quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

FENDAS E DECOTES.

 
     Quando ambicionamos ter alguma coisa é preciso pagar alto ou muita luta para conquistá-la.  Assim foi com Arthur que desde menino pensava namorar Maria Rita, a mais linda do bloco B.  Os anos passaram, as crianças cresceram e também mudaram para outros endereços.  E como é público e sabido as meninas desenvolvem mais depressa que os meninos, por isso a pequerrucha era agora um  mulherão, ao passo que Arthur parecia não saber onde esconder as fraudas.  Essa tortura durou até aos 17 anos quando o menino, agora rapaz, ingressou na faculdade de direito.  Talvez  não fosse ele o melhor na oratória, mas com certeza o mais elegante e mais bonito.  Dias antes da formatura Maria Rita ficara sabendo da festa por conta de um convite que a prima de sua amiga havia recebido. Maria Rita, impetuosa, resolveu fazer-lhe uma surpresa.  No dia da colação de grau a moça, dizendo-se prima de um dos formando, conseguiu acesso ao salão onde a turma comemorava o feito. Vestida num longo vermelho, ajustado em cuja fenda escapava-lhe a coxa esquia e bem torneada até junto a calcinha, Maria Rita era alvo de todas as atenções. O decote, este, bastante generoso, permitia aos olhares mais atrevidos um alcance muito mais aprofundado. Não tinha como não ouriçar os rapazes e as faladeiras vestida daquele jeito.  Bastou que as falsas defensoras dos bons costumes a vissem para que tomassem partido da coisa. O que logo foi feito.  Arthur e mais outros colegas largaram mão dos parentes e de outros amigos e foram ater-se aos mais curiosos. Assim que Arthur tomou conhecimento de quem atrapalhava o bom andamento da festa, rodou nos calcanhares e voltou para a festa. Na tribuna tomou o microfone e gritou palavras de ordem aos que antes babavam por outra razão.   Entusiasmados com cada palavra do, agora, Dr Arthur, respondiam com Viva! Urra! E coisas do gênero. Depois da entrega dos diplomas dispersaram-se indo, a maioria a um restaurante na intenção do "calote" tradicional. Maria Rita fora esquecida com suas fendas e seus decotes, assim como Arthur permanecera por toda a infância longe dos holofotes dos olhos dela.

12 comentários:

  1. Tão apetecida e fica assim esquecida.
    Um desperdício.
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedro, para de caô, cara!
      A gata podia té não saber
      o que a aguardava no futuro,
      mas aquele momento era agora
      e se ela queria chamar atenção
      de alguém, consegui. Só isso.
      Caso contrário teria vindo
      embrulhada para presente, ou
      será que ela veio?

      Abraços, amigo. Abraços.

      .

      Excluir
  2. Muito bom! É bom quando a conquista é com lealdade :)

    Bjos
    Votos de uma boa Quarta-Feira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita, amiga.
      Adoro quando vc vem por aqui.
      Volte mais vezes...

      Beijos.


      .

      Excluir
  3. Será mesmo que a Moça foi
    esquecida ali?
    Sei não. Tenho minhas
    Duvidas.
    Esse texto tem indício
    de não ter seu fim aí...
    Fiquei querendo ler
    um pouco do algo mais que
    tenho"quase" certeza
    sua memte ter bem guardadinha.
    Otima quarta feira querido
    Palhaço Poeta.
    Saudade d'oce(s).
    Bjuns e Abraço
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, eu escrevi como se fosse
      eu o estudante em questão.
      Quando aparece alguém fazendo
      doce eu sugiro que abra um
      comércio, pois, não sou muito
      chegado a tais guloseimas ou
      deixa azedar para encalhar na
      prateleira.
      E foi o que aconteceu;
      encalhou.

      Beijos.


      .

      Excluir
  4. Eu acho que o Artur não se esqueceu dela !
    só quis afastar a multidão para outras bandas e depois ir busca-la armado em gentleman :)
    abraço
    Angela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Ângela. Para de
      defender a classe
      feminina, vai!
      Ela esnobava o cara
      desde criança, por
      isso teve o que mereceu;
      a indiferença dele.

      Beijos, amiga. Beijos.



      .

      Excluir
  5. "Fendas e decotes"? Chamaram? ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você demorou muito para
      dizer se o nome que dei
      ao texto era ou não per-
      tinente. Agora é tarde,
      mas ainda a tempo do
      respeito e da consideração
      que tenho pelas odeias do
      amigo.

      Um abração e obrigado.

      .

      Excluir
  6. Respostas
    1. Gil, meu velho. Um abraço
      para você também e muito
      obrigado por grafitar seu
      nome na minha parede.

      .

      Excluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.