sexta-feira, 12 de setembro de 2014

BATE BOCA OU NA BOCA?


Eu sei que algumas mulheres, talvez por não serem tão exigentes, me olham
com olhares desejosos da mesma maneira como sei que alguns homens olham para aquela que me acompanha.  Tem vez que o olhar que me enche de orgulho é o mesmo que me envergonha, principalmente se estou com minha companheira. Do alto da minha vaidade, dependendo do jeito como sou olhado,  eu incho como um gato quando  acarinhado. Do mesmo jeito percebo o olhar dos rapazes apontando na direção errada, quer dizer, na direção do que não lhes pertence, senão a mim. Eu finjo que não vi e me calo quando tal fato acontece, mas me chateia da mesma forma como as mulheres chateiam a minha com seus excessos.  Ontem, no restaurante que escolhemos para jantar, a  minha convidada demonstrou interesse em trocar de lugar comigo. Ela ficou aonde eu me sentava e eu aonde ela estava e só então pude ver  uma pessoa que não respeitando a garota com quem jantava debruçou seu olhar pra sobre a minha com desejos libidinosos.
Terminado o jantar que foi ótimo, por sinal, e saímos, mas não sem antes saborearmos a sobremesa e o café.
-Eu tenho um filho, como você deve ter seu marido ou pai que sai no calço do irresponsável e o chama às falas. Olhar para a sua mulher, pode. Desejá-la, também, mas é preciso ser discreto. Daí a se tornar inoportuno, vai uma  grande distância.
-Tem gente que bate e outra que até apanha por isso, se é que cobiçar a mulher do próximo deixou de ser um dos pecados capitais para se tornar apenas isso, como falei.