sábado, 3 de dezembro de 2016

SONHO DE MENINA.

    Chorou a noite inteira a morte daquele homem.  Quando menina esse cara era o mocinho dos seus sonhos, seu príncipe encantado na adolescência para mais tarde ser seu macho, seu capacho, razão do seu sorriso.  Ele era um sujeito bronco, mal educado, violento.  Seu jeito abrutalhado espantava qualquer pessoas, mas no fundo as mulheres o tinham como um verdadeiro macho e talvez não existisse uma que não o tivesse desejado em sua cama. Quando passava todos viravam a cabeça para olhá-lo e buscando disfarçar a curiosidade as mulheres faziam cara de nojo ou cochichavam umas com as outras.  Os homens, que também o olhavam, exaltavam as qualidades que achavam negativas nele.  No fundo no fundo, essa gente também o invejava.  Talvez esse cara não soubesse o poder que exercia naquelas redondezas e por não sabê-lo, talvez se comportasse com desleixo como diziam que fazia. Desde os sete anos, Martinha, que vinha sendo criada pelos avós desde a morte da mãe, ouvia falar do gigante que nas madrugadas entrava nas casas e roubava as meninas bonitas do convívio da família, e só as devolvia depois de fazê-las feia. Quando avisavam que tal pessoa passava na frente da casa, Filhinha não corria para se esconder, mas para espreitá-lo e tirar, ela mesma, as suas conclusões. - Não, esse moço não é o que andam dizendo, até pelo contrário, tem dentes bons, queixo quadrado com cova, cabelo preto escorrido até os ombros e um olhar que mais parece uma faca, tal a certeza do corte.  
Os dias corriam  para fugir das noites enquanto Martinha crescia.  Crescia e sonhava e em cada um de dois sonhos, o gigante bonitão estava presente.  Tinha vez que a pegava de dentro do seu quarto e a levava ao seu esconderijo.  Lá o grandão se arrumava todo.  Penteava os cabelos, escovava os dentes e a levava a passear pelos bosques da cidade.  Pegava qualquer fruta que ela apontasse com os olhinhos amendoados e quando acordava sentia na face um quê de vaidade. Todos os rapazes do bairro cortejavam a moça, mas nem esperanças a criatura deixava que dela tivessem, até porque, precisava estar pronta para o seu gigante que bastava se deitar para dormir que ele invadia o seu quarto, a tomava no colo apertada junto ao peito e saíam a lugares que hoje já não importa saber.  O importante é que ao raiar do dia estava novamente em sua cama de onde seu amado a tinha pegado, inclusive bem mais bonita do que diziam que as meninas ficavam.