terça-feira, 30 de maio de 2017

O VELHO MASCATE

      Luiz Bolinha, como era conhecido, era mascate, um tipo de vendedor que saia de cidade em cidade oferecendo seus produtos. Era um tipo interessante, brincalhão, fascinante por assim dizer. - Um garotão -, como Zé Klein o definia. Bolinha não viajava sem antes preparar um plano de voo. Jamais deixou de programar o seu roteiro e quando dizia adeus a sua gente era sinal de que sabia para onde ir e o que fazer, em quais pensões faria as refeições e em que hotel descansaria o corpo. Luiz Bolinha tinha os Hotel reservados para os pernoites, mas esqueceu-se de um, por isso foi dormir de favor na casa de um velho aposentado que se prontificou tirá-lo daquele sufoco. Não fosse o agravamento da enfisema levar o velho ao posto de saúde e Luiz Bolinha teria dormido no banco da praça. Isso se Bruno e Marrone não estivessem dormindo lá. 
A casa do seu Neneu, velho que socorreu Luiz Bolinha, era bastante simples e o dono generoso por demais. O ambiente era humilde, mas limpo. O banheiro era digno de elogios. O lençol que recebeu para cobrir o colchonete cheirava a flor e a colcha tinha o perfume da bondade. Isso sem contar com o sorriso franco e generoso como jamais tinha visto. Depois de uma boa chuveirada o visitante se deitou ao longo do corredor sabendo que talvez atrapalhasse quem precisasse por ali passar, mas o cansaço cerrou seus olhos e dormiu. Dormiu até que os gemidos no quarto em frente o acordaram. Bolinha ficou sem saber o que fazer. Estava muito cansado, pingando de sono e mesmo não se esquecendo que estava de favor na casa de quem o tinha recebido como um parente, Luiz Bolinha se encheu de curiosidade. A cama no quarto ao lado fazia barulho e os gemidos eram de mulher. Uma dúvida, porém, baratinou Luiz; como aquele velho doente, como lhe pareceu, conseguia tal façanha? Que tipo de mulher seria aquela que transformava um velho asmático num garanhão? Bolinha cobriu a cabeça com o travesseiro, mas quando pensou que podia dormir, um grito agudo o pôs de pé. Luiz, esquecendo-se do sono e do cansaço, quis saber o que estava acontecendo. A voz que ouvia era de homem que pedia a mulher que o permitisse fazer com ela alguma coisa que o mascate não ouviu direito. Curioso, Luiz Bolinha tentou olhar através da fechadura, mas nada viu. Os gemidos e sussurros aumentaram até que um berro de prazer ou sofrimento antecipou o silêncio que se instalou nas redondezas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.