sábado, 6 de abril de 2013

O CIRCO E SUA ARTE

Foi por amor e por achar o clima ameno e 
gostoso que eu decidi transferir os meus sonhos e a minha vida para o alto da serra.  Quem não gostaria de dormir    agarradinho num lugar aonde o inverno passa o verão?  Numa noite, porém, eu, que já  tinha perdido a intimidade com o calor, não consegui conciliar o sono. Depois de muito rolar na cama fui até a  varanda tomar um pouco do ar da madrugada. Do alto, aonde eu moro, dá para ver a cidade que se aquietara no sono dos moradores. Poucas eram as pessoas que, esquivas, passavam  
sob o meu olhar. A luz era pouca,  matreira, amarelada, tudo e quase todos dormiam nas redondezas, mas sem que eu me desse conta uma janela se abriu à minha frente a poucos metros abaixo dos meus pés por alguém que não dormia. Era Martha, mulher jovem de corpo desenhado pelo gênio do bom gosto e  orgulho do marido, um trapezista de circo itinerante  e que talvez por isso  se mostrava um cara vaidoso e convencido.  Ela surgiu entre 
as cortinas vestindo, pasmem, a   camisola branca esvoaçante preferida do marido e como que buscasse por alguém que não tardou se deixa lamber por uma brisa travessa que até a mim arrepiou. 
Esgueirando pelas paredes como um gato assustado alguém salta a janela facilitado por ela e num movimento digno de cinema  passa da rua ao quarto em um piscar de olhos. Num gesto mais atrevido e de nenhum medo rouba-lhe um beijo, daqueles que arrebatam a respiração e desmaiam o corpo para entregar-se  aos amassos, aos carinhos  como se permitido fosse sussurrando coisas que os enterneciam.  Sem descolar dos lábios dela os  seus, o gato tirou, meio que atrapalhado e com pressa a camisa preta que cobria o dorso forte e sem pelo.  Soltou o cinto da calça 
da  cor da noite e livrou-se dos sapatos com os próprios pés para, descalço, tomar a mulher seminua em seus   braços, lamber-lhe a nuca, o pescoço e  o colo para entre o amaranhado das sedas  forçar seu  ventre contra o dela que se abria serpenteando na cama como  os botões das rosas bailam ao  desabrochar nas manhãs primaveris. Um gemido no começo e outros, muitos outros no decorrer do ato. O sol, enfim,  acariciou a minha cara me acordando de um gostoso sono que não dormi. Valeu para me certificar que eu perdi aquela madrugada olhando alguém tomar de assalto a casa de uma mulher que, cúmplice,  se entregou 
ele como se fora sua.  O gato, depois dos fatos, tomou o caminho do chuveiro. Vestiu a roupa de dormir que não era sua. Beijou a mulher como se casado com ela fosse, estirou-se na cama com ela deitada em seu peito e dormiu o resto do dia como se fosse seu marido, que de verdade era.

28 comentários:

  1. Amei seu blog. Estasmos ai tbém. Muito obrigada pela sua visita. Um grande poetas és.
    Carinhosamente,
    Sandra

    ResponderExcluir
  2. Vou levar sua mensagem para o blog e fazer os créditos. \impressionante, estamos trabalhando na escola sobre o Circo.. mini projeto com as crianças. Amei o seu tema.
    Até
    Sandra

    ResponderExcluir
  3. :))

    Caro SilvioAfonso

    Enganou-me e bem até ao fim deste seu fino discurso.Eu nem vou desvendar nada para que os outros leitores sintam o mesmo prazer que eu ao lê-lo.

    :))

    Tive muito gosto,meu amigo.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  4. Olá Silvio
    Simplesmente fantástico. O cenário, o jogo de sedução,a criatividade o desfecho tudo perfeito. Parabéns.
    Bom fim de semana
    Abração

    ResponderExcluir
  5. Oi Silvio,

    Quem diria que uma noite mal dormida iria render uma crônica como esta?
    Parabéns, é linda!
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Bonito texto.
    O que me custa, na serra, é o frio que lá faz no inverno, pelo menos aqui em Portugal.
    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  7. Ei!
    Ual!
    Passando
    e volto para comentar ao retorna
    para minha Pasargada.
    De perto do mar que não é meu
    porém na companhia dos que amo
    e tenho apreço
    Bjins
    Catiaho Alcantara

    ResponderExcluir
  8. BOA NOITE MEU QUERIDO !
    SEMPRE ESTONTEANTE E DE ARREPIAR OS CABELOS ,OS CONTOS REDIGIDOS POR TI...
    AIAIAAIAIAIAIAIAIIAII
    TE DEIXO BJS COM SABOR DE DIA DE DOMINGO !

    ResponderExcluir
  9. Querido amigo, as coisas mais incríveis acontecem enquanto as pessoas dormem. Tenha um lindo domingo. Beijokas

    ResponderExcluir
  10. •✰ •✰ •✰ •✰ •✰ •✰
    Un petit bonjour chez toi ce dimanche

    Merci pour ce très beau texte !!!

    BISES et bonne journée
    •✰ •✰ •✰ •✰ •✰ •✰

    ResponderExcluir
  11. Então ele era o marido dela? Nossa, seu conto foi surpreendente...me fez pensar que desse jeito a magia do desejo entre o casal estaria de fato perpetuada. Um abraço!

    ResponderExcluir
  12. Circo lembra infancia que não
    volta mais, mas mesmo adulto podemos ser criança novamente
    belo texto gostei
    Abraços com carinho
    Rita!!!

    ResponderExcluir
  13. Show teu texto como tds q já li, amei... fiz outro blog para registrar as atividades de sala de aula, passa lá e deixa sua marca, bjsssss...
    Edilene

    ResponderExcluir
  14. Quem ficou enleada até ao fim fui eu! Já conheço teus dotes de escrtor exímio Sílvio. Mas aliado ao inesperado desenlace faz do autor que és um grande talento .
    Amei
    Para quê dar parabéns?
    Fraterno abraço! :)

    ResponderExcluir
  15. Olá"!
    è um prazer estar aqui e seguir seu blog.Gostei de tudo,desculpe a demora,muita correria,apesar de aposentada continuo a trabalhar.
    Grande abraço
    se cuida

    ResponderExcluir
  16. Um final surpreendente.
    Nada como o sonho real.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  17. Um final surpreendente.
    Nada como o sonho real.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  18. Que Deus te abençoe
    Enquanto eu louvo,
    eu desejo que a benção de Deus se
    derrame em tua vida.
    E que Deus continue a abençoar
    da nossa amizade tão linda.
    E a vida seja simplesmente pura, paz.
    Passei para desejar um lindo dia,
    cheio de bençãos...
    Beijos e carinhos meus,Evanir..

    ResponderExcluir
  19. Voltarei para ler com calma o que percebi ao passar os olhos. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  20. Palhaço Poeta,
    Agora já de volta a minha Pasargada
    como empenhado me ponho ao reler seu texto e agora
    já tenho como parte do contexto
    a sonoplastia perfeita.
    É interessante ler
    e relembrar, pois o texto que ja rico em detalhes e nuances fantásticas nos levando a perceber
    junto com quem escreveu
    agora além de imagem tem som!
    Adorável experiência.
    Esse texto já era destaque
    agora então ficou marcado de vez
    como um dos melhores.
    Bela terça-feira!
    Bjins
    entre
    Sonhos e Delírios
    Catiaho Alcantara/Reflexo d'Alma

    ResponderExcluir
  21. Chegando atrasada, mas nunca tarde pra ler e arrepiar meus cabelos, como vc bem disse...
    Fantasias, como são boas tê-las e realizá-las!!!
    A cada frase me vi sendo a mulher da camisola.... ai....

    Perfeito!
    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Silvio, vc tem o dom das palavras. Descreve tão bem que vamos caminhando com o homem e pulamos a janela e tudo o mais. Parabéns! Muita paz!

    ResponderExcluir
  23. Olá,
    que vizinho bisbilhoteiro. Ainda bem que tu moras longe de mim. ahahaha
    Uma cena como tantas de quem vive no interior. É muito bom observar a vida alheia, criamos fantasias fantásticas. Minha mãe espiava, e delirava narrando fatos que só ela via. Muito bom teu texto. Adorei.
    Bjos e tenha uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  24. Olá amigo, hace unos días cree un Premio para consentirlos a todos, espero sea de tu agrado.
    Un abrazo de tu amiga de Venezuela


    ♥SOYPKS♥♥♥♥

    ResponderExcluir
  25. Adorei o modo como vc usa as palavras e expressões nesse texto poético. Muito bem colocadas de um modo que envolve o leitor e o faz quase um cúmplice de sua descrição.

    abraços!

    ResponderExcluir
  26. É, meu amigo, a insônia faz estas coisas... Produz obras lindas.... Uma abençoada e feliz semana!
    Carinhoso abraço!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.