quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

VOU ABRIR A BOCA, MAS NÃO PARA COMER.

Eu ainda vou bolar uma pauta e me enfurnar 
  com o meu gravador para registrar os momentos mais 
confusos da sociedade em que vivemos. 
Na lista constarão certos elementos da política, times de futebol, principalmente o meu Flamengo tão querido, sem me esquecer do Vasco e do Fluminense na segunda divisão, ou não. Quero falar sobre as redes sociais, sobre as dietas de emagrecimento, sobre pessoas que dão palpite na vida dos outros esquecendo a sua e principalmente das religiões se devemos tê-las ou não, e se devemos, o que elas teriam para nos dar se a fé ajuda aquele que a tem e não aquele para quem rezamos. Toda vez que alguém reza para outra pessoa eu não sei se a outra fica boa, mas quem rezou melhorou em muito. A oração traz paz, melhora a respiração e o fluxo sanguíneo de quem reza. É como se o cara fizesse Yoga, diria 
o velho Palhaço Poeta.
Com relação aos políticos eu jamais diria que Genuíno fala para os melhores cardiologistas que o acompanham que está às portas da morte com uma pressãozinha igual a que acomete o trabalhador que paga os altos salários dessa turma e não se queixa. Também não gostaria, mas preciso falar nos clubes que não pagam os seus jogadores que por acaso e não por represália deixam a galinha dos ovos de ouro dos cartolas descer para a segunda divisão. Outros acordam a tempo de salvar o barco que faz água, como o Flamengo, que foi quase rebaixado, mas voltou campeão em outra competição. A ponte preta, fazendo o que pode, já tirou a cabeça fora d'água, mesmo tendo perdido parte do rabo. Quanto as redes sociais sabemos que todos os dias surge uma nova. Começa bem, como o Orkut durante alguns bons anos, depois vem aqueles malas para deturpar a coisa e levá-la para onde foi.  Assim vai o Facebook, o Blog e quem sabe o Instagram?  
Quanto a alimentação, aqui em casa o glúten não tem vez. Tudo é feito sem trigo ou se manipula a massa com genérico da farinha, como no caso do macarrão, dos pasteis,
dos bolos e afins. Todos nós estamos secos, na pele, no osso
e na disposição o que contraria aqueles que dizem que magro não tem saúde, ereção ou disposição para o trabalho.