terça-feira, 25 de junho de 2013

TENHO TODOS OS TAMANHOS, CHEIRO, FORMATO E COR.

          
Sou, como pode ver, um brinquedo erótico, grande, bonito, sedutor.  Fui criado e lapidado pela sutileza da mulher ousada e nas mãos  das indecisas sou veneno, nitroglicerina pura, a overdose da festa. Uma  vertente que me permite o que achar melhor, por isso, em poder da mulher certa eu lhe darei carinhos tântricos, sem limites, de longa duração sem que eu  barganhe a recompensa ou imponha pagamento. Inflado eu  a levarei ao céu e ao inferno embarcado num segundo, mas aconselho o meio termo até saber quem de verdade você é. Se não for muito exigente eu posso ser seu rei, mas se 
fizer questão me tornarei seu súdito ou seu escravo, 
seu consolo, seu conto de fada ou uma 
tragédia Shakespeariana agitando a sua vida. E por 
não ser contra indicado  também posso melhorar a sua pele, dar brilho ao morteiro dos olhos, viço e luz aos seus cabelos, descontrair para deixá-la plenamente relaxada, extasiada e sem falar na jovialidade que eu daria ao seu sorriso.  Sou, portanto, às vistas daquela que gosta e vive o amor em  sua plenitude, um instrumento a postos à todas e quaisquer intimidades, sem doenças e só engravidar com a permissão da família, do marido ou seu próprio atrevimento.  
Eu sou aquele que chega à desfaçatez de se entender multifacetado, talvez por ser movido à pilha, pilha de sentimentos, à toques  maliciosos, à cheiro de sexo, libertinagem e pecados inconfessáveis. Entretanto se você preferir tudo junto e 
misturado,  talvez eu me transforme em uma fera, transcenda o natural e o pernicioso, tipo mortal, num simples estalar de dedos e  então num belo  macho engalanado,  um irresistível cafajeste e em um verdadeiro garanhão me transformarei para atender a todas as suas loucuras. E dependendo desse seu atrevimento 
eu agirei com os dispositivos da sedução tal qual a maresia perfumando o mar e  a brisa fresca que colhe o pólen e fecunda a flor. 
Eu serei o que você quiser, quem sabe um doce para ser roubado de uma festa ou a cela limpa e perfumada de um convento.   Sou, como você mesma pode ver,  programado para mulheres de fino trato, sou inteligente como um snapdragon, sou bonito como dia de domingo e viciador como krokodil, óxi ou crak, que alucinam. Falo com desembaraço, dou conselhos, companhia para viagens, faço graça ou escândalo em busca do silêncio. Sou marido, sou pai e filho ao mesmo tempo. Sou compulsivo sexual,  respeitador e só falo a verdade mesmo que eu tenha que mentir.
 Tenho como armas o abismo sinuoso do olhar, a exuberância das  mãos e do nariz, sem me esquecer o obelisco dos meus pés. 
Sou zangado nas horas erradas e gentil fora dos conflitos.  Sou, portanto, o que você poderia chamar de mordaz. Sou sua medida, seu número, seus desejos resolvidos.(foto da Internet)