sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

GAROTA COBIÇADA.

     Expus na página desse blog, um dia desses, o desespero de uma querida amiga depois de se deixar beijar por uma mulher. Está na cara que eu adoraria perguntar se o beijo tinha sido tão ruim a ponto de deixá-la daquele jeito, mas não o fiz por respeitar a sua angústia. No outro dia me apareceu uma garota questionando o fato: - E se fosse a sua filha que beijasse outra menina? É obvio que em respeito a minha pequena leitora precisei voltar ao tema, mesmo sem perguntar se no seu modo de pensar a minha filha teria ou não gostado do citado beijo.
 – Minha jovem, eu não devo e não vou me desesperar com um fato desses, já que eu precisaria, primeiro, ouvir a minha filha para entendê-la. O fato de ter beijado outra garota não quer dizer que ela seja gay, homossexual ou lésbica – não me importa o nome que você queira empregar. Esse tipo de relação entre meninos ou meninas do mesmo sexo é muito natural enquanto jovens. Essa garotada é motivada não só pela curiosidade como pela sexualidade que grita no seu interior e que é próprio da idade, como eu havia dito. Quem me garante que não querem se mostrar para as pessoas de suas relações? Isso não quer dizer que a sua preferência não seja de se relacionar com gente do mesmo sexo, mas também ninguém garante que não decidirá pelo sexo oposto o que é mais provável. Espero que tenha respondido a sua pergunta assim como também espero que minha amiga tenha se decidido.