quarta-feira, 4 de maio de 2011

CHEIRO DE COLO

Por um motivo forte, mas que não justificava aquele gesto, eu me afastei da casa aonde fui criado. Pela minha pouca idade eu não fiz juízo do mal que causava a minha mãe e a mim mesmo. Com o passar dos anos fui descobrindo que aquela ausência era o mesmo que perder as articulações das pernas e dos braços e até o meu coração mudava de compasso; eu estava paralisado de saudade. Mutilado com a sua ausência como se a minha alma tivesse ido embora do meu corpo. Nas festas e reuniões, por mais amigos que acercassem de mim, eu me via só. Larguei os compromissos assumidos, das minhas obrigações eu esqueci e fui ao encontro dela. Em qual dia do mês eu não me lembro e de que maneira eu cheguei até onde ela estava eu também não me recordo, mas sabia que era ali, no lugar de sempre; na mesma cidade e bairro, na mesma rua e número aonde eu cresci menino e me formei rapaz, ela me esperava. Nada dissemos um para o outro, só nos olhamos para nos entregar a um abraço demorado e tão intenso que até agora sinto o seu cheiro e o calor do seu colo, como se o seu bebê eu fosse, ainda.

17 comentários:

  1. visitei seu blog e gostei muito parabens belas postagens voltarei mais vezes bjos marcia

    ResponderExcluir
  2. Olá Silvio
    Nada no mundo se compara a um colo de mãe.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  3. Mãe é mãe!!!!
    geralmente elas são mulheres comuns em seu dia a dia. Se tornam mães, realmente em duas situações:

    Para dar colo e conforto (E isso é bom pra todos)

    Ou quando é provocada, quando sua cria está em perigo por exemplo (Ai a mãe vira também uma onça)

    ResponderExcluir
  4. Mãe é mãe!!!!
    geralmente elas são mulheres comuns em seu dia a dia. Se tornam mães, realmente em duas situações:

    Para dar colo e conforto (E isso é bom pra todos)

    Ou quando é provocada, quando sua cria está em perigo por exemplo (Ai a mãe vira também uma onça)

    ResponderExcluir
  5. Bela narrativa.

    O colo de mãe é insubstituível.

    Abração, Silvio.

    ResponderExcluir
  6. É de tirar o folego!

    Parabéns querido, a ame muito, diga que a ama todos os dias. Você tem uma maneira única de falar de amor...

    Beijo pra mãe, e pra dona dos olhos...
    beijo

    ResponderExcluir
  7. Encheu-me a alma de melancolia... Lindamente expressada tua, posto que te pertencem os cheiros e gostos da memória unica! Apaixonante. Inebriante dos sentidos mais doces...

    ResponderExcluir
  8. Amor
    lin
    da
    men
    te
    descrito...
    sen
    tido
    e perfeitamente
    com
    par
    ti
    lha
    do.
    Vivi o que tem com sua mãe por 2 anos, foi o tempo que ela permitiu que eu a amasse.

    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  9. E sempre seremos os bebês, a precisar de colo. Mesmo que tenhamos outros bebês a quem dá-lo.
    Esse é um amor que o tempo não arrasta e que o vento não leva, por maior que seja a tempestade.

    ResponderExcluir
  10. Pois quem não sente saudade de colo de mãe? Sorte de quem pode reverter um afastamento. Perdi a minha aos quatorze. Lá se vão quase quarenta anos e ainda sonho com ela de maneira vívida.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Minha mãe E sua Mãe
    Que ao dar a benção da vida, entregou a sua...
    Que ao lutar por seus filhos, esqueceu-se de si mesma...
    Que ao desejar o sucesso deles, abandonou seus anseios...
    Que ao vibrar com suas vitórias, esqueceu seu próprio mérito...
    Que ao receber injustiças, respondeu com seu amor...
    E que, ao relembrar o passado, só tem um pedido:
    DEUS, PROTEJA MEUS FILHOS, POR TODA A VIDA!
    Para você mãe, um mais que merecido:
    Feliz Dia das Mães!
    Você merece!!!
    Meu abraço meu carinho para você

    Feliz Dia Das Mães.
    beijos e beijos com infinita
    ternura,Evanir.
    www.aviagem1.blogspot.com

    Nosso Dia Das Mães..Brasil

    ResponderExcluir
  12. Oi Silvio,

    que bom amigo, obrigada!

    Gosto muito do Espelhando, tive o prazer de ter uma história minha publicada lá no natal do ano passado que fica fixa no final da página.

    Beijo pra sua mãe;

    Obrigada.

    ResponderExcluir
  13. silvio,
    dê um grande beijo em sua bela esposa que é mãe e
    dê tambem em sua querida mãe um grande beijo e um abraço bem sentido dessa amiga poeta.
    Pois sei que elas, ambas mães como eu,
    são as duas razão de sua felicidade plena.
    Linda semana.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  14. simplesmente com poucas palavras dizendo tudo...parabéns pelo blog,está muito bom...

    ResponderExcluir
  15. Coisa gostosa, mãe é tudo de bom, não é mesmo? O que fazemos nos ensino que caminho mais tarde devemos tomar, nos faz experiênte. Parabens por compartilhar comigo a tua história. Também pela tua visita a meu blog.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  16. Oi, Silvio Afonso!

    Não resisti! Ao ler o título, precisei ler o texto!
    Tenho ciumes de quem tem mãe!
    Que feio, né!
    Mas é que sinto tanta falta da minha! Que já faz tanto tempo que está brilhando em outra dimensão!
    Que continua iluminando meu coração!
    Beijos, poeta!

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.