terça-feira, 30 de maio de 2017

O VELHO MASCATE

      Luiz Bolinha, como era conhecido, era mascate, um tipo de vendedor que saia de cidade em cidade oferecendo seus produtos. Era um tipo interessante, brincalhão, fascinante por assim dizer. - Um garotão -, como Zé Klein o definia. Bolinha não viajava sem antes preparar um plano de voo. Jamais deixou de programar o seu roteiro e quando dizia adeus a sua gente era sinal de que sabia para onde ir e o que fazer, em quais pensões faria as refeições e em que hotel descansaria o corpo. Luiz Bolinha tinha os Hotel reservados para os pernoites, mas esqueceu-se de um, por isso foi dormir de favor na casa de um velho aposentado que se prontificou tirá-lo daquele sufoco. Não fosse o agravamento da enfisema levar o velho ao posto de saúde e Luiz Bolinha teria dormido no banco da praça. Isso se Bruno e Marrone não estivessem dormindo lá. 
A casa do seu Neneu, velho que socorreu Luiz Bolinha, era bastante simples e o dono generoso por demais. O ambiente era humilde, mas limpo. O banheiro era digno de elogios. O lençol que recebeu para cobrir o colchonete cheirava a flor e a colcha tinha o perfume da bondade. Isso sem contar com o sorriso franco e generoso como jamais tinha visto. Depois de uma boa chuveirada o visitante se deitou ao longo do corredor sabendo que talvez atrapalhasse quem precisasse por ali passar, mas o cansaço cerrou seus olhos e dormiu. Dormiu até que os gemidos no quarto em frente o acordaram. Bolinha ficou sem saber o que fazer. Estava muito cansado, pingando de sono e mesmo não se esquecendo que estava de favor na casa de quem o tinha recebido como um parente, Luiz Bolinha se encheu de curiosidade. A cama no quarto ao lado fazia barulho e os gemidos eram de mulher. Uma dúvida, porém, baratinou Luiz; como aquele velho doente, como lhe pareceu, conseguia tal façanha? Que tipo de mulher seria aquela que transformava um velho asmático num garanhão? Bolinha cobriu a cabeça com o travesseiro, mas quando pensou que podia dormir, um grito agudo o pôs de pé. Luiz, esquecendo-se do sono e do cansaço, quis saber o que estava acontecendo. A voz que ouvia era de homem que pedia a mulher que o permitisse fazer com ela alguma coisa que o mascate não ouviu direito. Curioso, Luiz Bolinha tentou olhar através da fechadura, mas nada viu. Os gemidos e sussurros aumentaram até que um berro de prazer ou sofrimento antecipou o silêncio que se instalou nas redondezas.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

PARABÉNS PELA DATA.

    
     Hoje não só é o dia do seu aniversário como todos os outros o são para você, para mim e todo mundo.  De  uns anos para cá eu tenho dado graças a Deus por conseguir abrir os olhos para ver que  a vida ainda me sorri.  Ainda mexo os braços e as pernas, sinto o clima da casa, o cheiro do café na cozinha, assim como me levanto, ando e tenho fome.  Hoje, portanto, é o dia do meu aniversário, mas como já faz tanto tempo que o milagre acontece  eu não ligo mais ou digo que não ligo.  Tal acontecimento não é privilégio meu ou seu, mas da gente, dos bichos e da natureza.  Hoje, de verdade, o Milton César, meu gato, aniversaria como todo mundo, mas dessa vez é pra valer.  Faz muito tempo que ele viu, pela primeira vez, a luz do sol, da lua e das estrelas.  Viu a felicidade escancarada na cara dos pais quando chegou e, por fim, assistiu o começo dos dias, das tardes e do anoitecer, assim como sentiu e se deu conta do legado que recebeu; a vida.
     Do meu gato eu quero o primeiro pedaço de bolo e mais um dos seus belos sorrisos. Quero também que a sua felicidade seja o melhor dos legados que Deus já tenha dado a um filho.  Parabéns e aproveita a festa, porque ela é sua, enquanto a gente aqui, ali, e alhures, tem o privilégio de estar ao seu lado como seus amigos, seu pai e os seus amores.

sábado, 20 de maio de 2017

MARESIA.

   Tem gente que interpreta o sentimento das pessoas de tal maneira que só de ouvi-la eu fico todo arrepiado. Recentemente eu escrevi sobre o relacionamento que existe entre o homem e a mulher, e na minha explanação eu devo ter dito muito de mim e das pessoas que de certa forma dividem suas vida comigo. Na oportunidade eu dissertei sobre o simples e o complexo. Sobre as lagartas que comem a árvore onde moram e sobre a razão que faz mover o mundo. Também falei sobre as coisas que aparentam não serem importantes, mas que na verdade são as que ditam a velocidade do tempo. Uma dessas pessoas, cujo nome prefiro não declinar, falou-me da tristeza que maquio nos textos publicados no blog que visita com certa frequência.  Essa pessoa, sem nenhuma pretensão, reabriu a ferida que há muito eu achava ter cicatrizado.  Suas palavras eram de uma ternura semelhante a do mediador de sequestro prestes a imobilizar o inimigo. Foi desta forma, doce e gentil, que abriu as comportas onde veladas tristezas se mantinham sob a face serena das águas represadas. Diante dessa realidade eu me vi vazando minhas lágrimas sobre um textos que terminava. Chorei me confundindo nas concordância, trocando de lugar os acentos, os pontos, as vírgulas, assim como transfigurei minha cara  com o pranto derramado.
Talvez eu devesse me "analisar" para buscar o motivo da minha alma fazer tamanho alarde frente aos que têm o privilégio de ler nos gestos e nas palavras a euforia extrema ou a alegria exacerbada digna de quem não tem uma trilha por onde caminhar, como eu imaginava. É provável que a terapia  acalme o ímpeto das grandes ondas que tentam levar o barco do raciocínio aos rochedos ou ao fundo do mar como se lá fosse seu derradeiro porto.  Por isso o gosto da maresia nessas palavras

segunda-feira, 15 de maio de 2017

SABES POR QUÊ?

   Tu podes até dizer que não sou teu conhecido, teu colega, teu amigo, mas no fundo, no fundo, sou eu quem sabe o que verdadeiramente sou para ti. E se queres que eu te lembre não faças cerimônia pois eu ainda sou o vento que espalha a tua chama. A lágrima do teu pranto quando rola. O gol que te fez vibrar e a picada por onde a floresta dos teus desejos escapou. Eu não sou o sim ou o não, mas o talvez de todas as tuas incertezas. Eu sou as mãos que as tuas afagaram, a prece da tua fé, o remédio que te cura, a extrema-unção da tua tristeza e a alegria que te mata.
Eu sou, enfim, o que tu quiseres e o que não quiseres que eu seja.




quarta-feira, 10 de maio de 2017

SÓ SE FOR ASSIM...

   Não tenho prazer nenhum em falar que calei aquele que me ofendia. Que esmurrei quem me bater queria e para não colocar em suspeita a minha honra eu paguei uma conta que não fiz.  Não teria prazer algum dizendo ter desonrado algumas mulheres, mesmo que fosse mentira.  Que recebi troco a mais, que ajudei a dar porrada em um moleque que roubava uma velhinha e que eu tinha ensinado ao meu instrutor o que é ser cidadão. No entanto tem coisas que me enchem de orgulho como ser honesto, pagar minhas contas e devolver o que peguei emprestado.  Essas coisas fazem de mim uma pessoa diferente, pois, de certa forma, mesmo sabendo que pagando o que eu devo e devolvendo o que não é meu não passa de obrigação.  Não quero morrer achando que a minha passagem por este jardim foi em vão, por isso pretendo ensinar aos meus netos, caso seus pais tenham se esquecido, que ser direito não é errado e que ser honesto não é desonestidade.   Assim como vou dizer a eles que meu pai morreu sem saber como era ficar sem trabalhar. Sem saber o sentido da palavra cansaço e sem deixar que suas dores, que talvez o meu velho tivesse, tirasse dos seus lábios a doçura do sorriso.  Vou dizer que bondade não é sinônimo de bobeira.  Que evitar uma briga não é prova de covardia e que o amor, só o amor, lapida na rocha o seu nome. Assim, creio eu, todos serão felizes, como, acredito, o meu pai foi, eu sou, e meus filhos talvez também sejam.

sábado, 6 de maio de 2017

VISITA AO INFERNO.

    Não tinha um dia que a sogra não fosse várias vezes à sua casa. A qualquer momento, até cansada de uma longa viagem, ela ia perturbar a paz dos que sem a velhota iam melhor. As visitas constantes perturbavam o pobre do genro que para não ouvir os queixumes da esposa acabava engolindo os sapos de sempre. Quando alguém os visitava era a sogra quem dava as caras. Segredos não eram trocados naquelas dependências porque de orelha em pé a pessoa aparecia na maior cara de pau. Se alguém quisesse se esconder daquela criatura bastava ir a sua casa, lugar onde pouco ficava. Longos anos de angústia e sofrimento o rapaz passou com a presença indesejável que até de namorar a própria esposa da maneira que pretendia era impossível. A intimidade do casal era de certa maneira interrompida por quem batia na porta querendo falar sobre coisas que nem a ela interessava. Em um dos sábados quando se preparava para sentar-se à mesa com a família para o almoço, o capeta, em forma de mulher, apareceu. Felizmente foi vista antes de concluir o primeiro lance de escada. 
- A gente está almoçando, disse o genro fechando a cara. Quando terminarmos eu te chamo, completou sem olhar para baixo. A velha fingindo não ter ouvido continuou subindo até que foi impedida de fazer o que pretendia.
- Eu já falei que estamos almoçando e tão logo terminemos eu te chamo. Grunhiu enfurecido. Aí fechou o tempo. A velha começou a gritar e chorando dizia que a filha era dela. Que a neta era dela e que a casa  onde a gente morava também era dela. O genro que não queria que a família soubesse que estava acontecendo fez tudo para abafar o caso.  Disse saber que  não era dono de nada, mas que isso não vinha ao caso, mas que ela os deixasse almoçar em paz jurando chamá-la quando terminassem. Nesse momento a mulher e a filha, tomaram partido da coisa. Largaram seus pratos e foram abraçar a velha que chorosa se viu carregada para dentro, como ela queria, onde abraçadas choraram a "injustiça" do rapaz. Mais tarde a esposa, educada e compreensiva, entendeu os motivos da briga, só lamentou que fosse com a sua mãe, enquanto a filha, por quem daria a vida, há 15 dias não olhar para a sua cara. Enquanto a sogra não escancarou as portas do inferno não se deu por feliz. Isso nos garante que o diabo existe e o genro garante que mora na casa ao lado. Durante o tempo que a filha não fala com ele o diabo continua fazendo a ronda. Pelo visto a perturbação voltará a ser como antes, só a mocinha continuará fugindo do pai como o diabo apavorado foge da cruz.

terça-feira, 2 de maio de 2017

A FÉ NÃO COSTUMA FAIÁ.

  

   Eu costumo dizer que médico não tem, necessariamente, que examinar o paciente tocando no corpo dele, sorrindo de suas histórias ou conversando como se ninguém mais o aguardassem na sala de espera. Médico, como eu vinha dizendo, não está ali para agradá-lo, mas para melhorar o seu sofrimento ou, se possível, curá-lo da enfermidade.  Não adianta tratar o doente como se fosse seu amigo e deixá-lo do mesmo jeito que chegou, mas, se o profissional tiver como amenizar o sofrimento de quem busca os seus serviços e ainda por cima for atencioso e gentil, palmas para ele.  Por outro lado o paciente precisa ter fé em quem vai examiná-lo.  Ter fé nos que o cercam em seu leito e ter fé, principalmente no criador, porque, quando o doente acredita em Deus e nos profissionais a sua volta ele encontra conforto à uma possível melhora ou à hora derradeira.  Havemos de acreditar em quem cuida da gente,  em quem torce por nós e principalmente naquele que, sendo noite ou sendo dia, faça sol ou faça chuva, nos tem sob o seu manto sagrado.  Com fé o doente melhora se o médico não acertar com a medicação. Melhora com a enfermeira tomando o seu pulso, com o zelador nos pés da cama escondendo uma lágrima e até contraria o tempo de vida anotado no prontuário aos pés da cama. E quando tudo passar. Quando o sol apontar os últimos raios dourados do outro lado do mar e a dor der um basta ao sofrimento, mesmo assim o senhor haverá de estar por perto para fechar, pela última vez, os olhos do seu filho.