segunda-feira, 27 de novembro de 2017

ADEUS, AMIGO. ADEUS.


        

      No final de novembro fiquei sabendo que o mais novo amigo que conseguira conquistar por estas bandas fora infectado pelo vírus da aids. Vírus adquirido na relação  com uma pessoa, por quem se apaixonara, e nos matou logo depois, com sua "ida". Foi um choque vê-lo definhando, fugindo dos médicos e dos tratamentos por não concordar que estivesse doente. Aos poucos perdia a fome, o sono e a vontade de continuar vivendo. Em contrapartida às feridas, coceiras, cabelos caindo e o corpo debilitado, sem viço e sem cor,  estava ali como prova daquela doença. Eu não acredito na cura através da oração, mas que ela dá força para enfrentar o mal, ah, isso ela dá, com certeza. Não a oração de uma pessoa ou de um grupo na intenção do um enfermo, mas a introspecção do próprio doente em nome de Deus, pois a fé alavanca a criação de anticorpos assim como fortalece a crença da cura,  a coragem da luta e a vontade de continuar vivo.
A fé tem esse poder. 
Agora internado contra a própria vontade ele mal enxerga o que se passa diante dos seus olhos, mal fala e quase mais nada ouve, principalmente o que dizem aqueles que acreditam na fé e no milagre.
Espero que a ciência, através dos médicos postados na sua cabeceira, rompa a fita de chegada antes que a morte atinja a reta final.
   - MAS...
Infelizmente às duas da madrugada de uma quinta-feira de dezembro, ele partiu... Talvez até ele mesmo torcesse por isso, pois a sua vaidade o aprisionava à doença de maneira que só não pediu socorro aos profissionais da medicina e aos amigos, porque a cidade onde nasceu, cresceu e morava era  pequena e todos se conheciam.  Todos os que se relacionaram sexualmente com ele estavam,  neste momento, em polvorosa. Talvez para evitar constrangimento meu amigo preferisse a morte, a mesma que o levou do nosso meio.  Mentiu, escondeu-se de tudo e de todos e só foi internado quando forças já não tinha para evitar o que fizemos.  
- Descanse em paz, meu rapaz, mesmo que eu o quisesse cansado, como estava, ao meu lado.
A saudade que você deixa é grande e somente minha.

20 comentários:

  1. Silvio, infelizmente as doenças ainda não estão nos museus,
    continuam a atormentar o corpo das pessoas e a fazê-los sofrer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A morte, como diz o velho
      Palhaço Poeta, é burra e
      egoísta. Leva a forquilha
      das árvores deixando no chão
      os ninhos em desabrido.

      Obrigado pela presença.



      .

      Excluir
  2. Saudade amigo Palhaço Poeta
    é o que nos cabe,
    entretanto vivermos bem ao lado
    dos que amamos e celebrar
    com eles cada instante
    é fundamental para quando o tempo
    da saudade chegar,
    termos a certeza de a Vida ter
    valido à pena.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  3. Descansará por certo!
    Hoje também faleceu alguém especial na vida do meu sobrinho que muito amo ... e ele está inconsolável!!!
    O tempo ameniza nossa dor!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina o sofrimento desse
      rapaz.
      Se a dor nos torna forte,
      imagine no Sansão que a da
      perda do meu pai me transformou...

      Um beijo e obrigado.


      .

      Excluir
  4. Triste o que você conta. Que o seu Amigo descanse em paz.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim eu espero e ele, certamente,
      também.
      Um beijo, obrigado e boa semana.

      .

      Excluir
  5. Oi Silvio,
    É doloroso ver alguém
    que gostamos tanto se definhando...
    A morte é cruel mesmo e essa doença
    impetuosa e sem cura, não perdoa, infelizmente.
    Um bj ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu dizia pra esse cara que só iria
      ao enterro dele se ele jurasse que
      ia no meu, mas pelo visto, só eu
      cumpri com aquela promessa.(risos)
      Depois disso eu vou avisando que
      decidi não morrer mais, já que a dor
      que o fato cria na gente não tem
      tamanho e muito menos como ser medida.

      Um bjo, Clau e obrigado.



      .

      Excluir
  6. Não deve ser nada fácil acompanhar alguém de quem gostamos e que está a sofrer assim.
    Lamento. Força.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu, certamente, não daria a
      minha vida para tê-lo de volta,
      mas com certeza deixaria todos
      os vícios para curtir os
      devaneios que a sua presença me
      impunha.

      Uma beijoca, Diana e obrigado por
      ter vindo.




      .

      Excluir
  7. Se viver vale a pena e morrer faz parte da vida, então, morrer também vale! Ficamos com a saudade, mas a certeza de um reencontro! Que você encontre a paz e o seu amado amigo também!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem toda razão, mas ninguém
      deseja perder, principalmente
      quando a perda tem esse preço.

      Um beijos, audrey e obrigado pelo
      conforto.




      .

      Excluir
  8. Caro mestre:
    Entendo sua dor,impotência e inconformismo perante à morte. Também passei por isso várias vezes,perdi muitos amigos para essa doença..Concordo com o que você disse sobre a oração: ela conforta e consola..Força e paz !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que você veio
      comentar, meu rapaz.
      Fiquei feliz com a sua
      presença e com suas palavras.
      Um abração do amigo,

      silvioafonso


      .

      Excluir
  9. Una triste entrada pero a veces la vida también es gris.
    Perder a un ser querido es triste, duro y siempre deja un vacío imposible de llenar, desgraciadamente sé de ese dolor. Además cuando es una enfermedad aún es peor porque añadimos el sufrimiento de ellos y el nuestro, esa impotencia y la espera a algo que no tiene solución para mí es lo peor.
    Creo que quedarnos con todo lo bueno vivido con ellos es el mejor consuelo.
    Un beso.
    También me quedo en tu blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gracias por las palabras querida.
      Un beso por haber venido a mi casa.


      .

      Excluir
  10. Muito triste essa história de seu amigo. Pena ele não ter se tratado, mas nunca sabemos o que vai na alma das pessoas.
    Bj, amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tais, esse cara era exemplo de
      bondade e fidelidade para muita
      gente e quando percebeu que o mal
      o afligia não quis que ninguém
      soubesse, nem mesmo desejava
      acreditar que a doença o levasse
      à sepultura, como o levou. Por
      isso ele escapava, fugia, sumiu
      até que a saudade se tornou na
      única coisa que sobrou dessa
      pessoa.

      A vaidade, definitivamente é uma
      merda (desculpa).

      Um beijo e, gracias.


      .

      Excluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.