sexta-feira, 28 de setembro de 2012

SAUDADE DE QUE, MESMO?



        Estava desempregado há mais de cinco meses quando sua mulher mandou a empregada embora e sugeriu que ele cuidasse da casa.  No tempo em que esteve à toa, Cláudio não ficou um só dia sem procurar trabalho.  Talvez o desejo de tê-lo preso aos afazeres domésticos o  mantivesse  longe da liberdade e das tentações das ruas.  Com o passar do tempo todos achávamos  que ele desistiria do comércio onde ganhou dinheiro e com a noiva, depois sua mulher, compraram a casa e o carro da família.  Assumiu a direção da casa e não deixou mais que o café quente, as frutas e o pão frescos faltassem à meses para o desjejum de sua mulher, como vinha acontecendo,  mesmo assim havia momentos em  que ela passava o dedo sobre os móveis, examinava as louças, os copos  e os banheiros para constatar a eficiência dos seus serviços.   Cláudio não gostava das obrigações a ele atribuídas, mas negava a veracidade desse fato quando era questionado.
      Seis meses  longe do chopinho de fim de expediente.  Longe dos amigos, das colegas de trabalho e da pelada dos domingos.  Isso matava aos poucos o nosso herói, mas felizmente um dos muitos currículos distribuídos  foi  selecionado por uma rede de lanchonetes e ele convidado para  uma entrevista.  Só que, de  imediato  não receberia um salário igual aos anteriores, mas teria a sua dignidade e o seu amor próprio de volta, resgatado.
   Quando Margareth chegou do serviço e soube da notícia, não demonstrou nenhum sinal de contentamento tirando da cara do marido o sorriso de felicidade que  trazia.  Margareth sentou-se com ele e tentou provar por A, mais B,  que a decisão tomada por ele, estava errada.  Disse-lhe que durante os seis meses que trabalhara em casa  tudo tinha melhorado. Até o dinheiro rendeu mais, já que o salário da empregada consumia um terço dos seus proventos. As passagens, o almoço, o lanche, os cafezinhos, os chopes da noite e as despesas eventuais, tomavam dele quase tudo o que recebia.  Em casa não tinha salário, mas também não tinha com que gastar. A sua presença na direção da casa trazia tranquilidade à família. Margareth sabia aonde e como encontrar o marido na hora que precisasse, e por melhor que fosse a empregada, não saberia comprar o que os patrões gostam e precisam e de pechinchar na feira não era capaz. Quanto ao dinheiro para as despesas ele não deveria se preocupar, porque ela continuaria pagando as contas como sempre fez desde que se casaram, concluiu.
     Cláudio, meio sem graça, voltou à cozinha e preparou o jantar. Viram televisão e mais tarde foram se deitar. Quando  levantou para o trabalho, Margareth notou que alguma coisa errada estava acontecendo. A mesa do café não estava posta e o marido não se apresentava para as primeiras instruções do dia. Um bilhete preso por um ímã na porta da geladeira, no entanto, esclarecia os fatos;   "Meu amor. Para não vê-la sofrer com a minha infelicidade eu achei melhor sair de casa. Aceitei o emprego que me ofereceram muito antes de você saber da entrevista. Hoje, a pedido da empresa,  viajarei para a inauguração de uma das lojas sob a minha responsabilidade e por lá ficarei por seis meses até que o ponto seja feito e a clientela conquistada. Eu não esperava que fosse preciso tomar esta atitude, mas para o nosso bem e um possível respeito entre as partes, eu deixo os trabalhos da casa para que você faça do seu jeito,  enquanto eu cuido de mim".
     Os dois nunca mais se viram. Ela se entregou ao trabalho e nas noites frias quando homem algum conseguia aquecê-la lembrava-se de Cláudio e seus carinhos. Em contrapartida Cláudio refez a vida trabalhando e saindo com os amigos nos finais de semana, mas não se esquece de sua casa e da mulher com quem dividiu boa parte de sua vida, mesmo que cobrasse dele a segurança, caso o desemprego acontecesse.

36 comentários:

  1. Après plusieurs semaines d'absence je suis heureuse de vous lire à nouveau...
    Joli texte...
    Gros bisous

    ResponderExcluir
  2. Silvio, olá!
    Esse texto relata com simplicidade o cotidiano de muitas pessoas que não dão o valor devido aos seus cônjuges.
    Infelizmente, é mais comum do que se imagina!
    Bjoks

    ResponderExcluir
  3. Olá Silvio!

    Apesar das exigências dela e do desejo que ele continuasse com os afazeres da casa, achei covardia da parte dele sair de casa sem antes conversarem.Talvez uma fuga do que poderia ser melhor discutido e combinado. Ou então poderia ter voltado dentro do tal prazo, sei lá rs!Certamente a consciência de ambos vai perturbar por um bom tempo!Ela por te-lo encurralado e ele por ter fugido...
    Enfim,coisas mal resolvidas deixam péssimas sequelas!

    Muito bom, Silvio!Parabéns!
    Uma historia bem contada com problemas que muitos vivem por ai!E o que é pior:de olhos vendados!

    Beijos e um ótimo dia!


    ResponderExcluir
  4. Nossa! Muito bom seu blog, parabéns!!!
    Amo leitura e aqui em Israel as vezes me falta o que ler...rss
    Já estou seguindo seu blog!
    Venha conhecer o meu tb:
    www.blog.israelcompras.com
    Bjks
    Vivi

    ResponderExcluir
  5. Só poderia ser portuguesa essa palavra, saudade.

    ResponderExcluir
  6. Olá Silvio :)
    Acho que faltou companheirismo e compreensão da parte dela;
    afinal que bom que ele conseguiu um novo emprego!
    E ele foi precipitado em sair de casa,poderia pelo menos contratar uma empregada e pagar o salário dela,afinal ele sabe que deixar tudo em ordem ,não é tarefa fácil.
    Muito bom o texto.Gostei!
    Bjs \o/

    ResponderExcluir
  7. que texto lindo meu amigo...
    eu me envolvi nessa história, e numa coisa eu me identifiquei:
    nas noites frias em que homem algum consegue me aquecer..

    bjs.Sol

    ResponderExcluir
  8. Que maravilha de texto!!
    Eu sou funcionária pública e estudo à noite, por isso, passo a maior parte do tempo fora de casa. O marido, tem uma lavagem automotiva lava-jato)em casa, então, cabe a ele cuidar das tarefas domésticas, já que está sempre lá. Isso porém, não o impede de jogar o seu futebol à noite, ou nos finais de semana. Acho que tudo na vida, para dar certo, precisa de bom senso e ser combinado antes.

    Beijinhos!!♥

    ResponderExcluir
  9. Meu amigo

    Uma estória que tem muito de verdade nas actuais circunstâncias do mundo.
    Mas ele fez bem em ir procurar o seu amor-próprio, ninguém é feliz dependendo do outro.
    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  10. é sempre assim, prezado narrador estelar; é sempre em outro lugar que deve soar a hora da verdade, e da partida.
    meuabraço
    luis

    ResponderExcluir
  11. Com certeza eles deveriam ter conversado mais e expondo seus medos e receios, o que agradava e o que desagradava no relacionamento e não tomado uma atitude tão drástica.

    ResponderExcluir
  12. Olá querido, primeiro quero agradecer sua visita em meu blog. Obrigada! E achei a história bem legal,estarei sempre por aqui. Bjs!

    ResponderExcluir
  13. Olá querido, primeiro quero agradecer sua visita em meu blog. Obrigada! E achei a estória bem legal,estarei sempre por aqui. Bjs!

    ResponderExcluir
  14. OI MIGUXO, QUE TEXTO HEIM?
    O QUE FAZ A FALTA DE DIÁLOGO, NOSSA! SOU DA MESMA OPINIÃO DA CLAU.ELE AGIU COM MUITA PRECIPITAÇÃO, VOCÊ NÃO ACHA? QUE BOM QUE VISITOU MEU CANTINHO, VOLTE SEMPRE. BJUS E BOM FINDI

    ResponderExcluir
  15. Olá, Silvio! Acho que ela era bastante 'folgada,' e ele, por muito tempo, acomodou-se. Criaram um estilo de vida que não conseguiram sustentar, após a 'liberação' dele.

    ResponderExcluir
  16. Oi Poeta!

    É mesmo uma verdade, algumas pessoas se acostumam com o que é bom e convém para elas, sem nem ao menos pensar se o outro está realmente feliz.. No caso do seu texto, ambos foram egoístas =P

    =* ótimo final de semana!

    ResponderExcluir
  17. Que delícia chegar do trabalho agora
    as 17 horas dessa sexta e
    me deleitar com essa publicação que
    me tomou até que a ultima palavra
    lida fosse.
    Obrigada por brindar a nós
    leitores nessa sexta.
    E meu grito de discípula e
    fã:
    BRAVÍSSIMO!

    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  18. Ela com saudades e ele lembrando-se dela...
    Fácil:
    Se ainda havia química entre eles,por que ele não volta,bate na mesa e seja macho de verdade e faça a amada dançar conforme suas regras...podendo ceder no que achasse plausível...e seriam felizes...e se não desse mesmo,ele que fosse ser feliz longe dela e de tudo do passado....
    Beijão...
    PS.:Postei no meu facebook o link de teu blog...GOSTOU????
    Eu gostei...rsrsrsrsrsrs...

    ResponderExcluir
  19. Que ótimo texto!
    Quantas pessoas passam por isso.
    Mas nada como sentar e tentar se entender, afinal casamento é, além de outras coisas, companheirismo!
    Uma mão lavando a outra!
    Nada de carregar a mágoa sozinho e depois tomar uma resolução drástica!
    Adorei o texto!
    Abraços,
    Mariangela

    ResponderExcluir
  20. Boa noite meu amigo. Essa é avida de muitos casais hoje em dia. Mas o homem não está preparado para assumir o trabalho doméstico, por mais que se respeite sua posição de macho.
    Esta é uma das tarefas da mulher. O machismo ainda não permite. Mas por outro lado a mulher está querendo inverter os papeis, hoje elas querem subjugar o homem, torná-lo dependente dela e é isso que acontece.São abandonadas.
    Tenha um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  21. Oie Silvio; acredito que tenha sido a melhor decisão. Todas as pessoas precisam se sentir dignos de respeito e defender aquilo que quer fazer. Ela não tinha direito de dizer nada a ele, por ter arranjado emprego. Se não gostou, pelo menos, deixasse que ele fosse ver de perto como iria se sair. Um casal deve somar e não subtrair. Um deve estar ao lado do outro, jamais uma na frente, porque assim quem está na frente acaba esquecendo quem está atrás.
    Bom fim de semana! Beijos

    ResponderExcluir
  22. Excelente texto!!! Perfeita descrição de um casamento egoísta! Parabéns!

    ResponderExcluir
  23. ...em qqr tempo somos escravos
    das escolhas que fazemos, e
    estas nem sempre podem
    acabar bem.

    vc escreve e eu me encanto!

    bjbjbj, poeta!

    ResponderExcluir
  24. Silvio, é possível que tenha sido uma decisão difícil, mas cada ação tem a sua consequência.
    Gostei de ler a escrita, clara e pura.
    Abraço e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  25. Silvio!

    Obrigada pela visita e convite..estarei aqui sim.

    bjos e ótimo domingo.

    ResponderExcluir
  26. Tenho visto acontecer esses episódios com as "melhores famílias"...

    beijos!

    ResponderExcluir
  27. Fico feliz em perceber que certas pessoas,
    como nós, têm a capacidade de reconstruir para recomeçar.
    Isso é sinal de garra e de luta, é saber viver, é tirar o
    melhor de todos os passageiros.
    Agradeço a Deus por você fazer parte da minha viagem,
    e por mais que nossos assentos não estejam lado a lado,
    com certeza,o vagão é o mesmo.
    Com saudades desejo um feliz Domingo,
    beijos na sua alma carinhosamente,Evanir.
    A Viagem..

    ResponderExcluir
  28. Bom dia!!! Ninguém pode voltar atrás e fazer um novo começo, mas qualquer um pode fazer um novo fim, é isso ai, sucesso sempre meu ex. amigo.

    ResponderExcluir
  29. Ele não estava feliz, por isso nem se despediu 'não valia a pena conversar Ela foi egoísta e "ele... sei lá! tava no desespero "meio assim, sem emprego e sem noção. Final feliz, na minha modesta opinião.
    Ninguém muda "seu viver "seu modo de vida" de um dia para o outro, entende? Não faça o q Ele fez; é chato demais!
    bejim
    Bom domingo

    ResponderExcluir
  30. É, poeta, a vida de repente muda o rumo, as escolhas e as esperas, empresta asas e sem rumo buscamos um novo abrigo.
    Apoiado nas verdades da vida e do dom da criatividade compões lindas e instigantes histórias.Admiradora sua e orgulhosa da tua terna amizade. Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  31. Obrigada pela sua visita ao meu pequeno espaço! Li este seu texto despretensioso e gostei. Acontece a muito boa gente. Se bem que, por largos e longos anos, este tipo de "humilhação" acontecesse para cima das mulheres.

    Parabéns por ter já editado três livro. Que bom!

    Até.

    ResponderExcluir
  32. Boa tarde Silvio!!!
    Hoje tirei um tempinho para vir lhe visitar.
    E fico feliz por ler esse texto tão belo e realista.
    Infelizmente a mulher não soube valorizar a relação. Pelo menos aqui em casa dividimos sim o serviço, mas nada de obrigatório para nenhum dos dois, fazemos quando dar e quando queremos. Isso que é viver feliz. Ter respeito mútuo, aceitar as diferenças, intender os limites de cada um e ser feliz!!!
    Adoro ler seus textos, peço desculpa por minhas ausências...
    Mas mudei o rumo da vida, sendo ainda mais feliz!!!
    Voltarei em breve, pois pessoas como vc sempre moram em nossos corações.
    Deus lhe abençoe sempre e tenha uma semana mega feliz!!!
    Abraços da Bia!!!
    http://pequenosgrandespensantes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  33. Oi Silvio, parabéns pelos textos. Muito bons ^^

    Beijos

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.