terça-feira, 7 de julho de 2015

BOM DE CAMA...

Talvez alguém já tenha tido vontade de ficar deitado o dia inteiro e se não encontrasse resistência,  de permanecer calado o resto da vida.  Isso é o que eu mais queria no momento. Sabe quando você acorda achando que colocaram o planeta terra sobre o seu estômago?, pois foi isso que aconteceu comigo a partir do instante em que, pela manhã, eu abri os olhos e  tentei tirar meu corpo de cima da cama.  Continuar deitado olhando o teto como se quisesse contar os caquinhos de vidro que simetricamente ornam o lustre talvez não fosse um meio,  muito menos seria isso uma saída. Resmungar o passado ou lastimar o leite escorrido também não deveria ajudar tanto.  Portanto, ficar olhando para cima na busca do sono que você dormiu, certamente não faria algum sentido. O que poderia uma pessoa que demonstra retidão de caráter fazer se no momento estivesse prestes a  ter seus valores questionados? Essa pergunta deve debitar do meu ativo uma bela parcela da minha credibilidade e se eu fosse um cara que pregasse a coerência pelos quatro cantos, redondos, do mundo teria preferido a morte ao invés de alardear tamanha vergonha aos meus amigos. Quero muito que o dia acabe, que a semana passe logo e que o fim do mês não se arraste para chegar. Quero ou pelo menos desejaria ficar algum tempo sozinho para ver se encontro a ponta do retrós que alinhava a vida serena e tranquila que eu vinha tendo para que de pé eu possa olhar por sobre o meu próprio nariz e vislumbrar o caminho que, com um ótimo humor, eu tinha traçado e se assim não fosse, certamente dele questão eu não faria.