sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

DENTE DE SABRE.

Eu tentei a prevenção para não ter a surpresa que tenho agora. Fui ao dentista, troquei de profissional, paguei o que me pediram sem discutir preço e, no entanto estou assim, triste, constrangido. Caso eu não tivesse feito nada, se tivesse ficado aqui sentado a espera que a natureza corrigisse o que ela mesma destruiu, talvez eu não ligasse tanto, mas fiz o que qualquer um faria no meu lugar. Pena é que os profissionais que eu encontrei nesta cidade não tiveram a mesma sorte que eu precisava quando a eles o problema foi apresentado. Agora resta-me o silêncio. Calar é o que me basta e mesmo que insistam, através das palavras, hoje eu não me expressarei. Todos os dentistas estão de férias, só um protético restou para me socorrer até que a vida retorne ao normal, isso se o bumbo não anunciar antes o carnaval.

9 comentários:

  1. Acontece
    um dia ou outro.
    Como tudo na vida tambem a Seres bons e Seres maus, inclusive profissionais de todas as áreas.
    Também aconteceu-me algo parecido,
    me deram um tratamento de nome contenção...
    era algo provisório
    e como na vida o provisório não deu certo e as dores me fizeram chorar de dor, literalmente, peguei o alicate de unha e retirei o ferros...
    doem bastante, sangrou.
    Mas como na vida o mal que é extirpado
    demora a dar trabalho novamente, pois se a tese d eque o mal vence é bem é real; o bem é o bem e tem bases fortes, já o mal tem raiz curta e sempre que arrancado como as ervas daninhas vão tentando se re fixar.
    Tambem vou ha um novo profissional que vai ver a bagunça que fiz no provisório de um outro dito profissional.
    Sabe porque o mal profissional faz assim bem como o mal vence o bem?
    Porque nós os seres
    vemos e deixamos em um tipo de suposta confiança, dai acontece como no ditado popular:
    Pode-se até deixar que um pássaro pouse na nossa cabeça, mas dai a permitir que faça um ninho, é outra historia.
    Fecho com um pensamento que me forlalece em tempo como o seu de incomodo causado por terceiros seres:
    ""Não há necessidade de grelhas, o inferno são os outros.
    Jean-Paul Sartre "

    Linda sexta
    Bjins entre sonhos e delírios

    Ons: Foto linda essa!

    ResponderExcluir
  2. Gostei do seu blog! Já estou seguindo.

    http://luxurymuch.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso seu post.
    Estou de volta depois de uns dias ausente. Tudo de bom em 2012!
    Desejo uma semana imensa de coisas boas. Obrigada pelo carinho da amizade...Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Volte quando quiser, será sempre bem recebido!
    =*)

    (Essas tuas palavras...! Parecem de alguém que perdeu uma prótese! hehe)

    ResponderExcluir
  5. Bem... Ao menos não é o incisivo lateral, como no meu caso. (Também quebrou, mas foi no ano passado e a prótese tá firme e forte (AINDA) hehe)


    (*;

    ResponderExcluir
  6. Adorei seu espaço, suas palavras são realmente inspiradoras...tomei a liberdade de seguir e com certeza voltarei mais vezes, se puder me seguir também para dar uma força eu ficaria grato...
    www.paullolenore.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
    Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
    A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
    Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.(postagem: loucos e santos do meu blog)
    confere lá ' blog Eih Você '

    http://eihvoce.blogspot.com/

    espero sua visita e seja membro tbm
    já estou seguindo o seu!
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Palhaço Poeta,
    agora cedo vim reler com calma esse seu post,
    ontem a cabeça estava em mil outras direções e não poderia parar
    para que minhas lembranças me tomassem.
    Hoje ja centrada e zerada , releio.
    Sua narrativa pode ser ficticia ou real, na verdade não faz diferença.
    O de fato importa é muitos e muito seres se veem ao ler seu escrito.
    O unico ponto que muda é da religião que na historia aqui descrita é apontada como fator agravante.
    Conheço muitas outras em a religião sequer parte da vida de alguem na familia se fez.
    Mas a historia é a mesma:
    Homem levado a casar a força, por ter disvirginado a Moça que nem mesmo se sabe se ja era virgem, ela dizia que sim; ele morreu sabendo que não.
    Morreu assim como narra seu belo texto:
    garrafa de branquinha debaixo da pia,
    dose antes de sair, dose antes de deitar.
    Esse homem só foi visto sobrio por sua filha mais velha, a que ele renegou ainda no ventre e depois de nascida por mais 5 meses;
    ela só o viu sóbrio por duas vezes em 20 anos: em seu casamento data que ele decidiu não beber e por tal ato ela lembra até hoje do tremor de sua mão ao conduzí-la ao altar e depois quando esteve internado, meses antes do casamento da filha.
    Essa filha olhava para seu pai e não via nele maldade, apesar de toda violência causada pela ação do alcool unido a um sentimento de fracasso.
    A filha lembra bem a semana de sua morte.
    E agora o fato religião entra na historia, não pela esposa, mas pela filha..
    Na semana de sua morte, somingo ele desce a Serra com a mulher(26 anos de casados, 6 filhos, 2 netos, um de 4 anos e outro em 6 meses de gestaçao) veio e convidou a filha e a familia para juntos olharem o mar, pois ele amava o mar como ela e numa praia perto cavarem tatuí e se perderem entre as ondas,
    ela cheia de religiosidade disse que não seria posssivel,
    pois tinham uma REU nião importante na ' igreja'
    Ele triste entendeu e com a familia dele :mulher, irmã e cunhada foram.
    Maldita religiosidade!
    Pois essa foi a ultima vez que pai e filha se viram, terça feira ele ja de volta a Serra, passam mal, entra em coma e no domingo seguinte
    a filha com o pequeno na barriga e o filho de 4 anos mais o marido rumam
    para a despedida final, onde o marido mesmo se encarregou da cerimonia fúnebre...
    Foi um adeus triste, ela lembra que na Serra
    estava nublado...
    cuidou que o pedido dele fosse atendido.
    Dizia ele:" Filha quero ser enterrado na terra, nada de caixa de cimento"
    Assim foi feito.
    Ele morreu de cirrose com múltiplas hemorragias.
    Ela a mãe, nunca se casou,
    sem religião seguiu sem opinar na vida dos filhos, das noras ou netos.
    Mas também sorrir como desde sempre seguiu.
    A filha ainda tem religião e a pratica, porem
    guarda a historia como lição e quando alguem a vem ve-la: Manda todos os compromisso pro Inferno! Pois nada é mais importante que presença compartilhada dos que se amam.
    Sabe, creio que a cachaça e religião não responsáveis por atos que pessoas cometem. Pessoas são responsáveis e as usam como desculpa para fugir, ferir, magoar isolar e julgar e condenar outros, nunca a si mesmo.
    Cada um guarda um universo e quando não aprende a lidar consigo memmo destroe a vida de outros como seu belo texto diz.

    Ta vendo o que você fez essa poeta lembrar?

    ResponderExcluir
  9. Oi.Vim aqui nessa pagina porque os escritos são tão bonitos e achei que esse esta bem escondido para eu
    deixar aqui meu convite.
    Morro de vergonha por vir em um blog tão famoso e com tantos seguidores para convidar a seguir meu blog. Sou inesperiente nesse negocio de blog, comecei tem 3 dias.
    Li aqui que tem livros lançados, qual me sugere para
    ser o primeiro?

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.