantas D.Creusa,nos bastidores da vida...tantos promovidos por serviços prestados,rsrsr.
    Ótimo feriado!Vou beijar-te agora.Não me leve mal. Hoje é Carnaval. bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai beijar nada. Sem pedir
      é assédio...(risos)

      Um beijo e dois sacos de
      confete.

      .

      Excluir
  6. De vez em quando eu vou esquecendo os cais... e deixando as ondas me levarem... Sempre para o lado bom do prazer e da vida. Navega-se flutuantemente...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu e Caymmi temos adoração
      pelo mar, mas só eu tenho
      medo quando os dois se
      revoltam.

      Um beijo, Yllenah e bom
      carnaval

      .

      Excluir
  7. Bem se ele não queria fica de férias, até calhou bem.
    Bom domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto a isso talvez não
      se importasse, não fosse
      o medo de perder sua fonte
      de renda. É como diz o
      ditado; tem males que vêm
      para bem.

      Beijos, Elisabete e bom
      carnaval.

      .

      Excluir
  8. Respostas
    1. Sorte de quem, meu anjo?
      Da mulher do patrão, minha
      ou dele, que tentou corrigir
      um possível erro ou penalizar
      a mulher?

      Beijos e brigadin.

      .

      Excluir
  9. Um erro que eu não perdoaria.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você, Pedro. Do lado
      do prisma onde eu me
      encontro ou do lado
      do patrão, meu empregador?

      Não importa, amigo. O bom
      foi o final da história...

      Abrações...

      .

      Excluir
  10. kkk muito bom :)

    https://finddyourway.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Andrea.
      Eu já estava mortinho,
      mortinho de saudade...

      Bjs.

      .

      Excluir
  11. Ousada, a mulher do patrão. Mas quem se importou?
    Muito bem narrado o seu texto.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  12. O destino faz com a gente o
    que a mulher do patrão fez
    com ele, com a gente e com
    ela mesma que não precisava
    de nada para manter-se fiel
    no casamento entretanto resolve
    phudder com o destino de quem
    trabalha. Eu não sei se devo ter
    pena dela, do bobalhão do patrão
    ou de mim que escolhi o lugar onde
    trabalhar e tirar dele o meu sustento,
    mas, por piedade divina, consegui
    fazer fogo com as lascas de pau que o
    destino me atirou. Com ele esquentei
    a marmita do pecado, sim, mas que a
    mim deu enorme prazer.

    Graça, querida. Um beijo com gosto
    de lança-perfume.

    .

    ResponderExcluir
  13. Olá Silvio, ai ai, as Dna Creuzas da vida incentivando o experimento de um prato com sabor apimentado, imagino que a questão "demissão" nessa hora ficou no ostracismo, claro... o prazer em evidência! E tu não deixou barato!!
    Adorei seu conto!!

    Bjs confete serpentina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É como eu respondi à
      Lúcia. Ninguém sabe o
      acordo que os dois têm
      entre si. O bom é bater
      palma pela ousadia de
      quem desconhece o medo
      e o pecado.

      Beijos.


      .

      Excluir
  14. Dona Creuza se fartou, foi sortuda e ainda proporcionou sorte a quem lhe deu prato saboroso e picante!
    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Lúcia. Quando
      mulher e marido brigam
      a gente pensa em chamar
      a polícia, mas a ordem
      é não meter a colher na
      briga de quem diz que sem
      a esposa a vida não tem sentido
      e ela responde que só com um
      homem na cama a vida dela é
      que não tem razão.

      Com outras palavras, não devemos
      nos meter no acordo que marido e
      mulher têm.

      Beijos, meu anjo. Beijos.



      .

      Excluir
  15. Eu sempre digo que atrás de tudo tem uma mulher! As melhores "espionas"de guerra foram mulheres.Desculpa-mas mas vocês homens não conseguem pensar na razão quando é tentado. Um abraço!

    ResponderExcluir
  16. Olá, Silvio!
    Como assim, ainda não conhecermos nossos "cantinhos" rsrs!
    Dei uma olhada geral e parei para ler este texto "UM DEDO DE MULHER"...gostei do texto e também dos comentários dos seus amigos: bem humorados, um pouquinho apimentados... tudo que eu precisava ler nesta manhã de sábado.
    Vou segui-lo desde já pois creio que acessei um espaço com ótimo conteúdo.
    Um abraço aqui das terras Imperiais, Petrópolis, minha amada terra.

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.