quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

ROLETA MAIS DO QUE RUSSA .

     

    Eu tinha oito anos quando Danny, com cinco, veio com os pais morar no nosso condomínio.  Com sete a garota gritava com os moleques quando dela descordavam e só não apanhavam porque corriam.  No momento em que Danny percebeu que podia dobrar o mundo às suas vontades ela não tinha mais do que treze anos.  Nessa época já falava como mulher, pensava e agia como mulher e para ninguém ter dúvida de sua grandeza, fazia coisas que até Deus duvidava. 
Aos vinte e oito Danny estava casada com um criador de gado que ficava mais tempo no Mato Grosso cuidando dos bichos do que no Rio com sua encantadora mulher. No réveillon de 2007 (para 2008) a gente se encontrou nas areias de Copacabana. Dez dias antes do natal minha namorada tinha me dado um pé na bunda por conta de um cara mais velho e cheio do dinheiro.  Danny também passaria sozinha a virada do ano por ter discutido com quem, muito zangado, tomou um avião e voltou ao convívio das vacas que, como dizia, não o tratavam tão mal como Danny. Depois de muito trelelé e tantos beijinhos fomos ao quiosque do posto 6 provar da caipirinha que um amigo vivia elogiando. Em quinze minutos tomamos três cada um. Depois o garçom ligou no modo automático e as caipirinhas chegavam assim que o nível dos nossos copos ia baixando.  Enquanto isso a gente falava, falava e tanto falamos que  praticamente não vimos  o show do Grupo Revelação antes do pipocar dos fogos. Quando a festa acabou fomos à casa dela, ou melhor, nos arrastamos até a esquina da Paula Freitas com Barata Ribeiro  onde morava. Tomamos um banho demorado que muito nos melhorou.  Depois, a  pedido dela, tentei colocá-la para dormir, mas não deu.  Não deu porque a gente se beijou, se beijo, e tanto a gente se beijou que acabamos por fazer  amor ali mesmo, na cama do fazendeiro. Na hora do rala e rola a garota pegou  minhas mãos e as apertou em volta do seu pescoço. No primeiro aperto Danny deu pinta de que ia gozar. Apertei mais um pouco e ela finalmente gozou como eu achei que conseguiria. Apertei mais um pouco e ela fez-me pensar que teria naquele momento o maior e melhor orgasmo de sua vida, e eu apertei. Quarenta minutos se passaram e eu ainda me via agarrado ao pescoço de quem, de olhos vidrados, gozava como jamais pensei que alguém fosse capaz.   E, quanto mais eu forçava o meu corpo para dentro do dela, mais minhas mãos apertavam sua garganta fazendo brilharem seus olhos e o corpo explodir em convulsões. Repetimos a maluquice diversas vezes naquela madrugada e em nenhum momento Danny deixou de responder com  orgasmos vibrantes ou tentou afastar minhas mãos. Não fosse meu fígado rejeitar as últimas doses de bebida e eu, com toda a certeza, a teria estrangulado, tamanho  é o tesão que a coisa provoca na gente. 
Quando acordei a maluca da Danny ainda dormia. Dei um beijo no canto de sua boca e saí sem fazer barulho. Mais tarde fiquei sabendo que a minha ex viajara para o Mato Grosso onde deve ter passado o Revéillon, enquanto eu e Danny acordávamos, cada um em sua cama, de um sonho que não dormimos.
- Notícias de  quem conseguiu tudo na vida e quase também conquistou o infinito eu não tenho, talvez por não consultar o obituário regularmente.

36 comentários:

  1. Um jogo algo perigoso, não é?
    Quando e como parar???
    Aquele abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedro eu jamais tentaria
      por minha conta e risco,
      mas como foi um pedido,
      uma sugestão... Por que
      não?

      Quanto a hora de parar
      eu não sei. Não sei porque
      o pescoço não era meu,
      certamente.

      Um abraço, amigo. Valeu.

      .

      Excluir
  2. Para mim ... um estranho prazer!
    Ainda bem que não houve estrangulamento=)!!!
    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não houve porque era
      russa a roleta. Só por
      isso, Gracinha.(risos)

      Beijos, amiga.

      ,

      Excluir
  3. Bom dia. Lamento, hoje, não consegui ler o texto. Além da letra ser pequena, a cor não ajuda nada, é muito florescente e complica a leitura. Pelo menos comigo foi complicado.
    .
    Hoje:- Amanhecer inquietado
    -
    Bjos
    Votos de uma Feliz Quinta-Feira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mudei a cor e a fonte do
      texto como vc sugeriu,
      Larissa.

      Obrigado por interagir.

      Beijos.

      .

      Excluir
  4. Olá,
    belo conto, assim é a vida encontros e desencontros.
    Gostei da frese não dividas os sonos e realmente o melhor e guardar e correr atrás para conquistar. Também teve um poeta que falou que sonhos que sonhamos juntos vira realidades, mais ou menos isso. hahha
    Abraços e feliz 2018.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da sua presença
      e do seu comentário.

      Um beijo e obrigado por
      isso.

      .

      Excluir
  5. A vida é composta por encontros e desencontros, geralmente de carácter. Gostei francamente do texto
    .
    Escrevi: * Casado/a há 10 anos...Outra pessoa na sua cama. Aceitaria? *
    .
    Cumprimentos sensuais
    .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nuno, aproveitei para
      responder as questões
      no seu post. Acho que
      até fui além do esperado
      por mim e certamente
      pelo amigo.

      Um abração.

      .

      Excluir
  6. Respostas
    1. Felizmente para o blog
      tivemos o prazer de sua
      presença.

      Um beijo e obrigado por
      vir.

      .

      Excluir
  7. Olá Silvio,

    Excelente a narrativa (conto ou crônica, não importa...),
    importa seguir uma história bem contada...
    Agora, quanto a personagem, esta percorreu um caminho
    perturbador da pulsão de vida com a pulsão de morte,
    dor-prazer, acho que o Freud explicaria, será?...
    Grata pela sua visita e a oportunidade de fazer
    uma leitura maravilhosa aqui!
    Um beijo.

    Ps: Meu tempo é bem escasso, como gostaria de ter
    mais tempo disponível para voar em espaços
    da boa literatura, aprecio muito as leituras
    e partilhas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então eu tirei a sorte
      grande, Suzete ou não a
      teríamos aqui dizendo
      palavras tão bonitas e
      pertinentes.

      Um beijo e obrigadão,
      amiga.

      .

      Excluir
  8. Realmente um jogo perigoso,apesar de que,no amor,paixão e desejo tudo é um risco. Quanto à qualidade do texto e o talento do autor não preciso dizer nada,todos já o disseram. Parabéns!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acredito que você tenha
      vindo me ver, meu amigo.
      Obrigado por autenticar minha
      página com a sua presença e
      com o seu, sempre, digno
      comentário.

      Um grande abraço.

      silvioafonso


      .

      Excluir
  9. Respostas
    1. Também para você,
      Amanda querida.
      Obrigado pela presença.

      Beijos.

      .

      Excluir
  10. Um conto muito bem narrado. Um jogo muito perigoso e que às vezes dá para o torto. Gostei de o ler.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estava esperando você,
      Graça, até porque hoje é
      domingo. Dia de visita.

      Beijos e obrigado.

      .

      Excluir
  11. Respostas
    1. E eu gostei de você ter
      vindo por estas bandas.
      Um beijo, Sami e obrigado.

      .

      Excluir
  12. Respostas
    1. Se vc gostou é sinal do
      meu trabalho ter valido
      à pena.
      Um beijo, Pathy e
      muito obrigado pela força.

      .

      Excluir
  13. Olá Silvio, é a vida como ela é k;
    texto que instiga o leitor, talvez possa
    ter mais capítulos; até porque o pescoço
    não era meu kkk.
    Esse texto me lembrou de um livro que li a anos
    atrás... O Espelho de Egon, não sei porque.
    Talvez porque teus textos trazem... para mim pelo menos
    um autor com muita propriedade na sua escrita. Sei lá...
    Mesmo em uma roleta russa, existe tensões que são sóbrias e até propositais... gostei de te ler...

    Bom começo de semana para ti e para os teus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou comentar sobre suas
      palavras na sua página,
      se você me permitir.
      Portanto, um beijo e até
      já.

      silvioafonso



      .

      Excluir
  14. Boa tarde, Sílvio,
    que texto louco e gostoso de ler,dizem que no amor, na paixão vale tudo, como explicar tanta euforia?
    Excelente, a descrição do perigo e do sexo. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marli, nada estimula mais
      aquele que escreve do que a
      crítica de seus amigos. Só
      esses caras, como você, têm
      o direito e a bondade de (
      mentir) falando o que a gente
      gosta de ouvir.

      Um beijo e muito obrigado pelas
      palavras.

      silvioafofonso



      .

      Excluir
  15. Olá meu amigo! Muito obrigada pela visita. Gostei da história. Muito bem escrita e com desfecho surpreendente.
    Jà estou te seguindo.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim você me faz corar,
      criança.
      Um beijo e muito obrigado
      por opinar.

      .

      Excluir
  16. Oi Sílvio,
    Obrigada por mais um comentário
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem tanto, mestre. Nem
      tanto.
      Te gosto e tu sabes.

      Beijocas e pipocas.

      .

      Excluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.