segunda-feira, 14 de março de 2011

QUEDA LIVRE...

Treze mil pés acima da tua indiferença.
Levante a cabeça se as cores da alma me pintam de nuvem sobre os teus olhos e se a mim tu queres ver. O querosene que a mim enjoa é o mesmo que emudece o tic-taque acelerado no meu peito.
No alto, aonde planam os condores, o medo já não me abraça, e nem que a minha falta de sorte me leve à morte, eu só morro se te perder. Voo às alturas o mais alto que a nave possa me levar e à pressão a minha cabeça aquentar. Sobem aos quinze mil pés a minha angústia, a coragem, adrenalina. Do alto, neste azul, eu já não vejo a menina que se espreitava por detrás da cortina a olhar os céus atrás de mim. Nervosismo que dita ordem, esconde a coragem, arrepia a pele e num salto audaz caio no vácuo de mim, dos meus sonhos, da minha juventude. Um minuto, eternos segundos que podem me custar a vida se valor ela tivesse. Momentos de quietude que o vento quebra não me deixando perder o tino. Faz comandar o punho libertando o nylon que entre mim e o céu se agiganta em cores de arco-iris no resgate da vida e do valor que dou a ela.
No sacodir do meu corpo o equipamento me trava a queda e em direção do alvo o paraquedas me carrega.
Um giro sinuoso à esquerda e abro as pernas em "V" para vencer o vento. Sobre ti, menina fujona, eu puxo para baixo da cintura o batoque e freio no ar o meu corpo, piso a grama como os anjos pisam as nuvens, no macio solo que me esperava.
silvioafonso.

18 comentários:

  1. Bom Dia Silvio,

    Vim te agradecer a visita e o presente deixado no meu cantinho, gostei imenso.
    Já estou te "seguindo"...e encontrando "letras que encantam"...

    Um Bom Ano, afinal finalmente está (re)Começando.
    Bjosss, meus, esSOLarados!!!!

    ResponderExcluir
  2. A sensação deve ser maravilhosa!
    Uma boa semana!
    Porque sumiu?

    ResponderExcluir
  3. Além de poeta, palhaço, é louco também. Tá completa a figura!

    Mas dessa loucura inda quero provar.
    Sensação de liberdade total.

    Abs!!

    ResponderExcluir
  4. Tão lindo ler o jeito que você faz com as palavras...Tudo fica lindo! Deu vontade de pular e sentir assim como o seu coração sentiu...
    Beijos querido .

    ResponderExcluir
  5. Embora eu seja um cagão rsrrs...gostaria de sentir essa sensação de provar as alturas...a liberdade de poder voar, mas de verdade não nessa forma brilhante que sua escrita faz. Seus textos nos fazem cair pra dentro deles. Eles refletem bem a palavra LITERATURA. Parabens amigo!!!!

    ResponderExcluir
  6. Amigo poeta..
    Sua postagem é contagiante escreve com verdadeira maestria seus poemas tocando fundo o coração de quem ama poesia como eu amo.
    Eu não sou poeta mais nasci com o coração de poeta.
    Um lindo dia beijos,Evanir.

    http://aviagem1.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Paulo, escreves verdadeiramente bem, como só os poetas o fazem. Por isso, vim aqui parabenizar não só a tua poesia, mas também o poeta pelo seu dia. Atraso, mas tudo bem.

    Tô sentindo sua falta no meu cantinho.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Adoro vir aqui... E daqui algum tempo poderei sentir essa sensação que você nos passa aqui

    ResponderExcluir
  9. Voltei com um blog novo.
    Seja bem vindo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Querido Silvio Afonso

    Há sentimentos que nos dão a sensação da queda livre, até que o próprio coração nos resgate e nos suspenda momentâneamnete, abrindo uma gigantesca gama de cores sobre nós, levando-nos até o chão, no qual pisamos com cuidado, embora quase arrastados pela emoção.
    Adorei seus versos.
    Também adorei seu originalíssimo comentário no meu blog, uma breve visão do que vc tem a nos oferecer.
    Muito obrigada.
    Conte com meu carinho,
    Fátima Guerra.

    ResponderExcluir
  11. Agradeço pela visita...
    E também amei seu blog...
    Já estou seguindo...
    b-jos

    ResponderExcluir
  12. Queda Livre!
    Além do belo texto, penso que essa seja a essência de quem sabe viver bem. Pois todos os dias os limites no pegam e nos engarrafam,literalmente. Em viver dessa forma:em queda livre é perder a noção disso.
    Vivo assim últimamente, junto com alguém que pensa parecido conosco e com seu texto.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  13. Silvio,

    Li seu texto e senti meu coração descompassar, como se eu mesma estivesse em queda livre...

    Adorei!

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. sempre achei que de palhaço, de poeta e de louco vc sempre teve um pouco. seus textos mostram estas trajetórias, dando ênfase ao poeta, claro!
    beijo!
    PS não sei se vc leu minha resposta, mas o blog é o mesmo de 2 anos atrás. só as últimas postagens e o lay são atuais. talvez por isso vc tenha tido a impressão de déjà vu!:)

    ResponderExcluir
  15. só quem se joga, se atira, se desprende do chão e de tudo, sabe quão maravilhosa é essa sensação de liberdade, leveza...
    adoro a forma como escreve. em cada linha uma sensação diferente... beijão

    ResponderExcluir
  16. Querido PalhaçoPoeta,

    este texto é dos mais belos que li aqui. Algumas frases são antologicas, como esta:
    "No alto, aonde planam os condores, o medo já não me abraça, e nem que a minha falta de sorte me leve à morte, eu só morro se te perder."
    Além disso, a correção e elaboração do texto dão um grande prazer a quem lê.
    Parabéns!

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.