terça-feira, 21 de novembro de 2017

SUPERMAN...

   Eu gostaria muito de falar sobre meu pai, mas como amigo da gente não tem defeito evitarei qualquer adjetivo que o favoreça, mesmo ainda achando ter sido ele o melhor pai do mundo, como o é, em minhas recordações.  Quero e vou falar da frustração que tive quando eu era criança e ele fazia coisas que só os super-heróis eram capazes. Custei muito a aceitar esse deslize, pois diferente das histórias em quadrinho, nada ou ninguém conseguiria vencê-los e nem mesmo a morte poderia destruí-los. Por isso eu me sentia protegido e talvez até abusasse por conta disso. Era fantástico saber-me filho de um herói de verdade; respeitador e cumpridor de todas as obrigações. Pessoa que todos gostavam, talvez por ser ele o herói das minhas histórias.
Um dia, sempre tem um em nossas vidas, meu pai adoeceu e quase todos achavam que ele não escaparia ileso daquela aventura. Todos, menos eu que conhecia o seu segredo. Mesmo assim papai morreu. Fiquei frustrado, transtornado com o desfecho, já que existiam várias revistas e livros garantindo a imortalidade daqueles audazes. Então, como uma coisa dessa podia tirar a vida de quem, durante décadas, enfrentou madrugadas frias com o mesmo sorriso enquanto seguia para buscar o nosso sustento? Era difícil acreditar que uma pessoa que conseguiu vencer a pobreza, a falta de estudo e ainda por cima criou cinco filhos com um salário irrisório pudesse entregar os pontos à uma força que nem ele e muito menos eu conhecia.  Tive comigo por muito tempo as revistas que ele havia comprado na dureza de sua infância e que embalaram a dele e uma boa parte da minha juventude. As figuras e os textos me encantavam. Eu delirava com as proezas daqueles personagens assim como me encantava ter um tão junto de mim. O meu pai, definitivamente, era um Super Homem.
O tempo, porém, senhor de todas as decisões, calou o homem de aço e suas empolgantes histórias, só não emudeceu o filho e as doces lembranças que tenho, principalmente quando uma estrela em disparada riscava os céus sobre a minha cabeça como eu acho, ou achava que ele fazia.

14 comentários:

  1. Os nossos pais são sempre os melhores do mundo, do nosso mundo.
    Infelizmente, também já não tenho pai. Desde muito novinha. Mas nós somos fortes e eles têm muito orgulho em nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você foi mais feliz porque
      teve tempo de saber do seu herói
      ao passo que ele pouco ou quase
      nada soube da filha.
      Perder um pai é como perder um
      pedaço da gente. A nossa história,
      inclusive, se perde com sua morte.

      Um beijo e obrigado pelas palavras.



      .

      Excluir
  2. Meu pai que partiu no ano passado deixou-me a mesma sensação ... deixou-me um SUPER HOMEM com todas as suas fraquezas e deslizes mas que eu espero viaje pelo nosso belo céu estrelado ... feliz por ter deixado "semente" que o admirará sempre!!!
    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais que coisa linda você
      me falou, Gracinha. Talvez,
      quem sabe, os dois, o seu,
      que acaba de chegar e o meu,
      que lá está há mais tempo,
      não se encontrem para discutir
      a matéria, hein?

      Um beijo e o meu sentimento,
      pela perda.

      .

      Excluir
  3. Lendo seu texto,senti muitas saudades do meu pai,meu herói e meu grande amigo.
    Adorei ler Silvio.
    Obrigada pela visita e comentário.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O blog, pelo menos, serviu
      para alguma coisa; para mim
      o desabafo e para você abriu
      as portas da saudade.

      Um beijo, Lúcia e tamojunto.


      .

      Excluir
  4. Sílvio,
    Da uma saudade danada.
    O meu pai morreu de saudades depois de 10 dias que mamãe se foi, chorei da hora que ele morreu até a hora do enterro.
    Sou coberta por mortes, meu marido morreu bem longe de casa, passei a noite na sala do hospital para uma funerária( fizeram tudo e de São Paulo o levaram até um cemitério de Santo André.
    Eu fui na frente com nossa puminha e o carro funerário atrás. Não foi fácil. Minha vida é cheia de morte, até eu queria morrer, mas cada um tem a sua hora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lua, querida. Você acaba de
      me dizer que seu pai, que Deus
      o tenha, amava de verdade a sua,
      também falecida, mãe. O amor
      tem dessas coisas; dá vida ao
      mundo e o tira dela.
      A morte está sempre por perto se
      a gente está vivo. Portanto, faça
      como eu; finja-se de morto e vá em
      frente. Descerre o pano sem medo e
      vibre com a peça que a vida nos prega.

      Um beijo e muita boa sorte.



      .

      Excluir
  5. Boa tarde, amigo Sílvio
    lendo seu texto tive a certeza de que, meu pai tinha muito do seu.
    Até poderia dizer que são a mesma pessoa, senti a dor da saudade a machucar meu coração, e sem razão as lágrimas rolaram pelo meu rosto. Que bom que nosso pai foi um super-herói, obrigada por tão linda postagem. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindo o seu comentário, Marli.
      Quem sabe não somos, nós dois,
      irmãos? Essa sua sensibilidade,
      portanto, dá-me a certeza do que
      acabo de dizer.

      Um beijo e obrigado, irmã, pelo
      carinho das palavras.



      .

      Excluir
  6. Oi Sílvio,
    Aos 45 anos, casei-me novamente, ele é 7 anos mais novo que eu e ainda tem ciúmes, pois já completei 70 anos e fiz em 23 de outubro bodas de prata.
    Além disso ganhei dele um brinco muito lindo de pérolas.
    Eu não gosto de joias, mas de brinco sim.
    Venha às vezes no meu blog tem até Ode.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu esposo é um felizardo.
      Certamente acreditava que um
      aluno poderia se apaixonar pela
      professora antes de ter com ela
      estudado. E deu certo.
      -Uma linda história você acaba de
      me contar.
      Ao largar a caneta com a qual redijo
      as minhas palavras irei ao seu blog
      no intuito, não de pagar pela visita,
      mas de ver o belo, o sério e o consciente
      através do prisma, como você bem o faz.

      Um beijo.



      ;.

      Excluir
  7. Palhaço Poeta✍
    Depois do depois o que
    nos cabe são as lembranças
    sejam elas quais forem...
    Gosto da sua forma
    de revisitar as suas.
    Na vida desconstruimos
    e nos reconstruimos
    todo tempo. Ainda
    bem que temos a oportunidade
    de melhorar o mínimo necessário
    sem perder nossa personalidade.
    Bjins meus e do Al
    CatiahoAlc.🙃

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um privilégio ter você comentando
      os meus textos. É bom, é bonito e
      enriquecedor ouvir quem, demonstrando
      segurança, fala das coisas.

      Um beijo e, volte mais vezes e me faça
      feliz.




      .

      Excluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.