sábado, 12 de julho de 2014

EU QUERIA TE DIZER...

         Talvez alguns dos meus leitores pudessem pensar que o padre e a menina que completava 19 anos, fossem amantes ou seriam num futuro não tão distante, mas eu posso adiantar que tal fato dependeria muito de certas circunstâncias.  Talvez se todos fizessem abstinência ao sexo, como a igreja deseja que o padre faça, a terra estaria livre do seu mais ferrenho predador.  Com sua extinção muita coisa prosperaria, enquanto outras tantas deixariam de existir. Portanto, existe, sim, a possibilidade de ambos, o vigário e a fiel, desenvolverem um sentimento proibido entre si, já que, um somente é abstinente.  Ninguém, por melhor e mais forte que acredite ser, tem condição de mudar o ecossistema.  O homem precisa da mulher e ela dele sem abstinência para sustentar a espécie. Fosse, portanto, o mundo administrado pelos que viram as costas para o sexo, tão somente, e ele fecharia para balanço.  Outras vidas, no entanto, prosperariam com a extinção do homem, seu predador mor, porém muitas outras deixariam de existir na terra por falta dos seus cuidados. 
Ontem, mesmo que poucos possam acreditar,   amanheci com  gosto de cabo de foice em minha boca. Isso porque liguei algumas vezes para um amigo que teimava não responder às minhas ligações. Hoje, depois do almoço, fiquei sabendo que o sujeito se trancara em si com a morte da irmã, já que um truculento golpe da morte a transladou  para o outro lado do muro da vida. Não estava doente e muito menos deu sinal para saltar naquele ponto. Foi, portanto, uma fatalidade a ceifa de sua vida. Com isso ficou o meu amigo desnorteado, sem rumo e um ombro para chorar, enquanto eu, com os meus dois à disposição, não sabia onde acha-lo.
Espero que volte da sua solidão e se quiser chorar sem que lhe digam nada, eu lhe dou meu ombro que há muito lhe pertence, e a sua família, que amo na hora da tristeza e adoro nos momentos do riso farto e da alegria. 
 - Força, homem! 

 - Força, amigo.