quinta-feira, 28 de agosto de 2014

HOJE É DIA...

 Eu queria muito os meus amigos aqui, agora, neste momento junto de mim. Eu os queria sorrindo como 
na maioria das vezes, principalmente quando brindamos uma conquista ou simplesmente por notar, no final do túnel, a luz que nos permitiu escapar da escuridão. Eu queria esses caras debruçados nos meus olhos com os seus dizendo o que eu gosto de ouvir, mas, enfim, nem tudo é como a gente gosta, pensa ou quer. Tem amigo que escolhe as suas amizades e tem os que são escolhidos. Eu escolhi os que provaram me amar e por eles me vi, também, apaixonado. 
Essas desencontradas linhas, como diz a minha avó, têm o propósito de, nesta data, registar o dia do amigo, da mulher com quem casei e dos filhos que nos braços embalo, ainda. Hoje, como ontem e também amanhã e depois será por mim comemorado o dia dessa gente. Gente que chega junto, que dorme segurando o meu cabelo e me deixa chamá-la de anjo. Gente que sem vergonha ou sem medo, sem mágoa ou dor, gargalha enquanto caminhamos a perigosa estrada do respeito e da felicidade.  Parabéns a você, meu amigo. A você, meu anjo e aqueles que me fazem tão bem, como eu gostaria de ser para também fazê-los.