sexta-feira, 30 de abril de 2010

DEUSA OU PEDRA PRECIOSA?…


Entre os desejos que eu mais respeito estão o arrebatamento 
e a escravidão, mas o amor é o que me põe de joelhos.  Não me refiro ao amor de uma deusa ou de uma princesa que aplaudisse os meus gestos ou as palavra que eu dissesse, mas de um amor que transcende a singularidade da alma. Um amor inteligente que distingue o choro, do pranto.  E o sorriso, da felicidade. Um amor que discerne entre o rico de bens e o pobre de espírito. Que enxerga a distância entre a misericórdia divina e a  misericórdia de um golpe desferido. Isso porque o amor não é o sentimento que caminha sobre as águas de um riacho, mas pelos labirintos da alma como os  mineiros na escuridão das minas de carvão aonde vivem, trabalham e morrem.
S
e eu pudesse amaria como amam os passarinhos,

 despidos de todas e quaisquer maldades, cantando em bando para quando chegar a  hora morrer olhando as estrelas, mesmo que, como os outros animais não saiba que passarinho que canta também morre, não de tristeza, mas por ter cumprido o legado que recebeu. Eu queria muito viver uma vida como esta para esverdear  as matas e os oceanos e descansar sob as estrelas o cansaço de um corpo repleto de amor.


terça-feira, 27 de abril de 2010

VOANDO ENTRE BALÕES…

Fuja, escape, voe alto, quem sabe para o mais alto ponto deste monte e me encontre.
Beija-me às escondidas, não a mão, a face ou a fonte, mas a boca e no meu peito apronte o salseiro dos seus desejos pois eu preciso conhecê-los.
Quero beijar o azul do céu de sua boca e lá no alto entre as nuvens vê-la colorida entre um arco-íris de bolas de sabão. Não importa a espiral que a alucina e que me deixa tonto, mas importa o néctar adoçado desta fonte que as minhas defesas vaza e a minha coragem afronta.

silvioafonso

segunda-feira, 26 de abril de 2010

MUNDO DA FANTASIA.

Não passei o resto da minha vida no sol forte que escaldava as costas do
estivador porque a sombra já existia.
De uma forma ou de outra eu cansei o corpo, mas não o levei à exaustão.
Estudei o suficiente para caminhar por sobre as pedras nesta estrada
empoeirada do meu dia a dia, mas temo, agora, pelo que será oferecido
no futuro, próximo, de alguns dias...

silvioafonso

quinta-feira, 22 de abril de 2010

É DIVIDINDO QUE SE MULTIPLICA…

Quando jovem eu conjugava os verbos na primeira pessoa do singular e do plural; eu ou nós. Tu, ele ou vós nem sempre por achar que cada um deveria guardar um pouco do que tem para não pedir depois.
Eu só daria um pedaço do que eu tivesse, se aquilo fosse grande o suficiente para ser dividido, e assim eu vivi por muito tempo, até o dia em que eu fui sorteado pelo destino com os filhos que eu tenho. Hoje eu dividiria a minha marmita, mesmo que ela fosse a minha única refeição, com o meu irmão mais necessitado. Se alguém me pedisse dinheiro para comprar um pão e isso desinteirasse a passagem do metrô, caso eu o usasse para ir ao trabalho, certamente, eu iria a pé. Antes eu não doava sangue, mas hoje eu doaria o meu braço para ver sorrindo a saúde do meu filho...
Isto é ser pai. Isto é aprender com o filho.


silvioafonso


.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

SONHAR PARA VIVER…

Um mês, um ano, uma história. Tudo no seu
tempo se resolve, só a felicidade não se faz
entre os minutos e os dias, entre as dúvidas
e os desejos, entre o desânimo e a espera.
Tenho tempo, mas o tempo não tem a mim.
Tenho desejos, curiosidades, babo de ódio
tem vez, para gozar na esperança. Entre o
nervosismo desta agonia está a sua ausência.
Por que não se mostra? Não floresce,
amadurece, não cascateia e não deságua, já
que não afunda, mas não da pé? Mostre a cara
que eu calço de pelica as luvas, mas não ria se
o tapa for de beijo, de carinho ou de desejo.
silvioafonso.

terça-feira, 20 de abril de 2010

VIVER PARA COLHER…

Marcelo,
daqui de casa eu ouço o seu coração
assim como sei que o dia será
pequeno para os abraços dos amigos
tão queridos.
Um dia, entre tantos, foi escolhido
para contar a sua história; o dia do
seu nascimento. Você poderia ter
nascido no inverno, no calor de
um verão festivo ou nas coloridas
manhãs da primavera, mas não...
Você nasceu na estação das colheitas,
dos frutos, no mês da fartura
quando até os que nada tinham para
comer sentiram as forças
revigorando o corpo e com a enxada
nas costas partiram para a lida.
Outono, época dos frutos. Tempo
dos grãos e da esperança.
Parabéns, meu amigo, por mais esta colheita.
Cada dia que passa prospera a lavoura.
silviofonso

segunda-feira, 19 de abril de 2010

MARCELO, MEU AMIGO.

Amanhã, como em cada dia 20 de todos os abris desabrocharão as flores existentes nos jardins do coração de cada um de seus amigos.
Botões de rosa, lírio, dália, magnólia, orquídea e violeta.
Botões de beijos, de sorte, amor e compreensão. Em todas as flores e em cada um de seus botões haverá o som da melodia que você mais gosta. O perfume de um amor que surgiu um dia e que no seu peito faz morada. O sorriso da criança que você foi e que as vezes, ainda brilha nos seus olhos.
Enfim, como diria Kelly, a mulher que tem nos olhos a beleza de todas as esmeraldas, parabéns pra você, meu amigo, verdadeiro irmão, conselheiro camarada, nesta data tão querida. Da lavoura semeada à colheita do plantio.

silvioafonso

sexta-feira, 16 de abril de 2010

AVATAR? AH, TÁ.

Pelo que fiquei sabendo, esses americanos se acham, sempre metendo o bedelho no que não é de sua conta.
Agora, por exemplo, este tal de James Cameron, este mesmo, que perdeu o Oscar do "Avatar" para sua ex-mulher, vem e dá pitaco na obra que abrirá milhares de empregos com a construção da maior usina hidrelétrica do País (pelo menos é o que diz o noticiário). Não é o caso de Itaipu, que pertence a dois países.
Mas voltando ao Camarão, digo, Cameron, este moço é contra a agressão que o solo sofrerá com o impacto ambiental, assim como desnorteará, diz ele, o povo que vive da pesca ou precisa usar o rio Xingu para comercializar seus peixes ou suas mercadorias. Duas mil e oitocentas pessoas aproximadamente, entre elas, pescadores, agricultores, índios e até os moradores de Altamira lutam contra esta ideia há mais de 30 anos.
Eu não sou a favor, nem contra a obra, mas fico tiririca com estes caras que criticam o problema dos outros, como se eles não tivessem um igual ou maior. O cineasta, por exemplo, deveria se preocupar com as usinas do seu país, que agridem muito mais e não foi só com a construção delas, mas com a poluição do carvão que toca as suas turbinas.
Ele, o cineasta das boas imagens e razoáveis roteiros precisa atirar num alvo fixo, caso contrário acabará caçando o próprio rabo.
Pelo que sei, Cameron filmará no Amazonas ainda este ano. Espero que ele se preocupe com a mulher que foi dele, caso contrário pagará outro mico ou qualquer bicho que ele achar bonitinho nas matas brasileiras.
E tenho dito.

silvioafonso

quarta-feira, 14 de abril de 2010

O SEU SEXO CAUSA MEDO OU INVEJA?

    Eu não sei se você se lembra de como era a sua vida na juventude, mas com certeza há de se lembrar de como usava os cabelos, dos presentes preferidos e do belo corpo sarado e bonito  que causava inveja às amigas. Hoje, passado dez anos, tudo ou quase tudo mudou na sua vida, inclusive a cama.  Seus desejos, sua ousadia, o desempenho da mulher fogosa e o gozo que arrebatava os mais exigentes já não são os mesmos.
É claro que algumas coisas não mudaram, como o seu caráter e a fidelidade para com os outros e para com você mesma. As demais mudam a cada década, e o sexo então, nem se fala. A propósito; como será você daqui a 30 ou 40 anos? Como estará sua libido com relação ao marido ou aos seus namorados?
Quando se tem 20 anos a animação é grande com o tesão fervendo nas veias.  As mulheres querendo preliminares enormes sem se importarem com a hora ou o lugar onde possam fazê-las, se durante a noite ou em plena luz do dia,  se no capô de um carro, no escritório do namorado, no escurinho do cinema, numa rua ou  na praia deserta. Transam na escadaria do prédio onde moram e sem pudor contam às amigas do escritório ou do colégio cada detalhe do que fizeram. Com o tempo essas coisas vão mudando e o que se fazia durante um dia inteiro, hoje se faz em duas horas ou menos, porém de maneira muito melhor. O prazer de uma relação a dois é imensa e nem o arrastar das horas lhes parece que o tempo voa. Foi assim com uma amiga que tinha um namorado e jurava ser ele o cara de sua vida. Ficou três meses com o sujeito. Mais tarde ficou com o amigo dele que frequentava a mesma igreja. 
  - Ele não foi o primeiro com quem transei, mas tem tudo a ver comigo. 
 - Introspectiva me dizia. Na última vez em que nos vimos essa moça jurou que tinha encontrado sua verdadeira cara metade. 
  - Eu e o meu namorado fazemos coisas que eu repudiava nas prostitutas, mas com ele é diferente, maravilhoso, e eu me entrego toda fazendo isso, mesmo achando que não é direito e muito menos coisa de mulher direita - disse baixando os olhos.
O tempo muda o comportamento das pessoas no decorrer da vida. Muitas mudam para melhor.  Outras se acovardam na mesmice, mas de certa forma também mudam, porque basta perder o medo do que possam falar ou possam dizer quanto aos múltiplos orgasmos que seu companheiro ou companheira possa lhe dar. Carinhos atrevidos, sussurros ao pé do ouvido, além da janela mal trancada que o vento abre ao faro dos lobos que passam na calçada em busca da fêmea no cio, estado em que você sempre se encontra.

terça-feira, 13 de abril de 2010

BILLY ECKSTINE....


     Enquanto os amigos se vestiam de jaqueta de couro, calça jeans apertada, botinha sem meia e sempre que possível levava um violão consigo, o cara a quem presto as minhas homenagens, não estava nem aí para tais pessoas que imitavam os artistas ou quisessem se parecer com com eles, com James Dean, Elvis Presley e outros de sua época.
Billy Eckstine, mulato magro, voz grave e doce, no entanto, apresentava-se nos palcos do jazz das cidades americanas. Este cantor acabou por virar a cabeça do meu homenageado. O cantor não era o mocinho das telas, porém qualquer cantor ou músico gostava de dividir o palco com ele e isto chamou a atenção do jovem que a que eu me refiro e que, por sua vez, tentava dublar os artistas do rock nas pequenas rádios.  Billy Eckstine, no entanto, despertou de tal forma a atenção do rapaz que ele veio a  trocar o seu nome pelo do jazzista.
Hoje, muitos e muitos anos depois, eu tenho a doce lembrança daquela época. Não que eu a tivesse vivido, mas tomei conhecimento da jornada que os adolescentes viveram naqueles dias quando Billy Eckstine cantava para o povo de todo o mundo, inclusive para um jovem loirinho que, inspirado por sua melódia, até seu nome o rapaz trocou.

sábado, 10 de abril de 2010

CHEGAR É UMA COISA. PASSAR É QUE SÃO ELAS....

Eu adoraria que na vida, como na Fórmula Um, a pista fosse de mão única, não tivesse cruzamentos e sinais luminosos, guardas de trânsito e radares espreitando a minha direção. Adoraria que todos corressem em busca de um mesmo ideal mas que; como na Fórmula Um, a nossa equipe estivesse muito bem treinada e que imprevistos não acontecessem. Chegar seria, sempre, a razão principal da largada, mas subir ao podium, a sensação da vitória, do dever cumprido.
silvioafonso.