quinta-feira, 6 de abril de 2017

DIA 8 DE ABRIL MORRE PABLO PICASSO.

     
      Quando o mês de abril me bate a porta eu me recordo da importância que esse mês teve nos anos anteriores. Em um deles morre o pintor espanhol e em um outro um golpe militar derruba Jango da presidência. Nesse mês eu só não acho importante o dia 29, quando fico um pouco mais velho segundo os registros, mas me incomoda saber que um certo sujeito aparecendo do nada nasce antes de mim. Talvez essa pessoa esteja nesse momento com a nata dos seus amigos reunidos e por isso não dará importância ao que eu disser por aqui, e caso ele não se recorde da importância da data ou não se importar com o que eu disser, eu cá, no alto da montanha me manifesto, porque hoje é dia de festa.  Este mês Leonardo Da Vinci  e meu filho também aniversariam, mas quem já me viu falar do nascimento de outra pessoa senão daquele de quem eu me lembro a qualquer dia e a qualquer hora?  Eu nunca pedi um abraço a Da Vinci ou teria pedido ao meu filho que viesse me visitar, mas pedi, sem vergonha e nenhum constrangimento que o meu irmão, como ele se refere a mim, esquecesse os mosquitos na orla onde mora e viesse me dar esse abraço, um beijo, e como prova de sua amizade gargalhasse gostoso, como costuma fazer.  Digam o que vocês quiserem dos dois.  Falem o que acharem que devem de um ou do outro, mas não neguem a felicidade que os caras estampam na minha cara com a sua presença.  Al, você é meu irmão, meu amigo e fiel camarada.  Jamais eu teria dito que morreria por você, mas se depender de mim a gente sequer adoece.  Parabéns, camarada e feliz aniversário.  Caso o seu abraço me venha envolver esse corpo que teima em manter-se de pé, saiba, que você é a pessoa mais importante que eu tenho na vida, mesmo que eu tenha de discutir com  os outros o teor da questão.