quinta-feira, 14 de maio de 2015

UM MANTO PARA A VIDA
E PARA A MORTE.

      Sabe quando um manto negro cai por sobre o seu corpo e você não vê outra saída senão pensar na morte? Pois é. Foi o que Armando me contou ter acontecido com ele anos depois de se mudar com a mãe para o Canadá aonde deu um jeito em sua vida. Foi no dia de ação de graças, que é considerado como o dia da gratidão e por isso se reza e faz festa pelo que de bom tenha acontecido durante o ano, que Armando apareceu na intenção de agradecer a Deus por ter lhe dado força, boas ideias e coragem para enfrentar a vida longe de sua terra como fez. Já eu achava que o cara tinha tomado tal atitude por achar que tudo o que estava acontecendo não passava de um sonho ruim, um pesadelo e que sua mãe na verdade não vegetaria pelo resto da vida como adiantou o neurologista ou partiria de braços com a morte para não prender ninguém ao sofrimento como deixava acreditar o pregador e o próprio Armando confirmou ao celular. Sozinho entre tantos ele rezou, não para agradecer o sucesso da jornada, mas para pedir ajuda aquele que sofrer sem razão não permitia que filho algum sofresse. No dia seguinte Armando era outra pessoa.  Passou a se calar no momento da dúvida e a rezar no instante da dor. Antes, numa situação igual a essa, Armando blasfemava contra Deus e sua criação, mas agora, pouco tempo depois, já demonstrava entender que ao nascer assumimos um compromisso com a volta, e morrendo cumprimos com a promessa.  Armando continua morando fora. Talvez já não sorria por qualquer motivo ou razão, mas continua sorrindo quando tem chance e chorando quando a saudade vem.
      Dias desses eu fiquei sabendo que o mesmo Deus que tirou o sorriso dos seus lábios, do qual eu tanto gostava, também secou dos olhos dele as lágrimas que eu jamais pensei que alguém chorasse, e fez isso ao permitir que Armando encontrasse o tesouro que encontrou nas escavações que fizera pela vida afora. Ele, o tesouro, traz nos olhos o doce da bondade e no sorriso a alegria das crianças.  Talvez não tenha ele a idade que teria sua filha se ele a tivesse, mas também não tem a idade da sua mãe, mesmo se ainda a tivesse ao seu lado. O tesouro é de fato um tesouro em sua vida e será em agradecimento a Deus por sua condescendência que ele irá à festa da ação de graças este ano e a todas as outras que virão, se ele assim o permitir.