sábado, 1 de setembro de 2012

BRINCANDO COM FOGO.

    Imagine duas estudantes do ensino médio  caminhando de mãos dadas por uma rua de pouco movimento e mal iluminada. Idealize as duas  sentando no capô de um carro estacionado na beira da calçada  e quando você menos espera as duas cerram os olhos e se entregam a um  profundo e demorado beijo e tudo ali, no capô do seu carro com você dentro, assistindo de camarote o desenrolar da cena...
    Eu estou adivinhando  o que você sentiria com aquilo tão próximo dos seus olhos. Sentiria o calor tomar seu corpo e sendo você mulher, a curiosidade a sufocaria. Seu corpo se molharia de suor e entre as pernas um misto de medo e de pecado. Uma das garotas, sem por quê, tirou o sutiã deixando livre sob a blusa um par de seios tenros e gostosos como pera madura. A loirinha deitou a parceira ao longo do capô e no frenesi do que as possuía, enfiou a mão por baixo da saia dela enquanto um peito fugiu-lhe para  deixar-se prender pelo biquinho nos lábios carnudos da menina. Um farol desregulado acabou com a festa, espantou as crianças causando na minha cabeça uma tremenda confusão.
    -Como aquelas meninas conseguiram aquela façanha? Com que coragem escolheram a parceira, combinaram o encontro e chegaram, pode se dizer, às vias de fato? Sim, porque se não fosse o maldito farol  o caso poderia ter tomado proporções maiores, como certamente tomou em outro lugar mais apropriado.
    -Esse filme rodou na minha cabeça quando fui apresentado à noiva de um amigo na festa da cerveja na minha cidade. O casal tinha decidido morar na serra depois do casamento, mas na semana seguinte já era visto por ali.
   -Esta é Neide, a mulher com quem vou dividir a minha vida, disse-me João.
   Neide era loira dos olhos claros. Moça espevitada que não fixava seu olhar em nada que não vestisse saia.  Dificilmente olhava um rapaz por mais belo que fosse, mas das meninas não perdia um gesto. Enturmou-se de tal forma, para orgulho do noivo, que em poucos dias começou a frequentar a casa de uma delas. Faziam festas constantemente, mas de homem, só  João podia entrar. Entrar podia, mas participar eu não acredito.          (Foto da Internet)

17 comentários:

  1. eita q se não fosse o farol, as duas iam se acabar em cima do capô

    ResponderExcluir
  2. Que horror!! Coitado do João bobão!!
    Credo! E qual é a dele??

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Olá meu caro,

    Vim deixar o meu abraço e saborear seus textos, sempre quentes e envolventes...

    Abraços

    Leila

    ResponderExcluir
  4. as páginas dos livros estão se materializando ao nosso redor..rs

    bjs.Sol

    ResponderExcluir
  5. A vida tem dessas coisas!
    Tenha um sabado maravilhoso
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Meu amigo amado !!!!
    Tens o dom de nos envolver com teus textos que supera tua inteligência...quando pensamos que já explorastes tudo na escrita ,surges com mais um,rsrsrs
    Parabéns sempre !!!!!
    bjssssssssss

    ResponderExcluir
  7. Putz, acabaram na mão ( pior, não acabaram)...Na próxima devem ir direto ao lugar adequado que é melhor. Um beijo Afonso!
    Ah, sim! E o noivo deve gostar mesmo sem participar. Homens tem essa tara de ver mulheres transando. Ele deve se virar...Kkkkkkk!

    ResponderExcluir
  8. Querido poeta, és um excelente contista, sempre surpreendes no final.Adorei! Apreciar de camarote uma cena quente daquelas e inusitada faz pensar...pensar...
    Estive ausente envolvida com meu Livro.Agora já tudo resolvido, voltei para apreciar e ler as preciosidades de meus amigos(as).
    Adorei estar aqui.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  9. As vezes a sociedade empurra as pessoas para viverem uma vida que de fato não queriam. Felizmente, hoje, esse panorama vem mudando, mas ainda longe de ser o ideal, para que as pessoas se sinto felizes e realizadas. As garotinhas tiveram coragem de romper essa barreira e enfrentar as fofocas e críticas, porém inúmeras ficam noivas e se casam, para manter as aparências.Isso acontece tanto ao homem quanto a mulher.
    Belo post! Beijos

    ResponderExcluir
  10. Que situação, não é mesmo? Um texto surpreendenteeeeee! Tenha um feliz domingo!

    ResponderExcluir
  11. Un bello texto, por fortuna cada vez mas las personas pueden demostrar su amor.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  12. Tema delicado.Cada vez mais comum nos dias atuais.Como texto, excelente!
    Abração.

    ResponderExcluir
  13. Adorável texto.
    Trouxe-me a mente meu
    primeiro desafio em teatro,
    quando recebi do professor
    um texto no qual duas mulheres
    se relacionavam sexualmente
    cobertas por um lençol,
    porém diante do publico.
    Excitante foi a sensação desse
    desafio.
    Linda semana começando
    já lendo seu texto.
    Bjins entre sonhos

    ResponderExcluir
  14. Eu simplesmente vi a cena. Perfeita a forma que você descreve minunciosamente os fatos!

    ResponderExcluir
  15. Olá poeta!

    Pois é!
    As mulheres tem esse dom de surpeender ... rsrsrsrsrsrs

    Tenho um grupo de amigas que adoram umas as outras, e te digo:
    - Há fidelidade entre elas.

    Incrível é saber que estão juntas há 20 anos, adotaram filhos e hoje planejam conhecer Buenos Aires.

    O mundo mudou e as pessoas estão carentes de amor.
    Eu acho lindo o amor!!!!


    Mil beijos poeta!

    ResponderExcluir
  16. Bom, vim avisar que o theme do meu blog foi mudado, pelo Rick (http://semguarda-chuvas.blogspot.com.br/) ficou lindo, gostaria que você visse e comentasse nos novos textos!
    Tenha uma ótima quinta e um feriado abençoado. *-*
    http://maybe-i-smiled.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. Gostei! Obrigada por seguir o meu blog :)

    fashionpassionomg.blogspot.com

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.