segunda-feira, 7 de abril de 2014

UMA VARANDA NO ALTO DA MONTANHA.

Depois que a atriz Lucélia Santos declinou motivos para 
andar de ônibus na reportagem da revista o globo, foi que 
 resolvi deixar o carro na garagem pelo menos duas vezes na  semana.  Acredito que esta iniciativa tenha sido a mais importante das que  tomei  nesses últimos meses, pelo menos aprendi muito com o que vi em tão pouco tempo.  
 Ontem, para que vocês tenham uma ideia,  uma senhora embarcou com uma criança de colo  no busão em que eu estava  e como não havia onde se sentar, é claro, ficou de pé, até que o motorista se levantou e disse que somente quando a mãe e a menina se  sentassem  ele daria partida no veículo.  Antes de terminar o que dizia a mulher se acomodou no lugar de uma adolescente que, com cara de débil mental,  se levantou de onde fingia estar dormindo. 
No primeiro dia da semana um idoso fez sinal e o carro só saiu do ponto em que parou para pegá-lo quando o  condutor teve plena certeza que o passageiro estava seguro no lugar que escolheu para sentar. 
Quanto a faixa de pedestre ser respeitada ou não, eu fico com a primeira opção. Não sei se é por conta do Luciano Huck se esconder com sua banda para premiar aqueles motoristas que respeitam as leis do trânsito ou se por educação que esses caras  procedem dessa maneira. Essa gente que usa o volante para o seu ganha pão ou viés do seu fazer não  ultrapassa a faixa  quando em uma de suas cabeceiras tem alguém se projetando para atravessá-la.  Por aqui e em qualquer outra cidade do interior, acredito, a educação e a cortesia ainda resistem aos arroubos dos mal educados.  Só espero que o esforço que o governo do Estado vem fazendo para sufocar a bandidagem na periferia das grandes metrópoles não os mande para cá porque aí as coisas podem mudar  e se mudar, com certeza, não será para melhor.