terça-feira, 23 de julho de 2013

VIDA ETERNA ou FIM DO MUNDO?

  
                Todos os que anunciaram o fim do mundo 
nos enganaram com suas convicções, menos os que se calavam por acreditar que a vida se descobre na atitude das crianças. 
        Algumas meninas na faixa dos cinco anos passam uma boa parte do seu tempo brincando com o que no futuro seria a porta de saída ou de entrada de uma nova vida, seu  filho. Brinca com os botões que depois de florir amamentarão para dar continuidade à vida, e faz isso por desconhecer a maldade dos adultos ou o pecado dos mal-intencionados.  Esta é a prova de que nem sempre quem cala se omite ou consente. Criança, cuja inocência renega as marcas da cinta e o grito da morte é  criança sem medo da sorte, do purgatório ou do pecado. 
Ser criança a vida inteira não seria impossível se o mundo fosse mais puro, mais santo.  
Eva e Adão teriam sido eternas crianças não tivesse aquele fortuito caso acontecido. Pecado que mudou suas vidas e as dos seus filhos, meus irmãos. 
No  instante em que se descobriram nus foi quando o pecado se materializou nos gesto, nas palavras e no sofrimento. 
        A inveja, o desejo do alheio e as mentiras os levaram aos traumas e aos tabus não desvendados. 
      Enquanto esperarmos por uma possível colisão entre um asteroide e a terra, o ser humano, ainda criança deixará de carregar nas suas pequeninas mãos o perfume da fábrica que procria e do órgão que 
ajudará nessa formação. (Foto da Internet)