segunda-feira, 23 de julho de 2012

DE TANTO FALAR DE MIM...

         Tem gente que interpreta o sentimento das pessoas de tal maneira que só de ouvi-la eu fico todo arrepiado. Recentemente eu escrevi sobre o relacionamento que existe entre o homem e a mulher, e na minha explanação eu devo ter dito muito de mim e das pessoas que de certa forma dividem suas vida comigo. Na oportunidade eu dissertei sobre o simples e o complexo. Sobre as lagartas que comem a árvore onde moram e sobre a razão que faz mover o mundo. Também falei sobre as coisas que aparentam não serem importantes, mas que na verdade são as que ditam a velocidade do tempo. Uma dessas pessoas, cujo nome prefiro não declinar, falou-me da tristeza que maquio nos textos publicados no blog que visita com certa frequência.  Essa pessoa, sem nenhuma pretensão, reabriu a ferida que há muito eu achava ter cicatrizado.  Suas palavras eram de uma ternura semelhante a de mediador de sequestro prestes a imobilizar o inimigo. Foi desta forma, doce e gentil, que abriu as comportas onde veladas tristezas se mantinham sob a face serena das águas represadas. Diante dessa realidade eu me vi vazando minhas lágrimas sobre um textos que terminava. Chorei me confundindo nas concordância, trocando de lugar os acentos, os pontos, as vírgulas, assim como transfigurei minha cara  com o pranto derramado.
Talvez eu devesse me "analisar" para buscar o motivo da minha alma fazer tamanho alarde frente aos que têm o privilégio de ler nos gestos e nas palavras a euforia extrema ou a alegria exacerbada digna de quem não tem uma trilha por onde caminhar, como eu imaginava. É provável que a terapia  acalme o ímpeto das grandes ondas que tentam levar o barco do raciocínio aos rochedos ou ao fundo do mar como se lá fosse seu derradeiro porto.