quarta-feira, 4 de outubro de 2017

COLEGA (ÍNTIMA) DE ESCOLA.

  
    Com mãos de fada Júlia acariciava o corpo da morena com quem dividia uma quitinete na faculdade. A pele brotoejava no toque sutil de quem talvez não soubesse que desenvolveria pela colega um sentimento maior que o de uma simples amizade. Ter a sorte de poder falar junto ao seu ouvido, sentir o cheiro de sua pele e quando possível tocar seu corpo era como realizar sonhos que jamais pensou que tivesse. Sempre que possível tomava seus cabelos entre os dedos e fio a fio os escorria, da mesma forma como elogiava o verde esmeraldas dos seus olhos. Também não media palavras quando elogiava os seios dela; pequenos e firmes. Júlia era bonita e persuasiva o bastante para conseguir o que queria e as vezes até se tornava refém dessas conquistas. Tinha vez que sentia água na boca  só de falar nas pernas compridas, lisas e macias da amiga. Não era à toa que se questionava quanto a necessidade de ficar tão perto dessa garota a ponto de querer tocá-la, de sentir seu hálito e de até beijá-la como já quis. Nessa noite porém, nada, ninguém ou a natureza teria como evitar o que houve entre as duas. Já era madrugada quando cansadas chegaram à casa. Quando Júlia entrou para o banho a amiga já tinha terminado o dela. Assim que voltou ao quarto viu que a amiga já tinha adormecido, mas nada além da calcinha impedia que um maravilhoso corpo fosse apreciado por quem se mordia de desejos. Júlia perdeu algum tempo namorando aquela obra-prima inerte na sua frente. Não podendo pensar em outra coisa Júlia se questionava; como tocar nessa gata sem ser repreendida caso ela acorde? Como controlar a vontade de mordiscar a pontinha de sua orelha, de beijar o canto de sua boca e de espremer entre os meus seios os da mulher que se quer? Nada disso seria permitido eu sei, mas cobri-la com um lençol de linho branco mesmo que minhas mãos toquem de leve seu corpo, abram suas pernas e entre elas eu me agasalhe, sim, isso podia. E foi graças a essa certeza que Júlia, fingindo escorrer o lençol por sobre aquela formosura pode acariciar sua amada naquela noite e em todas as outras em que juntas dormiram.

14 comentários:

  1. Respostas
    1. Nem sempre o que a gente escreve
      é ficção. Casos iguais a este são
      comuns ultimamente e nada é ilegal
      ou proibido quando vêm do coração.

      Um beijo e obrigado pela presença.


      .

      Excluir
  2. Pois é Palhaço Poeta,
    eu gosto dessa liberdade
    de escrever e de ler o que
    nossa intuição literária
    nos leva de forma assim natural,
    suave e bela sem alardes
    ou bandeiras. Leio você como
    leio Nelson Rodrigues e me
    encanto com a clareza e a
    simplicidade da escrita;
    Sem vulgaridade, entretanto
    retrato da real liberdade.
    De forma ou modo algum
    a clareza e a simplicidade de seus
    textos devem ser ser vista como comum
    ou corriqueira.
    Pelo contrário sua escrita
    é complexa e bela, cheia de verdades
    nas entrelinhas. Fique certo que lerei
    pro Al.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz com a tua presença,
      principalmente por saber que não
      vais olhar pros meus erros, mas
      com certeza tu vais exaltar os
      acertos que eu sei não são muitos.

      Um beijo e, tamojunto.



      .

      Excluir
  3. Hello my dear friend,
    Nice to meet you :)
    You have a great blog!

    http://vivereromance.blogspot.it/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. I also enjoyed seeing you
      here.
      A kiss and thank you.


      .

      Excluir
  4. Que bom que adorou! ;D

    Ótima sexta!

    Beijo! ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito, esteja certa.
      Um beijo e bom fim de semana.


      .

      Excluir
  5. Que texto instigante, um tema atual que vc escreve com poetice e sensibilidade como uma crônica do dia a dia.
    Bjs e ótimo domingo
    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom. Eu temia que meu
      "atrevimento" calasse pessoas
      sensíveis como você, minha amiga.
      De agora em diante tomarei bastante
      cuidado com os próximos trabalho para
      não decepcioná-la. Prometo.
      Um beijo e muito obrigado pelas
      palavras e pela presença.




      .

      Excluir
  6. Um texto escrito com a sensibilidade que o tema pedia. Gostei.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já morria de saudade da
      minha amiga Graça.

      Um beijo e boa semana.


      .

      Excluir
  7. Me gusta tu sensibilidad cuando escribes
    adoro tu idioma
    un abrazo

    ResponderExcluir
  8. Estoy contento con su presencia.
    Gracias por las palabras y el cariño.
    Un beso.



    .

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.