sábado, 25 de maio de 2013

ANDANDO RETO COM PERNAS TORTAS

     Ela era jovem, bonita e educada. Trabalhava em uma confecção desde os tempos de solteira e tinha entre os colegas, Jair, que se tornara um amigo e confidente.  
Vera jamais negou que fosse casada, que amava e respeitava o marido com quem tinha um casal de belas crianças e permissão para ir aonde quer que fosse, fazer o que achasse relevante e receber em casa os amigos que mais tarde, também, seriam dele. 
 Como poderia ela, mesmo sendo casada, não se dar conta do charme e do companheirismo de uma pessoa com quem trabalhava há anos e com ela, querendo ou não, acabava dividindo as suas preocupações, suas dúvidas, suas alegrias e seus sonhos de futuro e frustrações do presente e do passado?  Quantas vezes Jair almoçou com ela a convite do marido na casa deles, passou momentos agradáveis e na morte do pai dela ofereceu seu ombro aonde secou seus olhos e suas lágrimas,  disse-lhe as primeiras palavras de conforto e até esboçar um sorriso no rosto dela conseguiu? Quando ela se formou para modernizar a moda na empresa aonde trabalhava, todos a invejaram, mas ninguém ficou tão feliz com a mudança do que Jair, seu colega de trabalho, e para quem não os conhecia, parecia que o marido era ele e não aquele que a levou ao altar num sábado de primavera. 
 E por nada ser eterno nessa vida a felicidade bateu a porta atrás dos próprios calcanhares e foi embora. Partiu no momento exato em que Marcela apareceu.   Ela era jovem e bonita, estava ou era abdominosa, parecia  inchada e  mal conseguia se manter de pé lembrando alguém resgatado de um afogamento tal o encharcado de suas roupas e de seus cabelos.  Os lábios eram de um  branco fora do normal, enquanto o corpo tremia de frio e de medo. Nada que ela trouxesse nas mãos, por pior que fosse seu instinto, rasgaria mais fundo os corações de Jair e o dela como os rasgou ao dizer, entre um trovão e um relâmpago na maior tempestade de suas vidas, que estava grávida e presumia ser Jair o pai do filho dela.
Disse olhando nos olhos do rapaz como quem sussurrasse suas últimas esperanças.   Os estilhaços dessa bomba feriram de morte o casal e o amigo sem que entendessem o gesto descontrolado da criaturaJair, que com ela não transara mais de uma vez, nada disse achando que fosse um blefe Vera e o marido também preferiram se calar. A possibilidade dele ser o pai da criança gerou no casal de amigos um tremendo mal estar enquanto um sentimento muito próximo do ciúme causou no marido a sensação  de estar sendo traído.   
Como ninguém dizia nada o rapaz, sem nenhum constrangimento, abraçou Vera na frente do marido e sem medir as consequências  a beijou de leve no canto da boca.  Os dois se gostavam além da conta e não sabiam. Talvez eles, incluindo o marido dela, não soubessem que Vera e seu amigo há muito se amavam  e essa era a mais pura verdade que teimava em não ser vista.  O casamento de Vera e o atual marido tinha acontecido por vontade dele. Ambos se identificavam e denominavam de amor essa parceria, por isso viviam juntosMarcela,  no entanto, não teve a mesma sorte pois sabia que a pessoa amada não correspondia aos sentimentos que sentia.  
Sem noção do mal que causara e das pernas que não sustentavam mais  o peso da gravidez,  Marcela, mesmo amparada por Jair, mas não suportando o que sentia caiu desfalecida
Uma ambulância foi chamada  para socorrê-la, porém  
Marcela não resistiu e morreu coincidentemente nos braços do homem que amava.  
        Vera e o marido tentavam de uma forma ou de outra se entenderem. Talvez em breve tudo ou nada venha mudar, mas não convém a mim ou a qualquer um que tenha telhado de vidro conjecturar sobre  um futuro cujo final ainda não vislumbra. 

16 comentários:

  1. BOM DIA AMADO PALHAÇO POETA !
    O CONTO É INSTIGATÓRIO E DESEJOSO AO LER,DEIXA MUITAS REFLEXÕES COM A LEITURA...
    BJSSSSSSSSSSSSSSSSSSS

    ResponderExcluir
  2. Belo sabado.
    Otimo texto com
    argumentos
    a serem observados.
    Bjins

    ResponderExcluir
  3. Bom dia !!!
    Bom sábado ......
    Vim deixar um abraço, que seu final de semana seja cheio de paz.
    Tem sempre um post valioso, que adoro, o que é muito bonito

    -Uma frase.-

    Um amigo me chamou pra cuidar da dor dele, guardei a minha no bolso. E fui.

    Clarice Lispector

    Abraços
    Rita!!!!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Silvio Afonso!

    Quanta imaginação! Será?
    Essa dúvida do que mentira do que é verdade, imaginação... é um universo
    positivo para nós, que gostamos das palavras, concorda?
    Instigante!
    Gostei do conto!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Poeta você como sempre surpreendendo com teu dom de contista.Amor construído através do tempo pode sim sair vencedor no final.Sucesso sonhador! Continue a nos encantar e a nos dar asas para voar.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  6. O cenário de fundo de palco é movível de acordo com cada cena a que se presta, às vezes os atores sentem-se tão confortáveis em seus papéis que não querem mudar nada, mas esquecem-se que a vida é movimento e imprevisibilidade.
    Quem poderá prever o que sucederá?

    Abraços,
    Calu

    ResponderExcluir
  7. Acredito em encontros predestinados... tipo "maktub"...
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  8. Bom dia Silvio.

    Vidas traçadas por sentimentos perturbadores.Um vai e vem sem sentido pode fazer vítimas porque é bem assim: Um perde e o outro ganha! Mas, nesta história ainda não se sabe bem o que se perdeu ou o que vai se perder,então melhor somar o inevitável e viver com felicidade.
    Meu pai sempre me falava,não existe amizade entre um homem e uma mulher...talvez ele estivesse falando a verdade ou perdido no tempo,mais acredito nele e na sabedoria, porque aonde há fumaça há fogo.
    As vezes mesmo amando um outro alguém,certas amizades mechem com nossa imaginação e muitas vezes com nosso mundo rotineiro.

    Um abraço grande e um ótimo domingo

    ResponderExcluir
  9. Muito obrigada pela sua visita ao meu blog. :) Esperoq ue nao seja a ultima apesar. sei que muitos dos posts que escrevo e mais para as senhoras mas tambem nao falo so sobre moda, beleza, receitas mas sim um pouco de tudo incluindo viajens. :) Em estados Unidos.
    O seu blog e fantastico!!! Vou visitar mais vezes de certeza.
    Um abraco de Toronto
    Claudia P.
    http://claudiapersi.blogspot.ca

    ResponderExcluir
  10. Ah e tambem ja sigo o seu blog. Mais uma vez obrigada pela visita e comentario no meu blog. :)
    Claudia P. de Toronto
    http://claudiapersi.blogspot.ca

    ResponderExcluir
  11. Sama nie wiem czy możliwa jest przyjaźń między kobietą i mężczyzną? Może jest ale tylko w powieściach:))

    ResponderExcluir
  12. Uma história dessa nunca tinha ouvido falar.
    Como é magico escrever... imaginação sem limites... coisas obscuras que vêm à tona...

    Perfeito! Adorei!

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Passando para te desejar uma semana de grandes felicidades.
    Abraços de luz.
    Lua

    ResponderExcluir
  14. E a Vera não ficou com o Jair????

    Tinham tudo para acabaar junto!

    Beijo

    ResponderExcluir
  15. Demorei mais cheguei. Obrigada pelo imenso carinho lá no Blog. Vim para ficar! Vou ler tudinho.

    Um ótimo feriado.

    Abraço.

    Cáhh Chaves.

    ResponderExcluir
  16. Boa noite Silvio.
    Como irei comentar depois
    de ler...não cabe a mim ou
    a qualquer outro que tenha
    telhado de vidro...Sim.
    E quando o coração se apaixona,
    a alma sem forças, se entrega e
    deixa a razão de lado. E sem os pes
    no chão, com certeza, se torna visível
    a doce e perigosa paixão...Mas do mesmo
    jeito que e acesa, também se apaga...
    Rápido como trovão, passageira como e o vento!
    Abraços

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.