quinta-feira, 30 de maio de 2013

VIVER A VIDA.

Ninguém poderia acreditar que aquele cara trepado no teto do seu carro, Corolla, cobrando das autoridades uma vaga no hospital da cidade para internar um doente de cujo nome nem ele sabia fosse esse cara pacato que mal abre a boca pelas causas  próprias, mas que sofre pelos menos favorecidos e sai na porrada se a injustiça é feita às suas vistas. Este seria um  exemplo a ser seguido.  Muitos têm como resolver problemas difíceis, mas poucos se prestam a descruzar os braços. 
O ser humano não nasceu para viver sozinho e quando tenta vê morrerem os sonhos, os projetos mirabolantes e a chance de amar e ser amado.  Por isso a sociedade com suas regras, seus privilégios e suas obrigações nos leva a respeitar os diferentes e a considerá-los iguais como eu sei que são.  
Eu tenho lido sobre jovens que mesmo na pobreza lutam por ideais. Alguns estudam sem tempo e dinheiro, enquanto outros têm tudo isso e não não atentam para o futuro. Por falar em saber viver com pouco eu me recordo de uma mulher ter comprado  um terreno e nele construído seu barraco aonde viveu com o marido e criou 4 filhos. Hoje essa pessoa é dona de algumas casas que são alugadas enquanto vive os restos dos seus dias em um bairro próspero tendo por perto os filhos formados em faculdades públicas.  Em contrapartida eu assisti a uma cena de deixar cair o queixo. Um velho metido a saber tudo, menos a lidar com dinheiro, recebeu um telefonema de alguém que fingia se passar por seu sobrinho. O velho, boboca, perguntou se era o Emanuelzinho e a voz, é claro, disse que sim e que precisava de 500 reais para rebocar o carro que enguiçara.  O velho seguindo as instruções carregou no comércio mais próximo os cinco celulares cujos números o "sobrinho" passou para ele. Meia hora depois o "garoto", descobrindo a facilidade que teve, voltou a ligar pedindo mais cem reais  e outro celular foi abastecido de crédito já que 600,00 seria  o preço cobrado pelo dono do reboque e não 500 como afirmara antes.  Feliz por atender o pedido do filho de sua irmã, que não via fazia tempo, o velho voltou à casa e dormiu o sono dos justos. Aí é que entra o palhaço poeta dizendo; para que bobo quer dinheiro? 
Voltando ao assunto que me trouxe aqui eu vejo uma garotada sacrificando a juventude para ser alguém. São meninos que não têm tempo para brincadeiras, para namorar, ir ao cinema ou jogar bola. A ideia é deixar para os filhos a vida fácil que não tiveram enquanto abrem mão do básico e do indispensável por um futuro menos difícil.  Futuro que esconde no passado o melhor de suas vidas e isso talvez os tornem frios no exercício da medicina se médicos se tornarem, brutos se policiais ou amargos se na cátedra de uma sala de aula debruçarem os seus conhecimentos. 
 Nem todos os Joaquins Barbosas que se prezam são justos por terem vindo da pobreza. São santos por terem sido resgatados da marginalidade ou são amigos por terem recebido ajuda quando mais precisaram.
Talvez essa diferença seja de fato o divisor de águas, haja vista que as diferenças são, sim, fundamentais pois com elas são possíveis as cores do arco-íris, os dias ensolarados e as noites de lua cheia, o bem que se quer e o mal que nos mata para recomeçar. 
Enfim, um, sem o outro, não tem valor.

12 comentários:

  1. ...a verdade é que cada um
    é um...cada cabeça uma
    sentença, e na virada
    somos todos iguais
    neste hospício
    escola!

    felizes os que se adaptam
    às loucuras, e dessas,
    saem muitas vezes,
    'ganhadores', de quê?

    bjs saudosos!!!

    ResponderExcluir
  2. Acredito que a vida em si é um palco de diferenças que a gente tem que a todo momento aprender a conviver.
    bjss

    ResponderExcluir
  3. Oi Silvio,

    Gostei muito do seu texto. Realmente a vida é feita de contrastes, o doce e o salgado ao mesmo tempo...
    Às vezes me pego fazendo reflexões como essas, pensando sobre o que nos move, ou não...
    Abraço e ótimo feriado!

    ResponderExcluir
  4. Entendo o que vc pensa, mas não há regras. Joaquim Barbosa parece mesmo frio, duro demais, mas também parece não abrir mão dos seus princípios, de expor a verdade! É criticado por isso, mas devemos pensar que somos pacíficos demais, acostumamos a ver a corrupção no nosso dia a dia como corriqueira, normal. E não é aceitável, não pode ser! Um respeitoso abraço!

    ResponderExcluir
  5. Muito bom texto.
    Na vida sempre teremos que perder alguma coisa para ganharmos outras la na frente. As vezes as perdas nos fazem muito mal,mas, sempre haverá um porque e um para que !!!Assim é a lei da natureza.As vezes os fortes se tornam fracos e os fracos fortes,como entender isto..é sobrevivência

    Parabéns

    Rachel Omena

    ResponderExcluir
  6. Um dia tive medo de palhaço
    cresci e vi que eles escrevem
    para a gente ler e refletir
    pense nisso.......Um texto valioso
    Abraços de bom final de feriado
    Bjuss
    Rita!!!!

    ResponderExcluir
  7. O TEXTO TRADUZ A INTELIGÊNCIA DO PALHAÇO POETA ...TUDO ABRAÇA E TUDO DIZ...BJS

    ResponderExcluir
  8. Oi, Silvio. Saber compreender e equilibrar os dois lados da moeda da vida é o torna possível a qualidade de vida. E saber respeitar as diferenças, mesmo sem entendê-las, fundamental. Ótimo texto...um abraço!

    ResponderExcluir
  9. É uma grande verdade por mais que a gente relute, que reclame com a propria familia, que vai sair de casa e ir viver sozinho, a gente nunca estará completo, pq sempre falta algo...viver a vida sozinho, acho que já passou na cabeça de muita gente, mas sozinhos não vamos a lugar algum.. tenha um lindo dia

    ResponderExcluir
  10. Texto com palavras sábias que levam a uma reflexão.

    A vida são feita de diferenças.
    Beijos e ótima semana!

    Depois de um tempinho ausente cá estou de volta.

    ResponderExcluir
  11. O difícil na vida não é viver e sim aprender a conviver.
    Belo Texto....Abraços.
    Meu Blog:http://blogaraan.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Como professora me sinto realizada
    profissionalmente, como mae, também, mas como
    cidadã, juro e digo...estou muito a dever...assumo
    E não irei culpar ninguém, pois sou o que sou e me fiz
    o que a sociedade quis fazer...Marionete de gente que,
    se diz inteligente e faz me sentir um ninguém...Será?
    Sei la...você escreve muito bem, mas as vezes, me deixa
    sem fala, me sentindo fraca nas palavras...Mas gosto e assumo.
    Venho te ler e pronto! Parabéns um belo texto misturado e uma
    realidade surreal, banal...Que soos nos, seres humanos desiguais.
    Abraços

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.