terça-feira, 7 de abril de 2015

UI!!!

Sem sucesso eu te procurei na  minha casa, no meu quarto e por fim, nas minhas 
vivas  lembranças. Fazia tanto tempo que você chutou a minha bunda que até  a marca do teu sapato nela cicatrizou. Agora, tantos anos depois,  eu finalmente encontro forças para estufar  o  peito, erguer  o queixo e seguir em direção que indicar o meu nariz. Entretanto, se eu parar de caminhar, por qualquer motivo ou razão, por favor, não se aflija porque não será por doença ou cansaço, mas por me dar conta de que naquele tempo, quando eu achava que tudo era nada 
e nada valia coisa nenhuma é que eu de verdade era feliz. Era muito feliz, só que, por motivos que não saberia explicar, também não conhecia a exuberância 
dessa tal felicidade.