sábado, 19 de março de 2011

UM AUDAZ NO ESPAÇO.

Todo esporte radical serve de capa aos autoafirmativos.
Quantas vezes essa certeza me tirou o sono? Mais de dez, de cem, de mil vezes. Eu sabia que precisava provar a mim mesmo que por eu ter sido criado entre meninas -minhas irmãs, eu tinha que mostrar força, coragem e determinação aos que me conheciam e que eu era “homem” como qualquer um outro. O medo não me metia medo.
O paraquedismo, talvez, tivesse sido o maior e todos os desafios, porque a asa delta e o parapente, assim como o bang jump não me franziam o cenho. Hoje, nem tanto tempo depois, eu descubro que ser homem não é enfrentar a radicalidade do esporte, mas é enfrentar o perigo de não poder pagar o colégio das crianças, de resistir ao perfume de uma mulher que passa, de não chegar a tempo no trabalho e de não beijar a própria esposa quando sair e quando chegar. Enfim, ter coragem é não deixar de sorrir toda a vez em que pensar na mãe dos seus filhos. Estes são os perigos que eu poderia correr, mas felizmente já não me metem medo.

20 comentários:

  1. Que o breve
    seja de um longo pensar

    Que o longo
    seja de um curto sentir

    Que tudo seja leve
    de tal forma
    que o tempo nunca leve.

    Alice Ruiz

    BOM FDS...Beijos de coração prá coração! M@ria

    ResponderExcluir
  2. Crescemos e descobrimos que ser homem está além da coragem.
    Muito bom este seu texto.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Olá Silvio
    É bom perder os medos, assim a vida fica muito mais leve.
    Abração

    ResponderExcluir
  4. Não sei bem...
    mas não concordo 100% com a frase:
    "Todo esporte radical serve de capa aos autoafirmativos."
    Pode ter fundamento, pois sabe bem porque diz assim,
    mas "as necessidades" de cada ser
    hu mano são diversificadas...
    Não corro ou mergulho pra provar nada, nem pra mim, nem pra ninguém...
    pelo contrário.
    Penso em tudo que faz o sangue correr mais rápido
    como a vida sendo
    plenamente gozada, vivida, aproveitada.
    Uns preferem a calma
    outros a agitação...tão bom oscilar entre os dois. Ja contei como me apaixonei pele perigo?
    Morava numa cidadezinha em Tres Rio RJ,pegava o onibus pra escola, sobre uma ponte que la embaixo ficava a linha ferrea, descansei meu caderno, que ficara fora da moxila,
    encostei sem querer e ele caiu, la embaixo, não nos trilhso, mas em um lugar onde se eu descesse, poderia pega-lo, amava meu caderno mais que tudo, fui correndo. Quando la estou entre o barranco e os trilhos ouço o apito do trem,
    estava perto, atras da curva. Foi ai que tomei perigo gosto pelo perigo:encostei-me no barranco, segurei contra o peito com das mãos , o caderno e abracei uns galhos que tinha por ali. Foi minha salvação, fechei os olhos e virei o rosto de menina pro canto do barranco.
    O trem veio veloz
    mas na hora que ele chegou,
    o vento, a velocidade me seduziram e virei o rosto pra ver e abri bem os olhos.
    Foi a melhor sensação de toda minha vida até ali.
    Era amenina, seu caderno e o perigo, não havia mais ninguem por la.
    O trem foi,
    meu rosto gelado ainda, peguei meu caderno,
    subi, peguei a moxila...
    ajeitei minha roupa e meu cabelo
    e logo o onibus veio.
    Foi assim que me apaixonei pelo perigo, me tornei atleta: jogadora voleibol e handebol, salto em altura, salto à distância...por toda vida escolar.
    Só depois que conheci outras coisas aos 19 anos é que entendi a semelhança do momento do perigo e do ápice.
    Sua frase tem lógica,
    mas
    Só discordei que seja uma máxima
    "Todo esporte radical serve de capa aos autoafirmativos."

    Lindo domingo.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  5. Geralmente todos nós temos medo .pois ser criança é maravilhoso,
    depois dessa fase recai sobre nossos ombros o real peso da vida e sempre tentamos fazer o melhor.
    Uma linda semana beijos,Evanir.
    http://aviagem1.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Silvio,

    Eu já te sigo há algum tempo, seu blog é ótimo. E este texto ficou espetacular. Realmente, ser homem não é enfrentar a radicalidade do esporte.
    É bem outra coisa.

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  7. Querido poeta ,vim te ler e deixar um carinho.

    ResponderExcluir
  8. Silvio Afonso... boa noite e obrigado pela visita inesperada e lisonjeira...
    Conheço teu blog e agora sigo-o.
    Possuo outro blog ( meus poemas sérios e que gosto.... são como filhos não?)
    Grande abraço... e já estou te seguindo.....

    ResponderExcluir
  9. UMA ADAZ DO CHÃO, LEIA
    http://cristinapaiva.blogspot.com/2011/03/lilian-esse-post-e-para-voce.html

    ResponderExcluir
  10. voce tem um belo blogg obrigada por passar pelo meu e me dar um toque para voltar a postar.... o seu é muito interessante, voce me parece ser uma pessoa que gosta e pratica desportos radicais ... muito interessante... bjs espero que voce tenha gostado do meu ... e que continue passando por la...

    ResponderExcluir
  11. obrigada por sua visitinha pelo belo verso que escreveu ....

    ResponderExcluir
  12. Passei gostei e fiquei sigo-te
    Bjs meus

    ResponderExcluir
  13. A vida é uma aventura sem fim,uns vencem outros perdem..Um grande beijo amigo...volte sempre a meus cantinhos

    ResponderExcluir
  14. Seu escrito nos faz crescer e sentir que a vida deve ser vivida intensamente.

    ResponderExcluir
  15. Olá, boa tarde

    Obrigada pela gentil visita

    beijos na alma e bom final de semana

    ResponderExcluir
  16. Agradeço pela visita! Suas palavras são belas! Voltarei mais vezes!
    Beijos

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.