segunda-feira, 18 de setembro de 2017

SUANDO A CAMISA.

    Entrou e não encontrou onde pudesse se sentar, mas para ficar de pé podia escolher o lugar que quisesse. Então optou pela parte de trás onde ficaria à vontade nas redes sociais do celular. Entretido não percebeu o quanto de gente entrara naquele trem, mas o suficiente para uma garota, que não tendo onde se acomodar, se postar de frente à sua perna apertando, de leve, a vulva na sua coxa. Talvez não tivesse o propósito de fazê-lo, mesmo assim excitou-o a ponto de deixá-lo do jeito que ficou. Fingindo acessar o Whatzap como vinha fazendo, voltou para ela seus radares na intenção de saber se era ou não voluntarioso o contato de suas coxas na dele, da sua barriga no seu quadril e depois de um determinado momento, a dele na dela. Ninguém, além dos movimentos da locomotiva, os tirava daquela posição e só depois de concordar quando ela comentou sobre o calor que fazia ali dentro que o pobre rapaz relaxou e pela primeira vez na vida obteve um orgasmo em público e daquela dimensão, talvez com a permissão de quem também nunca tivesse gozado de tal experiência como ela naquele momento. 

- Nessas horas eu me lembro de um velho bordão que dizia; se a vida te dá um limão, que tal fazer dele um refresco?

4 comentários:

  1. Ual!
    Bendita
    Ins
    pir
    ação!
    \0/
    Bjins nosso(Meu e do Al)
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que não me recolham para
      tratamento, até porque é um conto
      e não mais que um conto o que eu
      conto.
      Beijos sinceros.

      .

      Excluir
  2. Devia ser um trem mesmo muito cheio

    ResponderExcluir
  3. Pura inspiração por aqui!!
    Adorei tudo...e vou conhecer aos poucos.
    Te seguindo,ok?
    abraços carinhosos meus.

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.