sábado, 11 de maio de 2013

PSICOLOGANDO

Ela não era mais que uma menina quando 
enfrentou a maledicência dos colegas ao ingressar na
 faculdade e a responsabilidade de um escritório que exigia dela concentração suficiente para extenuar profissionais com mais tempo na profissão.  Em contrapartida, custeava com o seu emprego as despesas pessoais e as do curso de psicologia  que estudou durante  cinco longos anos e com mais dois  
fez  pós-graduação, depois mestrado,  encerrando os estudos ao concluir o doutorado quando melhor se preparou.  Hoje essa mulher, antes, uma criança simples e envergonhada, ministra aulas em duas faculdades do governo na esperança de formar novos professores, quiçá, tão bons quanto os que teve. Mais tarde vai à clínica  aonde encerra o dia atendendo com a sua terapia a quem precisa,  inclusive, aqueles que nada têm além do medo, das noites em claro e da resistência à vontade de viver, e por achar que o trabalho não cansa, mas engrandece o espírito para enobrecer o homem, ainda arranja tempo para curtir com a família os jogos do seu time no maraca, reduto de rubro negros  como ela. Esta é a sina de quem nasceu para o estudo e vive para trabalhar. Seu marido, que curtiu a vida nos seus tempos de rapaz encerra os dias, como ele mesmo diz, cuidando única e exclusivamente para que nada falte, a tempo e a hora, à mulher que escolheu para escrever com ele a sua história. Todas as pessoas que passaram sob o olhar azul claro dessa moça, tiveram mudanças na vida e na forma de vivê-la. Ficaram mais dispostas e até felizes se atrevem  viver. 
Outras pessoas não viram seus problemas resolvidos na mesma rapidez  por não acreditarem que uma mulher que pouco fala, mas fica rouca de tanto ouvir pudesse resolver suas questões, acabar com suas dores e afugentar de suas mentes a tormenta dos fantasmas. 
A falta de fé sempre foi a maior resistência encontrada pelos doutores com relação ao tratamento. O terapeuta precisa ser visto, não como um curandeiro ou um deus, mas como um profissional que dedicou a vida praticamente toda na busca de resultados positivos que levassem os pacientes à felicidade 
almejada e a paz que conheceram. 
-Enquanto essa abnegada criatura não consulta um colega para se manter equilibrada, ela fará de tudo para não pirar, mesmo que os motivos tratados por ela queiram levá-la a isso.
Assim que a última luz se apaga em sua clínica ela não quer saber de outra coisa senão  um banho quente e demorado. 
 Um roupão felpudo que lhe seque os poros  e um marido sorridente que  estenda uma xícara de café fresco à quem saiu com o nascer do sol levando esperanças, e retorna com o mesmo risco de sorriso de todos os dias em seus lábios sob um céu de estrelas e a vibração dos heróis ao retornar à casa.

9 comentários:

  1. FELIZ DIA DAS MÃES.
    Olá!!!, amei o seu blog ele é maravilhoso sucesso, Deus seja contigo, já estou te seguindo,OBRIGADO PELA VISITA,
    Curta e participe do meu blog e fan page.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Silvio
    Sem dúvida uma grande mulher, que a seu modo, leva um pouco (ou muito) alívio à pessoas angustiadas.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Ouvir problemas, esquecer os próprios, é mesmo de causar rouquidão. Ainda bem que o marido entende sem precisar falar. Equilibram-se como vamos aprendendo a fazer! Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  4. Com certeza uma mulher que enfrentara vários problemas diários e não conduze apenas sua vida, mas faz com que outros resolvam as suas também.
    Quanto ao fato de se tornar alguem exclusivamente "reservada ao trabalho", ainda me vem aquele frio na barriga ao pensar na possibilidade...Pois ainda sou a menina que descrevera... que ingressou apenas a um ano e meio na faculdade de Direito e ainda teme não se tornar uma mulher completa, com obrigações e capacidade o suficiente para cumpri-las durante a vida.
    Tenho extrema admiração por quem faz psicologia, pois além de diversos fatores para qual vejo a profissão com muito respeito, o maior argumento desses ouvi em sala de aula, quando meu professor de filosofia nos disse que os psicólogos não resolvem os problemas alheios, eles fazem as pessoas pensarem até que encontrem o ponto chave do sofrimento e por fim coloquem fim em seus conflitos por eles mesmos.

    Bjao

    ResponderExcluir
  5. Nieść pomoc innym i niczego za to nie oczekiwać to jest po prostu piekne.

    ResponderExcluir
  6. ...tantas vezes não escolhemos a
    a profissão...
    pois somos escolhidos por ela,
    e nesse caso a psicologia
    ganhou uma aliada à altura
    de tantos merecedores
    elogios.

    tratar os conflitos humanos,
    como se nossos fossem, é
    adentrar nos porões dos
    sentimentos, e cuidadosamente
    retirar o mofo que embaça o
    brilho da felicidade,
    propriedade de todos nós.

    smacksssss, meu poeta!

    vim matar a saudade deste
    canto de encanto!

    Vivi

    ResponderExcluir
  7. Olá :)
    Existem mesmo mulheres que são muito fortes e enfrentam tudo,sem recuar.
    O texto está muito bem feito,merece todos os seus seguidores. ;D

    Bjs
    Hayanne Deise Lins
    *Profissão Adolescente*

    ResponderExcluir
  8. Maravilha de texto!

    um grande abraço!

    http://princessandfashion.wordpress.com

    ResponderExcluir
  9. E as mulheres podem ser umas heroínas...
    Grande história.

    Beijinho

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.