sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

FOI ASSIM...

Tremia entre um par de braços e outro. Corria aos diversos encontros sem medo e vergonha. Ofertava a boca aos beijos e entre tantos se perdia da modéstia e da vida.
Poucas amigas a invejavam enquanto a maioria condenava. Quando sabiam dos seus feitos, enrubesciam, caso contrário provocavam para que falasse, que contasse tintim por tintim até que o prazer se fizesse entre ela e as curiosas.
Eu não fiz parte deste processo, mas garanto que se fizesse não me envergonharia, pois cada um faz da sua vida o que acha que ela vale.
Hoje eu fiquei sabendo que ela se enamorou e desta vez, à vera. Envolveu-se com um jovem desportista e com ele dividiu o que restou de sua sorte. Ele, trabalhador e sério, sorria e fazia sorrir aquela que muitas vezes chorou, só, às escondidas.
Eu sempre achei que Deus é piedoso, que não penaliza um filho que, segundo a nossa sociedade, tenha feito algo errado.
Encontrei, enfim, este casal. Mãos dadas e cabeça erguida. Filhos em formação e um sorriso que antes era debochado, agora é de agradecimento aos que entenderam que a felicidade pode, sim, ser desejada e conseguida, não importando os caminhos e custando o tempo que custar.

silvioafonso

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

AQUI, NÃO JAZ.

Não adianta o tempo passar, a vida explicar ou a felicidade tomar conta de mim se ela me abandonou quando você da gente se cansou. Seriam verdadeiros os seus abraços quando com flores eu ria mais que devia e a você entregava ao dizer que o amo? Não sei, talvez, só que não. Você, meu tio, foi um dos meus amores. Você recebeu como sua a família que assumi e deu a ela o mesmo tratamento que era meu. Você brincava nos momentos da seriedade, das dores e das verdades, mas em tempo nenhum deixou de ser meu amigo. -Descanse em paz, meu amigo, mas não sem que eu lhe diga que covarde e mentiroso foi você quando dizia que tudo estava bem e que nada tirava a sua alegria para em seguida, sem dizer, adeus, bater asas e ir embora.
Descanse, como eu disse, em paz e até breve. Não muuuito breve, mas até.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

CRIATURA E CRIADOR...

Ela veio como vem o vento, suave acariciando o rosto, brincando por entre os fios dos poucos cabelo que sobraram e beija a face, faz parquinho nos seus lábios e se perde no seu sorriso. Faz com graça embarcado no veículo "SURPRESA". Qual o antivírus evitaria que as portas do HD de um coração pudessem ser invadidas por uma peste que trava e entrava a máquina de qualquer um?
Ele abriu o email e expôs os seus arquivos. Não digo que foi bom ou que tenha sido ruim, até porque o sensor da sua alma foi violado pelas palavras. Doces palavras no melhor da língua casta. Ponto por ponto, vírgula por vírgula e ele se derreteu, como se derretem aqueles que descobrem que o anticorpo se rendeu ao amor.
Suas palavras foram síntese de uma história, história que toca a vida e incentiva esperança.
Ele a ama e por amor perdeu, não o sentido das palavras, mas a linha primária do jornalismo e por isso se viu refém dos seus carinhos que como carcereiro lhe trazem agrilhoado no porão da sua vida qual um computador que emperrado por um vírus se calou e adormeceu. Eles vivem o sonho na lembrança do melhor que existe neles e entre os beijos e os abraços que se deram cada um se tornou no que o outro quis que fosse.

silvioafonso.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

TODA AMIZADE TEM O TAMANHO DA CONFIANÇA.

Ok meu amigo,
- como já te enviei uma mensagem, via celular, por aqui tudo fluindo, digo, "tudo Bem". Dei uma pausa nas arrumações e ao fazer esta visita descobrir que haviam 95 mensagens não lidas, ou seja, é a primeira vêz neste ano (2010), que abro meu e-mail.
Fiquei surpreso em ver o quanto eu sou lembrado perante todos áqueles que torcem por mim ou se preocupam para comigo e, dentre eles, é claro, NÂO poderia deixar de estar você, o amigo que me mostrou que não se deve bater na borda da panela, e o quanto é lindo viver intensamente cada momento, cada minuto. Mais uma vêz, obrigado pelo seu carinho, seu apoio e por que não, pelo seu amor.
Todo ser humano passa por turbulências em sua vida. A alguns falta o pâo na mesa, a outros, a alegria na alma. Uns lutam para sobreviver. Outros sâo ricos e abastados mas mendigam o pão da tranquilidade e da felicidade.
Meu amigo, você é insubstituível; e digo mais, Ser feliz não é um dom genético nem privilégio de uma casta social. Ser feliz é contemplar o belo, é fazer diariamente das pequenas coisas um espetáculo aos seus olhos, e é por isso que digo o quanto você é insubstituível.
Mais uma vêz, obrigado por ter ficado comigo em 2009, - Espero que em 2010 possamos contemplar ainda mais nossa velha, e ao mesmo tempo, nossa precoce amizade.
Um 2010 divino, a você, e a todos aqueles que têm o privilégio de estar, de viver com você.

Beijos do seu amigo,
Marcelo.

Araruama, R.J, 08 /Janeiro / 2010.


RESPOSTA:

Marcelão, eu estou sem palavras.
De qualquer forma, um amigo não
é o que por último deixa a festa, mas
o que fica, para a limpeza.

silvioafonso.


.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

SÓ A VERDADE ME CALA...

Todas as dúvidas e mistérios precisam de um galho, um pouso, um ninho. Pois que pousem sob os meus olhos, para que nos meus ombros
eu os possa decifrar. Vendo vento, cobro brisa.
Lido com a forma dos mistérios. Vejo silhuetas, entendo colorido, já que os perfumes não são vistos, mas sentido.
A felicidade é cheiro que não sinto, são flores que não vejo e como o amor não tem forma, não tem jeito, se no peito de quem amo, vivo.

silvioafonso

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

PORQUE É NATAL...

Todo ano é a mesma coisa: Dou presente como se tivesse comprado para mim e no entanto, recebo, como recebi agora, um pequeno embrulho, uma caixa de presente que pensei conter um relógio ou algo pequeno, bonito e caro. De fato era pequeno, bonito e caro: um cortador de charutos e o pior é que eu nem fumo. Na outra caixa uma bomba de encher pneu de bicicleta de corrida, mas nem ergométrica tem aqui em casa. Quanto ao resto, todos já sabem; bebe-se e come-se em dois dias o que em uma casa comum se come o resto do ano, e tome de beber antiácido...
Feliz 2010 para todos, porque eu farei de tudo para que o meu seja razoavelmente razoável.

silvioafonso.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

THE DIARY

Não faço diário para guardar as minhas histórias, como outras pessoas também não fazem.
Somos, de alguma forma, pessoas que sonhamos com o mar nos lambendo os pés e com a brisa tecendo em nossos cabelos uma choupana de amor.
Tem gente assim, como eu, não tantas que possam tropeçar umas nas outras, mas tem. Existem aquelas, inclusive, que lêem livros e entre as letras se perdem olhando as flores, o pôr do sol e os beijos na boca.
É verdade! Tem gente que sonha com a vida que todos deveríamos ter. Vida que nos deixasse sorrir de olhos fechados, braços abertos em cruz contra o vento que força na cara a chuva que encara o céu, já não tão azul. E mesmo sentindo tudo isso, eu não vejo a necessidade da criação de um diário pessoal, até porque a nossa consciência nos induz ao grito das nossas dores, dos nossos prazeres tão cheios de verdades e de amor para com os que, verdadeiramente, gostam da gente.

silvioafonso