segunda-feira, 1 de julho de 2013

SIMPLESMENTE EXAGERADO.



        Eu conheço gente atrevida, audaciosa, maluca, tipo a seleção brasileira que infligiu tão bela surra aos espanhóis conquistando a copa das confederações.  Mas tem aquelas que vão do singular às raias do exagero exacerbado. Conheci, por exemplo, na época em que eu praticava o paraquedismo, atleta que enlouquecia a plateia  com curvas e cambalhotas numa altitude nunca acima de dois mil pés, o que é proibido pelo  confederação, mesmo que um par de paraquedas fosse a rede de proteção presa às suas costas o que não tira a possibilidade de prováveis falhas do equipamento ou a dificuldade na  aterrissagem.  Vi jovens que não tinham onde cair morto se atreverem com mulheres ricas e bem casadas só para tirar vantagem. Vi, no ginásio de nossa casa, minha irmã   nocautear um jovem de 15 anos que mais tarde se tornou campeão pan-americano de boxe e também vi mulher amarrada em uma roda de madeira que servia de alvo de facas para um desconhecido atirador. Eu já vi, mesmo sem muita idade, o suficiente para acreditar que o ser humano é o mais afoito, indomável e inconsequente dos animais, pois vive ou morre em busca dos seus limites, sem falar naqueles que perdem a vida sem encontrá-los.
Depois de todo este falatório eu não poderia esquecer aqueles que, mesmo sem conhecimento de causa, se propõem indicar os melhores pratos, as melhores vitaminas e os megas suplementos que acreditam dar a quem opta pelo seu uso a longevidade pretendida ou conservar a saúde a quem se entrega a este ou aquele tratamento. Entre muitas loucuras tem aquela que diz que o pão integral é bom para a saúde, o que não é verdade e
comer mais de três ovos por semana não é de bom alvitre. É loucura dizer que comer gordura faz mal e o óleo de soja ou principalmente o de canola, cuja planta não existe, também é saudável. Inclusive o nome canola nada mais é senão a sigla de uma alteração genética.  A gordura, se interessar alguém saber, é indispensável para manter saudável o corpo ao invés dos óleos que o matam. Vocês se lembram de seus avós e os pais deles? Então, nenhum deles era gordo antes da descoberta dos óleos. O modismo é que nos fez obesos, não a mim que leio e escuto os que se entregam à matéria e atualizados fazem dela uma bandeira ou um meio de vida.
E para terminar, tem os que se acham mais homem que qualquer macho ao se entregarem às drogas e entre uma overdose e outra tremem no fio da navalha enquanto eu, para não ser diferente, como e bebo o que o meu corpo permite, mas não deixo de brindar a saúde dos meus amigos com as drogas que a sociedade teima chamar de lícitas.

Portanto, bebamos a isso.