segunda-feira, 25 de abril de 2011

DOCE CAFAJESTE.

Ele era um conquistador barato aos olhos de alguns, porém caro aos que a sua beleza se rendiam. Era loiro e alto, magro e bem falante com o poder de amenizar na paz do seu sorriso a tristeza de quem as esperanças havia perdido. Sua vestimenta era sem luxo. Calça social e camisa de mangas longa, dobradas, aberta no peito. Este era o seu habitual. Nos pés, sapatos engraxados sob meias de algodão. Nos lugares em que chegava o riso da inveja tomava o canto da boca de algumas mulheres casadas e de todos os rapazes. Moças solteiras e comprometidas davam um jeito de ver de perto a impressionante figura e ao acharem que com ele chance não tinham logo colocavam defeito aonde não podia existir.
O rapaz, mortal como todas as criaturas, caiu de amores por uma donzela. Uma linda jovem de 19 anos, filha de imigrantes alemães e irmã de dez outros entre moças e rapazes. Era sem nenhum medo de errar, a mais bonita da família.
O rapaz procurou o pai da jovem e a pediu em namoro. O velho concordou desde que se casassem naquele ano. O jovem tentou uma aproximação furtiva, mas pelos irmãos dela foi escorraçado. Tentou encontros a sós, mas ela se negou e como não achava jeito de burlar a vigilância da família, ele se prestou ao impossível e marcou a data do casamento. Nas vésperas da cerimônia tentou se aproximar o suficiente para beijos avassaladores e amassos que levassem a possíveis bolinagem. Nada disso a família permitiu ou ela assentiu. No outro dia a festa estava pronta. A igreja enfeitada, convidados e padre apostos enquanto a noiva adentrava à casa do senhor. Todos estavam lá. Menos o noivo. Não apareceu nem para dar satisfação do seu ato ou mandou alguém para fazê-lo. Naquele momento a noiva descobriu que o casamento seria uma farsa, um embuste. Seria um golpe para que ele tivesse em sua cama a moça que virara a sua cabeça, mas casamento não estava nos seus planos. Um dia antes da festa ele tentou, e caso o ato se concretizasse partiria, iria embora, como foi, mas sem levar em sua boca o sabor do mel daquela virgindade.
A vergonha imperou e por mais de dois anos as caras ele não deu. A família, menos a noiva, não queriam saber dele e nem o seu nome era ventilado dentro daquela casa. Tempos depois um cavaleiro apeia no terreiro próximo a cozinha, prende as rédeas do cavalo no tronco a isso destinado e grita o nome de Maria. Ele avança porta adentro. Segurando o chapéu no lado esquerdo do peito, junto ao coração, joga-se de joelhos aos pés da moça que tremia de emoção. Tirou o embornal do ombro e de dentro sacou alguns papeis que davam como pagas as despesas da igreja na celebração do casamento e o aluguel do salão de festas.
Jurou que se casaria no primeiro sábado da primavera daquele ano e assim, sob a desconfiança de todos o meu pai se casou com a minha mãe. Foi a redenção do cafajeste. O mais belo e doce de todos os cafajestes abandonava as armas da sedução e ao julgamento e a pena que teria de cumprir ao lado da mulher que amava, se entregou.
Maria, tu tinhas que se chamar; Maria. Eu acho que todas as mulheres predestinadas a dor do amor deveriam se chamar Maria. Maria de todos os encantos, de todas as lágrimas, de todos os colos e de todas as esperanças...

35 comentários:

  1. Palhaço Poeta,
    Muito bom começar a semana lendo voce duas vezes: no Espelhando e aqui em sua casa.
    Bom dia!
    Que como foi depois
    no dia seguinte a ressusrreição,
    que a jornada nos seja de vontade de seguir adiante
    anda que seja dificil como deve ter sido
    para os que seguiam o Cristo.
    Pascoa pra mim significa seguir adiante
    mesmo que tudo grite Não á Vida,
    o Sim prevalecerará sempre.
    Linda semana !

    ResponderExcluir
  2. Opa!
    Seu pai...
    Ops... desculpa
    è só um personagem!
    Ja ia jurar que era voce(huahua)
    brincadeira.
    Historia linda.
    cores e flores pra ti.

    ResponderExcluir
  3. Pois é ja dizia a cançao :
    Maria, Maria
    É um dom, uma certa magia
    Uma força que nos alerta
    Uma mulher que merece
    Viver e amar
    Como outra qualquer
    Do planeta.

    e assim foi....


    beijos

    ResponderExcluir
  4. tenho cereza de que, embora não nascida, sou maria sentida. mas posso ser sem dores de amor ou tenho que sofrer? rs...
    muito bom o texto. e não nega o que eu sempre disse dos cafas. cafajeste a gente não ama, a gente... (eu ando tão respeitosa com a casa do vizinho! pq será? rs...)
    beijo!

    ResponderExcluir
  5. Querido amigo, hermoso texto, fue un placer inmenso leerlo.
    besitos para ti, que Dios te bendiga y pases una semana maravillosa.

    ResponderExcluir
  6. Linda historia... Por essas e outras amo passar aqui... Me inspira.

    Ótima semana..

    ResponderExcluir
  7. sou maria
    tive a sorte de helena ser forte então...mas não deixo nunca a maria morrer dentro de mim...

    helena mariah

    abraços

    ResponderExcluir
  8. gracias flavio por tu bello comentario,en mi pagina,tienes un blog precioso..un abrazo desde Tenerife(Islas Canarias)
    Isa

    ResponderExcluir
  9. e aí, doce cafajeste? como andas?
    rsrs ...
    grata pela visita e pelas palavras sempre tão certeiras que você tem e me deixou .... sempre um prazer andar por aqui ... beijos pra você ...

    ResponderExcluir
  10. Eu, Miriam. Segundo minha avó, meu nome significaria "Maria" em hebraico. Fiquei orgulhosa e sempre digo isso às pessoas. Sua história me emociona! Sua mãe me emociona! Tudo que existem em seu blog, mexe com meus sentimentos! Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  11. Se tendo um nome tão distinto de 'maria' eu já carrego essa cruz , imagine se me chamasse Maria. rs
    Obrigada pela visita , também gostei do seu espaço e vou favoritar (:
    tenha uma ótima semana

    ResponderExcluir
  12. oi! obrigada por passar lá no blog, e pelo comentário. adorei as suas poéticas! e voltarei aqui mais vezes.
    aproveito para te deixar outro projeto:
    http://entranhasvermelhas.blogspot.com/
    passa por lá!
    Abraços e seguimos conectados!

    ResponderExcluir
  13. Lindo versos sobre Nova Friburgo. Espero que um dia ela se torne a fenix e ressurja das cinzas.

    ResponderExcluir
  14. Os cafajestes sempre são doces. Se assim não fosse, como conseguiriam se fazer amar? E machucar?

    Entrei para conhecer e fui surpreendida por esse excelente texto.

    ResponderExcluir
  15. Hola, muchas gracias por seguir.

    Un abrazo.

    Andri

    ResponderExcluir
  16. Blog muito interessante, gostei muito dos seus textos, já virei seguidora. bjok

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Vejo agradecer a visita :)
    E é claro que já estou seguindo vc também.
    Muito obrigada pela preferência rsrs

    Se cuida, tudo de bom

    ResponderExcluir
  18. Você tem, realmente, uma grande facilidade para lidar com as palavras. Sua mensagem em retribuição à minha visita é um poema. Nossa, gostei demais!
    Espero recebê-lo sempre por lá.

    Obrigada

    ResponderExcluir
  19. Gracias por visitarme....te sigo y espero sigamos leyéndonos.

    Abrazos

    ResponderExcluir
  20. excelente historia, me gusto leerla.
    saludos y un beso

    ResponderExcluir
  21. Será que me chamo Maria Catia e não sei? rsrsrs
    Silvioafonso, querido! Segurei na sua mão e viajei contigo naquele comentario que fizestes lá no meu canto, que coisa boa! Amei! Valeu mesmo! Grata pelo carinho de me ler...

    bj

    Catia

    ResponderExcluir
  22. Porisso que dizem que as mulheres gostam dos cafajestes. Muito bom o texto.

    ResponderExcluir
  23. filho de peixe, peixinho é?

    ResponderExcluir
  24. Saudades suas poeta!
    Beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  25. Bela história, Silvio!

    Tenho Mariana (= de Maria) no nome. Tomei a liberdade de me sentir agraciada por suas palavras! =)

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  26. Hola amigo poeta!! (O mais caro que possuo.)

    Corei com o seu comentário!

    Me pego feliz o tempo todo quando recordo a maneira (tão inusitada e única para mim) que começamos a trocar as primeiras linhas. Entre "tantos corpos nús" e você a comentar de forma tão bela e poética.

    Começava ali a minha escola. Uma Michele que não era Obama, e que nem de longe poderia imaginar-se aqui e ali, aprendendo a poetar com um poeta tão lindo!

    Algumas de minhas professoras da faculdade, em especial a de literatura, minha linda amiga, Professora Solange, encantava-se também com os seus versos. uspirava. percebia sons, marcha, se via um pouco musa. (Que mulher não se mira neste desejo?) E incentivava-me dizendo que naquela TROCA, em nada eu deixava a desejar. (Me sentia nas nuvens todas as vezes em que retornava, mal podia acreditar.)

    Você vinha em versos e eu voltava em prosa.

    Mais um nível... outros versos mais ousados. alguns chegaram a estremecer minha base. Minhas amigas queriam conferir diariamente, viviam comigo a angústia do próximo, e me encararam "assustadas" dizendo: e agora? E eu voltava em versos, dias depois, após semelhante agonia de "parto", com o "pimpolho" poema em punhos, como se fosse um troféu e com um senso de dever cumprido, mais ainda, com aquela sensação tremenda de quem alcançou mais um nível. E neste bate e volta de palavras e sentir, poetei!

    Bjs no seu coração e muito obrigada pelo carinho e preciosa amizade.

    ResponderExcluir
  27. Amigo querido ...Gostei muito do texto...
    Que todos os dias quando você acordar...
    receba dos Céus a bênção de ter
    sempre por perto as pessoas que te amam...
    Um final de semana com toda sorte de benção bjs!!!

    ResponderExcluir
  28. Que linda história de amor...Todos os cafajestes um dia se apaixonam e se entregam...Bom demais ler algo tão lindo logo pela manhã , ainda mais por uma eterna romantica como eu.
    beijos no coração(achocolatados claro)

    ResponderExcluir
  29. Hola, mil gracias por las visitas, voy a traducir este post para poder comentarlo como es debido.

    Un abrazo muy fuerte y buen domingo.

    Andri

    ResponderExcluir
  30. Palhaço Poeta,
    passando aqui nesse primeiro dia da semana para agradecer a companhia aqui no Espelhando e seu empenho em posts tão errebatadores de encantamento atraves
    das letras.
    Segundas são segundas melhores porque me da a honra de seus posts aqui.
    Peço desculpas por naõ estarem comprindo comigo o compromisso de visitarem todos os posts, esse foi um dos combinados quando convidei cada um para postar.
    No seu caso, acontece que afirmam de forma particular que não sabem como comentar um texto de tão alto nivel. Digo que é bobagem, mas em fim, cada um é cada um.
    Portanto meus comentários é certo que la, nunca faltaram.
    Linda semana e
    Bjins entre sonhos e delírios
    e meus sinceros agradecimentos

    ResponderExcluir
  31. Amei seu blog !!! é muito lindo...
    Etarei sempre por ak.... Assim que puder,
    me visita e segue.... Se gostar deixa um comentário.
    Já estou te seguindo ....

    Bjão

    http://www.chocolatecommoda.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  32. Palhaço Poeta,
    passando aqui nesse primeiro dia da semana para agradecer aqui no Espelhando e seu empenho em posts tão errebatadores de encantamento atraves
    das letras.
    Segundas são segundas melhores porque me da a honra de ler seus posts.
    Peço desculpas por naõ estarem comprindo comigo o compromisso de visitarem todos os posts, esse foi um dos combinados quando convidei cada um.
    Acontece que afirmam de forma particular que não sabem como comentar um texto de tão alto nivel. Digo que é bobagem, mas em fim, cada um é cada um.
    Portanto meus comentários é certo que nunca faltaram.
    Linda semana e
    Bjins entre sonhos e delírios
    e meus sinceros agradecimentos

    ResponderExcluir
  33. nossa! que historia linda!!!
    me encantei!

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.