segunda-feira, 3 de outubro de 2016

DOIS PESOS
(Antonio Tabet)

          Dois amigos - até sabe-se lá Deus quando - argumentavam:
- Foi golpe.
- Não foi golpe.
- Foi golpe.
- Não foi golpe.
- Foi golpe.
- Não foi golpe.
- Foi.
- Não foi.
- Foi o que então?
- Impeachment.
- Armado pela oposição.
- Que até outro dia era situação.
- Ainda é situação.
- Então não foi oposição.
- Que situação!
- Que vocês elegeram.
- "Vocês" uma ova! Eu votei na Dilma.
- E no Temer.
- Eu votei na Dilma.
- E no Temer.
- Mas votei nela pra presidenta.
- Presidente.
- Presidenta.
- Presidente.
- Presidenta.
- Presidente.
- Presidenta Dilma.
- Vice-presidente Temer.
- Vice não é presidente.
- Agora é. Presidento.
- Tirar a Dilma é fácil.  Quero ver continuar com a Lava-jato.
- Continuaram.
- Continuar com a Lava-jato é mole.  Quero ver o manter o Bolsa-Família.
- Mantiveram.
- Manter o Bolsa-Família é tranquilo.  Quero ver nomear mulher para cargo com status de ministério.
- Nomearam.
- Nomear mulher para cargo com status de ministério é obrigação.  Quero ver acusar o Lula.
- Acusaram.
- Acusar o Lula é previsível. Quero ver acusar o Lula sem dizer que não tem provas mas tem convicção.
- Mas não disseram!
- E não disseram que iriam cassar o cunha também?
- Cassaram o Cunha também.
- Mas a Dilma foi eleita democraticamente.
- O Cunha também.
- Mas a Dilma não inventou a corrupção.
- O Cunha também.
- Mas a Dilma foi julgada por um plenário corrupto e sem moral.
- O Cunha também.
- Mas tirar a Dilma não vai acabar com a corrupção.
- O Cunha também.
- Mas nele foi justo.
- Ele diz que foi golpe.
- Mas não foi golpe.
- Ele diz que foi golpe.
- Mas não foi golpe.
- Foi golpe.
- Não foi.
- Foi.
- Não foi.
- Foi.
- Não foi.
- Não foi o quê?
- Não foi golpe.
- Pronto.  Concordamos.
- Golpe baixo.
- O do Cunha também.