quarta-feira, 13 de agosto de 2014

DEUS E O DIABO OU VICE-VERSA?

       
            Há bem pouco tempo um mulato alto, de meia idade, meio forte, meio gordo, feio à beça e que dizia ser pastor de uma congregação, foi preso e parece que ainda está, por tosquiar, não uma, porém várias de suas ovelhas sob ameaças diversas, assédio psicológico, sexual ou em nome de Deus.  Esse fato constrangeu muitas pessoas, mas não tanto quanto constrangidas ficaram aquelas que vivem somente para o templo onde cultuam sua fé.  O fato aconteceu numa das maiores cidades do país onde o povo tem acesso a cultura  e a informação.  Agora você imagina o que não deve acontecer longe dos grandes centros onde pouco se sabe e de tudo se tem medo. Eu fico pensando naqueles, felizmente poucos, pais e mães de santo. Em alguns pastores, certos padres e numa meia dúzia de quatro ou três religiosos de outras crenças que não se contentam com o que são e com o que têm, por isso levam a sua infelicidade aos  lares desses poucos pobres coitados chegando, alguns, a transarem com as fiéis sob pena de punição.  O sexo é a razão da vida, mas tem vez que também motiva a morte. 
Na igreja católica o padre vive para Deus, mas pode gostar de homem, gostar de mulher ou tanto faz, se guardar segredo.  No espiritismo não é diferente. Só na igreja evangélica é que bicho pega. Lá o homem tem que ser homem e a mulher, mulher.  Nada de misturar as coisas, pelo menos às nossas vistas. Eu frequentei a igreja católica enquanto menino e depois de homem, mesmo que por pouco tempo, não perdi sequer uma sessão no Centro espírita do Sr. Mendes, já falecido, aonde eu ia com a minha mãe. Já na igreja evangélica eu acho que fui três ou quatro vezes.  Nela eu nada vi que a desabonasse a não ser a certeza de que as pessoas que não têm uma calça para vestir e um par de sapatos para calçar não podem adentrar a li.  
-Eu mesmo já fui barrado quando quis assistir a performance de uma criança a convite dos pais por estar vestindo  bermuda e calçando chinelo.
     A reforma judiciária haverá de criar uma ferramenta que iniba o ataque daqueles que usam a palavra divina para usurpar a dignidade, a decência e os bens dos desesperados já que os mais abastados se defendem com o discernimento e as informações que têm.  Esses quesitos  mantém a minoria livre da esparrela aonde os pobres, doentes e desacreditados caem.
     O amor existe para ser sentido e dependendo da combinação de caráter, da igualdade de cultura, idade e gênio, para ser dividido em iguais proporções entre um homem e uma mulher livres de compromissos e com isso criarem novas vidas mantendo o mundo como está, 
quiçá, melhor.
     Esqueçamos, pois, as cadeias e as penas de morte, assim como devemos esquecer os que fazem de um tudo para serem reconhecidos, como deus ou como diabo.
(Imagem da Internet)